Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2018

Um corpo que cai é show

Achou que eu não ia falar dos 60 anos de Vertigo? Achou errado, otário! Vertigo - ou "Um corpo que cai'' em português, pois o brasileiro é uma raça fabulosa - foi lançado em julho de 1958 e é considerado um dos melhores filmes de todos os tempos, sempre figurando nas listas dessa gente muito entendida de cinema que ganha a vida tecendo comentários sobre a sétima arte. O último rol, de 2012, atesta o que vim dizer com esta resenha meia-boca ou esse simpático choque de cultura: o tiozinho que tem umas tonturinhas protagoniza um filme show! Já diria nosso raivoso motorista da Towner azul-bebê - ou não, Renan é indecifrável.  Devo confessar que falar de Vertigo me causa certa melancolia: jamais ficarei novamente com o coração na boca ao visualizar o final da trama, que me deixou completamente perturbada e me fez questionar tudo que assistira até ali. Hã? Cuma? Quê? Volta ali, pera, como foi? Foram algumas das frases proferidas por esta simpática leiga ao encerrar a empreita…

Um ser incrível

Não acredito em relações perfeitas e abnegadíssimas - todas são uma via de mão dupla. Nem mesmo nas de mães e filhos, ainda que o mito da maternidade venda a ideia de que esses seres incríveis estão ali para o que der e vier. Mas imaginar que há um colo me esperando independentemente do que aconteça é alentador, conforta meu coração burro e infantil. O mundo não é um lugar legal, ele está pouco se importando se estou gripada, se levei o casaco para o caso de esfriar, se tomei meus remédios, se comi direito. O mundo quer mais é que eu me foda. E, às vezes, ele consegue. O mundo certamente não teve mãe.  Mas eu tive e tenho, e tem sido sempre uma experiência reveladora ter alguém tão bom para mim, mesmo quando nem mereço. Ter alguém que me ama de verdade - vocês têm ideia do que é ser amado de verdade? - torna as coisas bem mais fáceis. Será possível alguém amar um ser além da própria vida? Ou tudo não passa de construção social? Será possível essa relação aparentemente impossível de m…