Pular para o conteúdo principal

Por um mundo

         Por um mundo onde velhos tarados nas esquinas transformem-se em Malvinos Salvadores e Jakes Gyllenhaals. Por um mundo onde as bases e demais esmaltes tenham duração infinita e não nos deixem a ver navios. Por um mundo onde as unhas não nos iludam que aguentam qualquer parada e sigam lindamente quadradas, fazendo a inveja alheia. Por um mundo onde pessoas tenham a língua grudada no céu da boca, se pensarem em fazer alguma fofoca. Por um mundo onde as mesmas pessoas não repassem boatos, tampouco aumentem fatos, cuja procedência desconhecem. E, não sabendo, que não falem, apenas mudem de assunto.            
          Por um mundo onde moços que nos deixaram levitando de paixão, devido a uma fatalidade da vida, sejam acometidos pela mesmíssima paixão, grudem em nós, nos surpreendam com sua personalidade e caráter e só nos deixem, quando, obviamente, já estivermos curadas daquele encantamento gratuito e desgraçado. Por um mundo onde tais moços esqueçam propositalmente de fazer a barba. E que fiquem uma coisa meio "sou charmoso, morra de tanto me olhar", e nunca bom velhinho style. Por um mundo onde desconhecidos que têm o prazer de viajar ao nosso lado nos ônibus da vida tenham as fuças do Bradley Cooper, sejam solteiros e fiquem com nossos telefones. Tô cansada de viajar ao lado de crianças chatas e vovós que babam, e vocês, gurias?
          Por um mundo onde nossas madeixas estejam sedosas como as da Rachel Green, caso sejamos convidadas para sair de última hora numa sexta-feira à noite. Por um mundo onde as caixas de Bis façam mitose na geladeira, sempre que a TPM nossa de cada mês botar as manguinhas de fora. Por um mundo onde possamos achar alguns trocados nas calças jeans surradas, sempre que as levarmos à área de serviço. E que esses trocados financiem com dignidade a saída de mais tarde com os migos. Por um mundo onde pessoas sejam mais sensatas e não entupam nossos e-mails de correntes. Por um mundo onde os potes de sorvete armazenem sorvetes mesmo, e não, feijão.
           Por um mundo onde passem nossos filmes preferidos na TV, caso estejamos curtindo uma solidão forçada em casa, num sábado de frio e chuva. Por um mundo onde existam máquinas do tempo à venda por dérreal, e possamos usá-las para rebobinar momentos e aproveitar mais uma vez. Agarrar segundos preciosos com a boca, morder sensações e saborear o melhor. E depois sei lá, congelar naquele lapso perfeito de existência. Por um mundo onde essa postagem besta seja facilmente compreendida e amada, em virtude de uma safra pobrinha de ideias dessa blogueira que vos fala.

Beijim procêis!

Comentários

Mr. Gomelli disse…
...por um mundo sem crise de ideias para blogueiros já com pouca criatividade... (como eu precisava disso).

hahaha...

abraço, Bruna!
Bruna Castro disse…
HUHEIAHEUAHEI nem me fale... a inspiração é bandida! Abraço, Pedro!

Postagens mais visitadas deste blog

Sumiços, porre de vinho, Julia Roberts

Sumi, né? Eu sei. Mas não foi por falta de ideia. Na verdade, seguidamente os ''preciso escrever sobre isso porque tá me sufocando'' vêm me visitar em uníssono. Saudade de usar ''uníssono'' em um texto de novo, ufa, saiu. No colégio, uma vez, uma professora disse que eu era uma pedante literária. Sigo honrando o deboche com gosto.   No geral, eu não tenho mais tempo (será que eu arrumaria tempo?). Não tenho mais tempo para escrever minhas misérias aqui, logo eu que sempre priorizei minimamente este espaço nebuloso. Fazer o quê? É da vida. Nem vim fazer mea culpa até porque ninguém se importa, foi mais para dar as caras, tirar o pó do lugar, abrir as janelas. Como vão? Me convidem para tomar um café, só não liguem para o meu celular, não suporto telefone tocando. Mentira, café com esse calor não tem condição, me convidem para ficar em silêncio tomando um vento na cara. Preciso de silêncio, não aguento mais ter que opinar sobre tudo. Não aguento mais qua…

Sobre Ilha das Flores e Ilha das Flores - depois que a sessão acabou

A ideia deste post surgiu de algo bem interessante. Ontem, eu dei uma lida numa entrevista do cineasta Jorge Furtado e decidi dividi-la no perfil que tenho em uma rede social, uma vez que ele fez algumas considerações sobre jornalismo - e isso, independente de quem vier, sempre me faz dar uma parada. Gosto de ver o que estão falando, etc. Na ocasião, o repórter também nos lembrou da passagem de 25 anos daquele que parece ser um dos maiores feitos do porto-alegrense, o curta ''Ilha das Flores'', lançado em 1989 e até hoje considerado um marco em sua carreira. 
Arrisco dizer que não haja ninguém que não tenha assistido a tal documentário, especialmente nos anos de ensino médio, mas, vá lá, quem sabe nem todos conheçam. Desde que o vi, fiquei encantada. Encantada, mas não num sentido ''jogo no time do Jorge Furtado Futebol Clube'', e, sim, ''que baita jeito de contar uma história, com deboche e precisão''. Trata-se de um roteiro quase lúdico…

Su deboche es mi deboche

Terminei, há uns dias meses, o último livro da ótima Tati Bernardi, aquela moça que meio mundo ama incluir em suas selfies, muito embora a maioria daquelas frases toscas não sejam de autoria da roteirista - palavras da mesma. Pois Tati, que fez de seu transtorno psicológico matéria-prima para muitas de suas genialidades, me fez rir quase convulsionada com o hilariante - porém não menos denso - Depois a louca sou eu. Eu simplesmente cheguei ao cúmulo de parar a leitura e, entre risos histéricos, repetir para mim mesma:''ela não pode ter escrito issoooooooo''. Pois não é que escreveu? E escreveu muito bem (putaquepariu, um texto bem escrito é a minha Disney!!!). É um tom confessional delicioso e intimista, é quase como se eu quisesse abraçar Tatiane e dizer que também já estive ali - estaremos sempre algumas vezes na vida porque esses dilemas psicológicos são dificílimos de desgrudar. Talvez não desgrudem nunca.
Foi um deleite ver a escritora revelar seus piores dramas …