Pular para o conteúdo principal

Sobre eleições - que eu já estava levemente agoniadinha

Preciso escrever alguma coisa, desabafar mesmo, não é nem vontade de debater, tô cansada dessa gente que prefere alimentar discursos prontos a ler, se informar, buscar ter empatia pela situação do outro. Sei lá eu, não sei como organizar as ideias aqui - eu que, modéstia à parte, faço isso muito bem. Irônico é que grande parte do pessoal que eu vejo criticando e ridicularizando outrem em virtude da escolha eleitoral, é quem mais arrota santidade, vomita compartilhamentos sobre Jesus e sua família.... fico aqui viajando na minha bolha se a tal do ''amar uns aos outros'' não carrega um pouco desta empatia às mazelas de quem nasceu em um contexto miserável e sem perspectiva........... MAS OK

Sabe, digo isso de verdadinha mesmo, felizmente pouco importava quem fosse eleito no domingo para mim e para minha família. Como diz meu pai, ''não mamamos em partidos políticos'', não temos o rabo preso. Felizmente, nossa economia doméstica não depende de auxílios estatais, tampouco de PT ou PSDB. Entra governo, sai governo, a gente segue com a mesma vidinha adorável de carnês, cheque especial, saldo no vermelho, mas muito amor e fartura. Se eu me considero uma privilegiada? Sim e muito. Pude pagar por estudo e posso seguir me dando apenas ao luxo de estudar. Nunca faltou comida em minha mesa, tenho um teto maravilhoso e próprio. Sempre tive tudo que quis - tá, ok, nem tudo, mas nunca me faltaram regalias. Porém, não viajo ao exterior, não compro marcas caras e não tenho ambições de riqueza na vida - serião mesmo. Que bom se você tem - desejo que consiga tudo isso que certamente o fará mais feliz - viu, a propósito, logo algum tucano volta e suas viagens pros isteitis com o dólar um pra um estarão garantidas, espera um pouquinho mais, champz! O fato é que eu tenho uma vida razoavelmente confortável. Porém, sabe, nem todos têm, nem todos tiveram a vida mansa como a minha. Nem todos nasceram neste maravilhoso estado sulista, oásis de prosperidade e politização (ok, vamos imaginar que eleger um cara que diz NÃO TER PARTIDO é um exemplo de politização). O Brasil, apesar de sua riqueza e da sua maravilhosa biodiversidade, é ainda bem miserável. Ok, eu não conheço o país todo, mas certamente ainda há locais em que não há o básico do básico - isto a que eu, com essa vidinha classe média bem maizoumeno, estou acostumada. Como exigir que pessoas com esse histórico de sofrimento votem única e exclusivamente por ética e moralização da vida pública? Sério mesmo? Me explica essa. Como exigir que elas não escolham um partido que olha por elas - nem sempre, ok, mas bem mais que seu opositor -, que não escolham por mais justiça social?
Se eu me envergonho das denúncias de corrupção? Sim, certamente, mas eu não leio somente o blog do Reinaldo Azevedo. Quando eu vou a algum consultório médico, eu não leio somente a Veja. Experimente dar uma lida em veículos alternativos e que desafiem a grande mídia, cérebro pensante. Vale lembrar que o Mensalão, por exemplo, foi julgado e exaustivamente midiatizado. "Ai, Bruna, mas eles seguem mandando no país''. Não sei, não, cara, isso é muito relativo, sem falar que muitos deles foram presos - isso em um país onde o finado ACM mandou e desmandou, violou painéis de votação do senado e etc e nos mandou à merda, não deixou de ser surpreendente e de lavar a alma. Ah, só pra refrescar vossas memórias: tudo isso no mandato do menino Fernando Henrique, que, à época, teve outros escândalos. É realmente lamentável que a tutela da corrupção esteja, hoje, entregue a um partido só, como se tal legenda fosse o mal do mundo, a responsável pela desgraça particular de nossas vidas. Qual é? Não se torne um comentarista de portal, meu caro, isso é péssimo para sua reputação de curso superior.
Enfim, se eu ando preocupada com o inchaço do estado - e que, invariavelmente, acarreta mais corrupção, além de cargas tributárias absurdas? Também... é uma situação delicada, mas não acho que eu esteja vivendo numa ditadura. Qual é? Vocês se ridicularizam com esse discurso míope igual ao da tucana ensandecida do vídeo que correu o Facebook. Vocês, por acaso, andam sendo espancados na rua? Tendo vossas liberdades constitucionais cerceadas? Sendo chamados a depor a troco de nada em DOI-CODIS camuflados no país? Então, parem de falar merda peloamordedios. Se ditadura é não poder mais destilar discurso de ódio a minorias constantemente marginalizadas como negros, gays, transexuais e etc, então eu viverei com prazer neste regime. Se ditadura é viver em um país que finalmente instituiu cotas étnicas em universidades públicas como pagamento por anos de infeliz subalternidade, então viverei neste regime. Não custa lembrar que vocês não são obrigad@s: a Decolar.com tem preços ótimos e acessíveis.
Por fim, este separatismo gaúcho é de uma imbecilidade que me apavora. Vocês têm ideia de que não há uma uniformidade de sufrágio neste estado lindo, né? Vocês têm ideia de que há cidades em que a Dilma ganhou e outras em que o Aécio, né? Como bem disse um amigo meu no Twitter: ''vai dar um trabalhão separar isso..................''
Não sejam mesquinhos e, pior, burros, queridos. Você têm ideia de que este discurso separatista infantil só alimenta mais animosidades com pessoas nascidas no Norte e no Nordeste, né? E, outra, vocês têm ideia de que o candidato tucano PERDEU REALMENTE a eleição em estados do Sudeste, né? Rio de Janeiro e Minas Gerais, prazer. Outra: Minas Gerais, de onde ele se orgulhava de ter saído com 92% de aprovação, após ser governador............ sei não, hein. Acho que os mineiros não estavam assim tão satisfeitos.
 

É claro que eu não vou mudar posição de ninguém com esse texto - nem quero, viva a democracia e a distância. Só queria fazer algumas considerações mesmo. Ah, e também lembrá-los: se você xinga os nordestinos, se você propaga discurso leviano contra eles, não pode sair todo prosa abanando o rabinho para aquelas praias maravilhosas que existem na terra magnífica deles. Quer dizer, poder pode, mas você é bem cretino se faz isso.



Beijão e feliz Dilma a tod@s!




                                                              Vai que é tua, mamãe!





         

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sumiços, porre de vinho, Julia Roberts

Sumi, né? Eu sei. Mas não foi por falta de ideia. Na verdade, seguidamente os ''preciso escrever sobre isso porque tá me sufocando'' vêm me visitar em uníssono. Saudade de usar ''uníssono'' em um texto de novo, ufa, saiu. No colégio, uma vez, uma professora disse que eu era uma pedante literária. Sigo honrando o deboche com gosto.   No geral, eu não tenho mais tempo (será que eu arrumaria tempo?). Não tenho mais tempo para escrever minhas misérias aqui, logo eu que sempre priorizei minimamente este espaço nebuloso. Fazer o quê? É da vida. Nem vim fazer mea culpa até porque ninguém se importa, foi mais para dar as caras, tirar o pó do lugar, abrir as janelas. Como vão? Me convidem para tomar um café, só não liguem para o meu celular, não suporto telefone tocando. Mentira, café com esse calor não tem condição, me convidem para ficar em silêncio tomando um vento na cara. Preciso de silêncio, não aguento mais ter que opinar sobre tudo. Não aguento mais qua…

Sobre Ilha das Flores e Ilha das Flores - depois que a sessão acabou

A ideia deste post surgiu de algo bem interessante. Ontem, eu dei uma lida numa entrevista do cineasta Jorge Furtado e decidi dividi-la no perfil que tenho em uma rede social, uma vez que ele fez algumas considerações sobre jornalismo - e isso, independente de quem vier, sempre me faz dar uma parada. Gosto de ver o que estão falando, etc. Na ocasião, o repórter também nos lembrou da passagem de 25 anos daquele que parece ser um dos maiores feitos do porto-alegrense, o curta ''Ilha das Flores'', lançado em 1989 e até hoje considerado um marco em sua carreira. 
Arrisco dizer que não haja ninguém que não tenha assistido a tal documentário, especialmente nos anos de ensino médio, mas, vá lá, quem sabe nem todos conheçam. Desde que o vi, fiquei encantada. Encantada, mas não num sentido ''jogo no time do Jorge Furtado Futebol Clube'', e, sim, ''que baita jeito de contar uma história, com deboche e precisão''. Trata-se de um roteiro quase lúdico…

Su deboche es mi deboche

Terminei, há uns dias meses, o último livro da ótima Tati Bernardi, aquela moça que meio mundo ama incluir em suas selfies, muito embora a maioria daquelas frases toscas não sejam de autoria da roteirista - palavras da mesma. Pois Tati, que fez de seu transtorno psicológico matéria-prima para muitas de suas genialidades, me fez rir quase convulsionada com o hilariante - porém não menos denso - Depois a louca sou eu. Eu simplesmente cheguei ao cúmulo de parar a leitura e, entre risos histéricos, repetir para mim mesma:''ela não pode ter escrito issoooooooo''. Pois não é que escreveu? E escreveu muito bem (putaquepariu, um texto bem escrito é a minha Disney!!!). É um tom confessional delicioso e intimista, é quase como se eu quisesse abraçar Tatiane e dizer que também já estive ali - estaremos sempre algumas vezes na vida porque esses dilemas psicológicos são dificílimos de desgrudar. Talvez não desgrudem nunca.
Foi um deleite ver a escritora revelar seus piores dramas …