Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2013

THE BIG ONE

De acordo com o IBGE, 74,3% das pessoas que me cumprimentaram pela passagem do meu aníver, me desejaram um amor... um moço assim, que digamos mexa com as minhas estruturas. Ah, acho super válido, né, eu quero o meu barbudinho, the big one, cês sabem, pra assistir a reprises de Friends e criar gatos. Se foi de verdadinha ou não, o fato é que foi desejado. Ok. Eu também vivo sonhando com aquele ideal inatingível, é do cerne do ser mulher  humano - essa espécie que curte alimentar uma ilusão, especialmente quando assiste a comédias românticas protagonizadas pelo garoto Ashton em feriados chuvosos. Todos temos o ideal de pessoa que se encaixaria perfeitamente em nossa estranheza, não? Podem confessar, eu tenho o meu. Só que, contrariando a lei basilar de O Segredo - aquela que diz que desejando ardentemente determinada coisa, ela aparece no seu apartamento e toca o interfone - as opções que aparecem, vez que outra, não são assim tão como eu tinha imaginado... sacam? Oras, então a solução …

Tutorial para assimilar a autora

Neste blog, basicamente, externo situações chatinhas que me ocorrem. Chatinhas, mas sempre muito ridas, porque comigo é assim: pra eu me recuperar, eu preciso rir. E eu tô sempre fazendo piada com o que acontece comigo sem que eu possa evitar, com o que eu provoco e sei que tô fazendo errado, etecetera. Talvez isso seja, como diz o menino Roberto Frejat, nada mais que desespero. Que seja então, néam? Se eu não ironizar, enlouqueço.
Porém, mesmo à mercê de todos os tipos de sentimentos depreciativos e da conjunção astral do cruzamento de Saturno com os Cavaleiros do Zodíaco, eu posso ser surpreendida por uma vontade inabalável de simplesmente não tolerar ser abalada por nada. Eu posso, um dia, levantar com um espírito tão radiante, que esqueço de reclamar, esqueço de olhar só o concreto da cidade onde vivo, esqueço de me vitimizar. Mas que delícia sentir isso? Como foi que aconteceu mesmo? Tá, eu levantei, escovei meus dentinhos e coloquei minha camisetinha poser do Queen, foi isso? Pr…

Telefonemas

Ah, os telefonemas...

Chico ligou, né? Cês sabem, ele sempre liga, é um querido mesmo, e fica todo prosa, me cantando Futuros Amantes, pra eu entender que um amor é atemporal de qualquer jeito e que o importante mesmo é amar. Em meio a compromissos burocráticos, ele dá um tempo na genialidade e faz um 21 pra desejar uns mimos pra Bruninha, é um galanteador incorrigível esse Seu Francisco. Miúcha manda saudações também, claro, assim como sua filhota, Bebel, e todo o clã. Ai que amores que eles são! Me desmancho! Mas não contente com meus ããããins suspirados via telefone, ele ainda encerra com Todo o Sentimento. E aí eu não aguento, né? Tipo, todo o sentimento tá ali, eu já tô vulnerável. E me lavo chorando. Mas eu ainda tenho lágrimas pro Caê, né... ah esse baiano atrevido, esse menino do rio e do meu coração. Leonino entende leonino, percebam. E ele sabe como me pegar. Não é que o danado cantou Céu de Santo Amaro pro coração de manteiga aqui? É bem verdade que eu ando numa levada Podre…

Habemus censuram

Sempre que eu me sinto muito sufocada de sentimentos e eteceteras com os quais não sei lidar, eu lembro do bloguinho. É tipo uma reação em cadeia: eu preciso escrever sobre isso, preciso externar minhas impressões, preciso que leiam como me sinto (ô ego maldito!). Preciso desabafar no blog!!!
Minha vida, por mais sem gracinha que seja, é matéria-prima pra isso aqui que vocês leem - o que não quer dizer que isso aqui seja inteiramente biográfico. Mas é aquela coisa, eu conto minha história pra vocês de qualquer jeito, seja, por exemplo, quando eu comento que algum moço não quis meus beijos (eu ia escrever amor, mas né, não vou vulgarizar o dito cujo), ou quando eu digo que fico deveras puta ao ler ''nada haver'' e "concerteza'' pelos redutos internéticos, ou quando eu corrompo algum autor por aí, tipo a Ciça Meireles:
''Eu falo merda porque o instante existe E minha vida está completa Não sou alegre nem sou triste Sou pateta.''
Eu sou eu aqui, s…

Pidona

Oi, gente, sentiram falta da lesma?

É, eu ando nessas de pensar se alguém sente minha falta. Quem será que sente? Será que eu sou querida, mesmo que, por puro talento, faça de tudo pra ser intragável? Eu explico: vai chegando meu aniversário, e eu vou ficando mais reflexiva, mais introspectiva, pensando no que eu andei fazendo nos últimos trezentos e poucos dias... é meio que um exercício inevitável de contabilizar perdas e ganhos. É instintivo, não que eu queira, simplesmente acontece. Vamos colocar a culpa disso no famigerado inferno astral, sempre ele, se é que existe.  E eu também fico carente, caralhos, eu fico carente num nível pidão inenarrável. Eu torço por abraços, por cafunés familiares, por declarações do universo que façam eu me sentir um ser humano assim... digamos que fabuloso. Que sortudos somos por conviver com você, agridoce!!!! Feliz ano novo, adorável criatura!!!! Ass: Universo
Percebam a ingenuidade da pessoinha... é esse o espírito que me habita nesses dias, um es…

Vovó é que é sortuda

Dia desses, falávamos, uma amiga e eu, sobre como os caras ficam mais atraentes quando não se expõem tanto nas ditas redes sociais. Não sei se somente nós fomos acometidas pela síndrome, mas rola uma curiosidade maior. Sempre rola. Sei lá eu se é mistério, sé é porque eles parecem mais maduros, se é porque ao vermos que não tiraram fotos na última festa a que foram, automaticamente deixaram de usar a túnica da vulgaridade e se converteram em seres superiores. Não sei o que é, mas aí reside um bom chamariz. Ao menos, pra mim. (Aqui, é válido salientar que eu não entendo bulhufas de meninos e desse jogo fabuloso da conquista, ok.) 
Só se fala em redes sociais. Tudo acontece ali: manifestos ganham forma, casamentos e namoros são acompanhados em tempo real, notícias polêmicas e opiniões a tiracolo são difundidas pra todo o globo, etc, etc, etc. Qualquer um tem ao menos algum canal em que é visto, sentido, julgado, acompanhado tipo novela. Os que não têm - possivelmente a minoria - não sab…