quinta-feira, 31 de julho de 2014

Sendo Bruna & fracassando

Fracassar é uma arte. E é a mais antiga do mundo, possivelmente. Fracassar é exercitar nossa bizarra humanidade e, sobretudo, não escondê-la. Quando eu afirmo, copiosamente, numa postagem aqui que estou sendo Bruna e fracassando, quero dizer que estou sendo real, sendo como a Gisele, o Luciano, a colega da frente, a tia da Beltrana. E, se eu estou fracassando, há uma chance bem grande de eu estar tentando. Só fracassa quem tenta. Quase posso ver vossas fuças outorgando minha infelicidade, ao lerem um gerúndio tão indigesto e incompreendido. ''Pobre guria, tem tudo e só passa reclamando... se fazendo de vítima naquele blog idiota.'' Confessemos, é nosso hit parade diário: classificar felizes e infelizes.
O que nós, do alto da nossa lente míope, sabemos de fato da vida de quem nos cerca? Eu diria que muito pouco, ainda que nos esforcemos para deixar todos a par de nossas andanças particulares. A gente sabe muito pouco. A gente, sinceramente, não tem que saber de muita coisa. Não raro, simpatizo bem mais com quem explode suas angústias sem pudor que com os que insistem em protagonizar esquetes de super-humano. Eu sou foda! Eu tirei mais um 10 na prova de álgebra, clique aqui pra ver meu desempenho! Acabei de doar um balaio de roupas usadas no bairro tal, siga meu exemplo! Eu sou um dínamo na cama! Tô pronta pro crime com as gatas, só vai dar nós! Veja bem, pessoas reclamando insistentemente e despejando suas fraquezas realmente são um porre, um saco, um desserviço, MAAAS, talvez, elas sejam bem mais críveis. Bem mais passíveis de serem entendidas, de terem suas almas tocadas. De terem seus defeitos perdoados.
Quando eu digo que fracasso, é porque eu sei ser humana como ninguém. É porque eu sou brasileira. É porque eu seguidamente tenho o hábito de esquecer que me fizeram mal e ficar na minha. É porque eu acredito no amor, mas me sinto uma imbecil por acreditar e não sei lidar com tal contradição, logo, só me resta o deboche. É porque eu sou criança demais quando não devo e adulta demais quando não é preciso. É porque eu sempre perco os horários do ônibus e já poderia ter terminado uma São Silvestre graças ao tanto que já corri atrás deles. É porque me faltam as palavras, quando elas deviam jorrar da minha boca. É porque sofro de verborragia crônica quando tudo que eu devia fazer era emudecer. É porque eu não gosto de best-sellers como A Culpa é das Estrelas e me dá uma raiva que meio mundo goste e me faça ficar sem assunto na mesa do aniversário da cria da vizinha. É porque eu amo sarcasmo e quanto mais eu gosto, mais quero, ainda que me faça mal. É porque eu perco o amigo, mas não perco a piada. É porque eu faço piadas ruins. É porque a existência é uma incógnita pra mim e constantemente me vem à cabeça que não somos mais nada que arrogância em um corpinho brincando de perfeição. É porque eu penso demais. É porque eu não tenho coragem de me declarar. É porque eu idealizo os caras e só me frustro. É porque eu escuto MPB demais e isso não é bom pra sonhador. É porque eu escuto Phil Collins, gritando no escuro tudo que ele fala. É porque eu sou um imã de platonismos entalados na garganta. É porque eu fiz jornalismo e insisto em procurar inspirações literárias em um mundo que prioriza bons vendedores e gerenciadores de crises. É porque eu nasci assim e agora a merda está consolidada. Quando eu digo que fracasso, é porque só me resta torcer pela sorte.


Auxiliou no post:

As coisas tão mais lindas - Nando Reis   






terça-feira, 29 de julho de 2014

Você prefere ser bonitx ou interessante?

Não lembro bem qual a ocasião, mas a pergunta nunca me saiu da cabeça. Numa destas revistas femininas cretinas (provavelmente), lá estava ela: Você prefere ser bonita ou interessante? Percebam a capciosidade da questão, pois, obviamente, uma característica não exclui a outra: é possível ser bonita e também ser interessante. Mas a dita revista mandava escolher. E eu, ainda que não tivesse a feiura como objetivo de vida, sem pestanejar (ok, sem pestanejar pouco), assenti internamente que preferia ser passível de interesse. Nossa, mil vezes. A ideia de ser desinteressante me apavorou a existência - ainda juvenil até ali, porém, reconheçam, dotada de esperteza.
Anos depois, sigo com a segunda opção. Vamos imaginar que realmente as duas condições sejam excludentes, ou seja, ou só se possa ser muito bonitx ou só muito interessante nesta vidinha severina metamorfoseada de Daslu. Qual vocês prefeririam? Claro, aqui não entro no mérito de pessoas bonitas serem necessariamente sempre muito interessantes - ao menos no plano físico e hormonal da coisa. No joguinho que proponho, só se poderia escolher uma - tal qual naquela página muquirana com que topei. Qual seria eleita por vossas senhorias? Trouxe o tema a debate, pois dia desses fui chamada de feia - eu, que me acho até bem jeitosinha. Tô chorando a cântaros desde então. Além disso, andei sendo perseguida pelo assunto quase como rastilho de pólvora nas minhas últimas leituras. E daí a feiosa veio escrever, porque, aparentemente, só restaram-lhe as palavras. É sempre um tema delicado de abordar, porque feio mesmo ninguém quer ser - eis a verdade. Mas, poxa, ser desprovido de potencial interessável... nossa, essa, na minha modesta opinião, é bem mais grave - se é que podemos atribuir gravidade a isso. A lavada já começa na semântica das palavras: bonito é bonito e acabou, até uma parede branca pode ser bonita. Mas ser interessante é algo que, por natureza, interessa. É qualidade que traz entranhado um quê no próprio verbete do dicionário. O interessar mora junto dos pronomes indefinidos: algo ali existe, nem que seja um algo estranho. Cá entre nós: como uma estranheza pode ser sedutora. Sempre tem aquele cara estranho que a gente acha o mais sedutor dos mortais. E ele nem sonha, tadinho.
Não estou dizendo, do alto da minha ingenuidade, que beleza não tem vez. Tem e muita. Gastamos boa parte de nossa sanidade visando a uma convivência amistosa com os espelhos, é triste e é real. Mas, olha, ser desinteressante, digamos que não ter nada a oferecer, ser previsível, ser só mais um rosto trabalhado na Mary Kay e nas Dudalinas da vida não é de sorrir. É bem de lacrimejar, eu diria.
É claro que eu ia resvalar no clichê máximo dos compartilhamentos de tia, mas penso não ter como fugir: é isso aí mesmo, beleza pode ser um estado bem efêmero. Cá entre nós: sempre tem aquelas criaturas que acham-na o suprassumo da conquista terrena. E elas não têm ideia do quão patético isso é, tadinhas.



Auxiliou no post:

Never Ever - All Saints






  

terça-feira, 22 de julho de 2014

As jubinhas mais incríveis do universo

CARL JUNG
                                               CAETANO VELOSO
                                                                                                   J-LO
                                   ELBA RAMALHO
                                                                                                MATTHEW PERRY

                                                                   LISA KUDROW
          MATT LEBLANC                                                                                FIDEL

                                        MARK KNOPFLER
                                                                                                             DRICA MORAES
                                                                                   SANDRA BULLOCK
                                         JOHN DEACON
  ROGER TAYLOR
                                                                                         
                                                                                                        EDWARD NORTON
                                                         STEVE CARELL
       SIMÓN BOLÍVAR                                                                                                                        

                                                                      OBAMA              
                                                                                                             CORA CORALINA
                                           ZÉ WILKER 
                                                                              SLASH                    GABRIELLE CHANEL
CARLOS CACHAÇA

                                     TATÁ WERNECK                             MADONNA                    
                                                                                  
                                                                                                            JORGE AMADO
      ANNIE PROULX
                                                         ALEJANDRO GONZÁLEZ IÑÁRRITU
                                          
          EMILIANO ZAPATA 
                                                                            PIERRE BOURDIEU
                                          
                        MARIO QUINTANA           

                                                                                                      BAUDRILLARD        
             
&


EUZINHA          


CLARO         



                                                                 Hihi


       


                                         

domingo, 20 de julho de 2014

Tem amigos e amigos

Escrever sobre amigos requer uma carga alta de nostalgia e manteiguismo derretido, mas não estou me sentindo necessariamente assim hoje (aí reside o problema destas datas encomendadas: nem sempre o coração acompanha a pedida do calendário). Todavia, vou levar a pauta adiante, por pura falta de originalidade. Os migo... ah o que dizer dos migo? Os migo são essa entidade, essa sorte, esse azar, essa corja, essa legião. Todo mundo diz que tem os melhores, mas eu, só para dar uma sacaneada, direi que os meus são bem meia-boca. Será que eu ainda os tenho? Amigo é tipo objeto que a gente guarda na gaveta e diz que é da gente para sempre enquanto tiver pilha? Que piadista euzinha. Eu também não sou lá essas coisas... veja bem, eu vivo furando encontros, quase sempre estou atrasada e não sei agradar. Como assim agradar, tia Bruna? Ah... sei lá, menino, não me peça detalhes que eu não sei falar sobre mim. Mas será que os outros sabem? Não é bizarro que pessoas muito próximas nos conheçam tão pouco, às vezes? Será que nos mostramos distintamente para um e outro, e por isso essas dúvidas nos perseguem? Dia desses, um amigo falou que roxo é minha cor preferida. Fiquei desconcertada, porque todo mundo sabe que é vermelho. Bom, mais desconcertados ficarão vocês quando eu disser que ninguém falou nada, inclusive, além de não saber agradar, eu não sei falar a verdade, ainda que, quase sempre, opte por ela. Penso que ser amigo é optar por clareza, por mais que, depois da luz acesa, não se vejam sorrisos.       
Tem amigo que anima de um jeito sobrenatural que só ele sabe - e possivelmente nem saiba que sabe -, em contrapartida, não sabe brincar e se magoa com facilidade. Em resumo: é gente boa, mas é chato. Tem amigo que é Bruna, mas o que importa é ter saúde. Tem amigo que é ótimo sóbrio, mas seria uma benção se emudecesse quando bêbado. Tem amigo que só se aguenta bêbado. Tem amigo que nem sabe o quanto é teu amigo. Já tive amigas de fila de banheiro que foram mais aprazíveis do que gente que estudou comigo. Tem amigos e amigos. Tem amigo que, por mais que se faça um esforço, não cabe no teu momento. É, sabe aquele momento? Pois é, exato. Tem amigo que é melhor em silêncio. Tem amigo que é melhor na lembrança da foto. Tem amigo que vive no teu cotidiano, mas não te respira. Tem amigo que é realidade demais e te faz mal. Tem amigo que é sonho e isso te ajuda de maneira monstruosa a atravessar os dias. Tem amigo que dói. E tem amigo que, mesmo que a gente queira, não sai. 



Auxiliou no post: 

Laughing with - Regina Spektor






quinta-feira, 17 de julho de 2014

Acabou irritare (mentira)

Estava aqui de boa, sendo Bruna e fracassando, quando comecei a pensar no quanto somos impelidos a irritar. A sermos irritantes. Como se isso estivesse nato em nós: a arte de irritar. Claro, por mais que nos esforcemos em sermos bacanas e tal, no fundo, mas bem no fundo, tudo que a gente mais quer é fazer valer nosso direito de ser irritante, porque, oras, isso é o que fazemos de melhor. Eu também, meu, não estou tirando o meu da reta. Eu devo ser intragável para certas pessoas. Ou não também, vai ver eu estou é me dando importância demasiada. Das questões que sempre serão uma incógnita. Exceto quando alguém estiver bêbado e resolver gritar isso na minha cara, pode acontecer.
Porém, como vivemos sem nos estapearmos diariamente, já que isso é inevitável? Bom, digamos que nós criemos vínculos com irritantes semelhantes a nós, como se nosso talento buscasse uma sobrevida longe do nosso casulo para poder simplesmente existir e se relacionar. Então, temos muralhas que dividem os irritantes que só sabem falar de gatos, os irritantes que postam nas linhas do tempo como se não houvesse amanhã e entopem de porcaria nossos feeds, os irritantes que não se enxergam, vivem a julgar o rabo alheio e escrevem mecanicamente fikdik em frases genéricas, os irritantes que só escutam sertanejo e nos convidam para shows da banda ganhadora do programa musical da Glóbulo, os irritantes que colocam crase antes de palavra no masculino, os irritantes que só sabem falar de Games of Thrones e seriados medievais e nerds chatos pra caralho, entre outros. Só que estou sendo simplista aqui, claro. Nós, irritantes, misturamos variadas características até que fiquemos camuflados. E, misteriosamente, nos reconheçamos: daí são sedimentadas as tribos - se é que eu posso denominar assim. Nossa capacidade de irritar é, simplesmente, um estado de espírito. Repelimos e atraímos com ela.  
Não raro, nossas relações amorosas, por exemplo, ficam desgastadas com o simples exercício de vivê-la. Eu gostava dele, mas, do nada, comecei a implicar com coisas mínimas, como o jeito como ele segurava o copo de cerveja. Engraçado é que antes eu achasse tão sexy o jeito como ele tomava cerveja. Que homenzinho irritante! Acontece nos melhores corações, é inevitável. Todavia, ela, a capacidade irritabilística, pode ser também um catalisador de aproximações. Irritantes que somos, também podemos converter todo um rol de manias irritantes em charme e mistério. Não é uma gracinha o jeito como ele sempre parece ter saído de um concerto de rock, esbanjando vitalidade e lascívia, aquele ser irritante e insuportável? Acontece nos corações mais fascinantes. Ou nos mais cretinos, dependendo do ponto de vista. O que era magia vira mera apatia, ah... que pena.   
Penso eu, que nessa frágil sina de ser irritante - sim, frágil - vamos, então, instintivamente tentando grudar em quem irrita parecidinho com a gente. Ou em quem julgamos irritar parecidinho - vale lembrar que certeza é um bônus que não costuma frequentar todas as mesas de aposta. No fundo, as tentativas são por segurança, por compreensão, por colo mesmo, já que o resto do mundo todo resolveu não nos entender. Bom, eu até escreveria mais um pouco, mas já me irritei aqui. Acabou irritare é nada, estamos fadados a irritar e sermos irritados e irritar e serm....................


Auxiliou no post:

Do the panic - Phantom Planet





quarta-feira, 9 de julho de 2014

Sobre a perda - e um texto reconfortante

Poucas coisas devem doer tanto quanto sentir um corpo sem vida entre os braços. Ou deve haver algo, não sei, não vou entrar no mérito de discutir pesos de dores com que topamos pelo caminho. Todas são únicas no que nos mostram e nos ensinam. Todas doem e para cada um é diferente. Enfim, perdi meu bichinho de estimação recentemente (não vou referenciar nada com datas, pois estou fazendo o possível para deletar alguns momentos do meu pensamento) e tem sido uma experiência muito difícil. Estive em um estado de atordoamento como, há muito, não via. Não que eu não me reconhecesse - guardadas as proporções, sempre fui sanguínea além da conta -, só não conseguia organizar as ideias, fiquei completamente transtornada. Conjugar quem se ama no passado é uma coisa absurdamente cruel.
Mas, aos poucos, percebo que preciso me ajudar. Eu, felizmente, tenho saúde e muito amor no coração pelos felinos. Eles ainda existem e estão à mercê da boa vontade humana nas ruas. O jeito como adotei meu amor me faz acreditar que existem, sim, encontros providenciais na vida da gente. Não sei quem comanda isso: um Deus, o universo, um conjunto de ações previamente arquitetadas, não sei. Vou esperar algum sinal, porque não vou desistir de tê-los em meu cotidiano - confesso que pensei nisso. Vou ser mamãe de novo, sim. Necessito ressuscitar meu bichano em outro ronronar. Necessito transmutar essa saudade maldita em algo bom.
Como contei aqui em alguns textos, o Joey foi meu primeiro gato, nunca tinha tido nenhum por variados motivos - entre eles, o de achar que eram ''difíceis de lidar e me arranhariam por qualquer coisa''. Ah... bendito Joey, que me provou o contrário e me atacou violentamente com um amor do qual eu não suspeitava. Descobri em mim um carinho que tinha ficado à margem por tanto tempo e foi um choque de sentimentos maravilhosos. No mais, eu só posso sentir gratidão por ter sido dona de um serzinho tão peculiar e fascinante. Por ter contado com uma companhia tão presente, tão singular, tão única em muitos momentos ruins. O Joey foi um sonho bom, foi uma existência de luz, foi uma vida que mudou outra vida. Ele mexeu profundamente com o meu entendimento em uma série de coisas. Meu coração, aos poucos, vai se acalmando, vai ter que. E meu gotoso vai seguir existindo aonde eu for. Eu preciso acreditar nisso. 



Abaixo, eu trago um texto muito interessante sobre espiritualidade e felinos que, segundo minhas pesquisas, é de um livro estrangeiro sem tradução completa no Português. Vou mantê-lo na fonte original, e, caso tenham informações mais precisas a respeito, não hesitem em me dar um toque...        

Quem não se relaciona bem com o próprio inconsciente não topa o gato. Ele aparece, então, como ameaça, porque representa essa relação precária do homem com o (próprio) mistério. O gato não se relaciona com a aparência do homem.
Ele vê além, por dentro e pelo avesso. Relaciona-se com a essência. Se o gesto de carinho é medroso ou substitui inaceitáveis (mas existentes) impulsos secretos de agressão, o gato sabe. E se defende do afago.
A relação dele é com o que está oculto, guardado e nem nós queremos, sabemos ou podemos ver. Por isso, quando surge nele um ato de entrega, de subida no colo ou manifestação de afeto, é algo muito verdadeiro, que não pode ser desdenhado.
É um gesto de confiança que honra quem o recebe, pois significa um julgamento.
O homem não sabe ver o gato, mas o gato sabe ver o homem.
Se há desarmonia real ou latente, o gato sente. Se há solidão, ele sabe e atenua como pode, ele que enfrenta a própria solidão de maneira muito mais valente que nós.
Nada diz, não reclama. Afasta-se. Quem não o sabe “ler” pensa que “ele” não está ali. Presente ou ausente, ele ensina e manifesta algo. Perto ou longe, olhando ou fingindo não ver, ele está comunicando códigos que nem sempre (ou quase nunca) sabemos traduzir.
O gato vê mais e vê dentro e além de nós. Relaciona-se com fluídos, auras, fantasmas amigos e opressores. O gato é médium, bruxo, alquimista e parapsicólogo. É uma chance de meditação permanente a nosso lado, a ensinar paciência, atenção, silêncio e mistério. O gato é um monge silencioso, meditativo e sábio monge, a nos devolver as perguntas medrosas esperando que encontremos o caminho na sua busca, em vez de o querer preparado, já conhecido e trilhado.
O gato sempre responde com uma nova questão, remetendo-nos à pesquisa permanente do real, à busca incessante, à certeza de que cada segundo contém a possibilidade de criatividade e de novas inter-relações, infinitas, entre as coisas. O gato é uma lição diária de afeto verdadeiro e fiel. Suas manifestações são íntimas e profundas. Exigem recolhimento, entrega, atenção.
Desatentos não agradam os gatos. Bulhosos os irritam. Tudo o que precise de promoção ou explicação quer afirmação. Vive do verdadeiro e não se ilude com aparências.
Ninguém em toda natureza aprendeu a bastar-se (até na higiene) a si mesmo como o gato! Lição de sono e de musculação, o gato nos ensina todas as posições de respiração ioga.
Ensina a dormir com entrega total e diluição recuperante no Cosmos. Ensina a espreguiçar-se com a massagem mais completa em todos os músculos, preparando-os para a ação imediata.
Se os preparadores físicos aprendessem o aquecimento do gato, os jogadores reservas não levariam tanto tempo (quase 15 minutos) se aquecendo para entrar em campo.
O gato sai do sono para o máximo de ação, tensão e elasticidade num segundo. Conhece o desempenho preciso e milimétrico de cada parte do seu corpo, a qual ama e preserva como a um templo.
Lição de saúde sexual e sensualidade. Lição de envolvimento amoroso com dedicação integral de vários dias. Lição de organização familiar e de definição de espaço próprio e território pessoal.
Lição de anatomia, equilíbrio, desempenho muscular. Lição de salto. Lição de silêncio. Lição de descanso. Lição de introversão. Lição de contato com o mistério, com o escuro, com a sombra.
Lição de religiosidade sem ícones. Lição de alimentação e requinte. Lição de bom gosto e senso de oportunidade. Lição de vida, enfim, a mais completa, diária, silenciosa, educada, sem cobranças, sem veemências, sem exigências.
O gato é uma chance de interiorização e sabedoria, posta pelo mistério à disposição do homem.
O gato é um animal que tem muito quartzo na glândula pineal, é portanto um transmutador de energia e um animal útil para cura, pois capta a energia ruim do ambiente e transforma em energia boa, – normalmente onde o gato deita com frequência, significa que não tem boa energia – caso o animal comece a deitar em alguma parte de nosso corpo de forma insistente, é sinal de que aquele órgão ou membro está doente ou prestes a adoecer, pois o bicho já percebeu a energia ruim no referido órgão e então ele escolhe deitar nesta parte do corpo para limpar a energia ruim que tem ali. Observe que do mesmo jeito que o gato deita em determinado lugar, ele sai de repente, poi ele sente que já limpou a energia do local e não precisa mais dele.
O amor do gato pelo dono é de desapego, pois enquanto precisa ele está por perto, quando não, ele se afasta.
No Egito dos faraós, o gato era adorado na figura da deusa Bastet, representada comumente com corpo de mulher e cabeça de gata. Esta bela deusa era o símbolo da luz, do calor e da energia.
Era também o símbolo da lua, e acreditava-se que tinha o poder de fertilizar a terra e os homens, curar doenças e conduzir as almas dos mortos. Nesta época, os gatos eram considerados guardiões do outro mundo, e eram comuns em muitos amuletos.
“O gato imortal existe, em algum mundo intermediário entre a vida e a morte, observando e esperando, passivo até o momento em que o espírito humano se torna livre. Então, e somente então, ele irá liderar a alma até seu repouso final.”

Fonte: The Mythology Of Cats, by Gerald & Loretta Hausman