Pular para o conteúdo principal

Férias e algumas divagações

           Bom, vou imaginar que tenho alguns leitores bons e pacientes e começar a sessão mea-culpa, pois, se não estou enganada, faz uns (vários) dias que a criatura agridoce, preguiçosa e carente de idéias não dá as caras por aqui. Justo ela, que encheu a boca para dizer que manteria o blog, dignamente, atualizado e bla bla bla no post de abertura. Sim, esse é o azedume-açucarado que vos fala, cada vez mais afundado em suas contradições e em suas posições inabaláveis.
            Pois, então? Eu posso ter ficado um tempinho sem narrar minhas misérias aqui, meus caros, mas sempre mantive um roteirozinho besta no pensamento. Hoje, vou falar um pouquinho sobre f-é-r-i-a-s, essa palavra, que, embora remeta a descanso, diversão e histórias para contar para os netos, nem sempre cumpre seu papel.. nem sempre estende sua definição aos dias que carrega consigo. O fato é que eu me sinto deveras angustiada quando seres de minhas relações começam a fazer planos para o período e incluem minha pessoa nas ditas programações. Planejar. Planejar mais um pouco. Fingir uma emoção eterna, uma empolgação programada. Isso me rouba o encanto, a magia do casual, do inusitado. Sério, definitivamente, isso não é férias para mim, ainda que os desavisados que dão o braço por um agito se descabelem e gritem: "Essa criatura tá loooouca". Explicarei. Quando eu me encontro em estado de férias, eu quero é me desobrigar, me entregar ao ócio, andar de pijama, andar descabelada, andar sem maquiagem. Não ter que dar satisfações a pessoas que só vi uma vez, de relance em uma festa, não ter que responder pela enésima vez que "Simmm, fulana, tô viva ainda. Me liga em 2080".
             Obviamente, posso prestigiar festas, junções e reuniõezinhas ma-gis-trais, beber horrores, dormir ao relento, beijar carinhas encantadores e exibir a adrenalina que a estação exige, mas, definitivamente, isso não é primordial para que eu contabilize um escore positivo. O que eu quero mesmo é sentar em frente à televisão e assistir às minhas séries favoritas ou a repetidos filmes com uma senhora bacia de pipoca a tiracolo, sem me preocupar se o telefone vai tocar ou se eu não vou marcar presença na festa a qual a "geral toda" vai. Eu quero é não ter planos. Quero dedicar meu tempo livre aos meus cachorros, aos meus hobbies, à minha família, às minhas gavetas - sempre tão reveladoras a meu respeito. Posso correr o risco de cair no ostracismo, é bem verdade, mas prefiro sentir essa delícia chamada acaso a vender uma imagem de animada para sempre sem fim, que, vamos combinar, é sintoma de hipocrisia galopante. Como diria o meu querido dínamo, Ayrton Senna, "prefiro viver para mim, e não para a platéia". Faz sentido.
              Gosto de participar das situações sempre inteira, verdadeira, em sintonia com o que há de mais visceral em mim. Quando sinto que ando no piloto-automático, me recolho, tiro férias - sim, me dou a esse luxo - e não sinto nem um pingo de remorso. Foi o que ocorreu nos últimos dias. Imaginei que vocês não mereceriam e nem gostariam de ler quaisquer posts, assim feitos só para encherem linguiça, por isso fiquei à espreita, até ter algo de um fundamento razoável para reportar. Ficamos combinados então. Se houver mais sumiços, foi porque tirei uma temporada sabática. E que ninguém ouse interrompê-la

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sumiços, porre de vinho, Julia Roberts

Sumi, né? Eu sei. Mas não foi por falta de ideia. Na verdade, seguidamente os ''preciso escrever sobre isso porque tá me sufocando'' vêm me visitar em uníssono. Saudade de usar ''uníssono'' em um texto de novo, ufa, saiu. No colégio, uma vez, uma professora disse que eu era uma pedante literária. Sigo honrando o deboche com gosto.   No geral, eu não tenho mais tempo (será que eu arrumaria tempo?). Não tenho mais tempo para escrever minhas misérias aqui, logo eu que sempre priorizei minimamente este espaço nebuloso. Fazer o quê? É da vida. Nem vim fazer mea culpa até porque ninguém se importa, foi mais para dar as caras, tirar o pó do lugar, abrir as janelas. Como vão? Me convidem para tomar um café, só não liguem para o meu celular, não suporto telefone tocando. Mentira, café com esse calor não tem condição, me convidem para ficar em silêncio tomando um vento na cara. Preciso de silêncio, não aguento mais ter que opinar sobre tudo. Não aguento mais qua…

Sobre Ilha das Flores e Ilha das Flores - depois que a sessão acabou

A ideia deste post surgiu de algo bem interessante. Ontem, eu dei uma lida numa entrevista do cineasta Jorge Furtado e decidi dividi-la no perfil que tenho em uma rede social, uma vez que ele fez algumas considerações sobre jornalismo - e isso, independente de quem vier, sempre me faz dar uma parada. Gosto de ver o que estão falando, etc. Na ocasião, o repórter também nos lembrou da passagem de 25 anos daquele que parece ser um dos maiores feitos do porto-alegrense, o curta ''Ilha das Flores'', lançado em 1989 e até hoje considerado um marco em sua carreira. 
Arrisco dizer que não haja ninguém que não tenha assistido a tal documentário, especialmente nos anos de ensino médio, mas, vá lá, quem sabe nem todos conheçam. Desde que o vi, fiquei encantada. Encantada, mas não num sentido ''jogo no time do Jorge Furtado Futebol Clube'', e, sim, ''que baita jeito de contar uma história, com deboche e precisão''. Trata-se de um roteiro quase lúdico…

Su deboche es mi deboche

Terminei, há uns dias meses, o último livro da ótima Tati Bernardi, aquela moça que meio mundo ama incluir em suas selfies, muito embora a maioria daquelas frases toscas não sejam de autoria da roteirista - palavras da mesma. Pois Tati, que fez de seu transtorno psicológico matéria-prima para muitas de suas genialidades, me fez rir quase convulsionada com o hilariante - porém não menos denso - Depois a louca sou eu. Eu simplesmente cheguei ao cúmulo de parar a leitura e, entre risos histéricos, repetir para mim mesma:''ela não pode ter escrito issoooooooo''. Pois não é que escreveu? E escreveu muito bem (putaquepariu, um texto bem escrito é a minha Disney!!!). É um tom confessional delicioso e intimista, é quase como se eu quisesse abraçar Tatiane e dizer que também já estive ali - estaremos sempre algumas vezes na vida porque esses dilemas psicológicos são dificílimos de desgrudar. Talvez não desgrudem nunca.
Foi um deleite ver a escritora revelar seus piores dramas …