Pular para o conteúdo principal

A gata no fundo da fiorino e a conjuntura sertaneja atual

Credo, esse post sertanejo aí embaixo anda me aterrorizando a existência. Nada contra a cultura sertaneja em absoluto, até porque procedo de uma linhagem muito simpática de caipiras - interiorana que nasci. O pavor reside muito é na questão de em segundos me imaginar em um camarote de uma baladinha #top rodeada de agroboys, vendo quem gasta mais em vodkas e energéticos variados, e no dia seguinte aparecer em alguma foto na página "Os Brutos da Agricultura'', fazendo paz e amor com a palma da mão virada pra dentro. Terror da melhor qualidade. É questão de tempo para o John Carpenter filmar algo bem trash com a temática. ''O ataque zumbi de Munhoz e Mariano no Camaro amarelo'' - já imagino em neon em um universo paralelo por aí.  
Bom, como diz nosso amigo da cerveja artesanal e do post catatônico: vamos abrir os trabalhos. Ou melhor, continuá-lo. Ando postando pouco. Não que eu pense pouco, claro, isso nunca, pensadores de pensações que não levam a lugar nenhum, como eu, não entregam os pontos. Aproveitando o ensejo: até andava muito pensativa sobre os desdobramentos do sertanejo na sociedade atual. Está disseminado, entrou em nossas casas, está no ar que respiramos. Mas isso dá dinheiro, então eu acho é ótimo, viva o empreendedorismo financiado pelas calças apertadinhas do Doug e do Cezinha. Ou do Marquinho e do Pablinho. Ou quem sabe do Thiaguinho e Thieferson, a sensação do momento. Não é de todo mal, alguém precisa ir para a frente nessa vida. Que, então, sejam eles que cantam tão lindamente o amor, jogando a gata no fundo da Fiorino. 
Quem vê essas barbaridades contra esses poetas modernos, deve imaginar que eu falo que sertanejo não é cultura. Ou que odeio o mainstream e quero é pagar de profunda, escutando enlatado para vender imagem de sabichona. Longe disso, meus caros reizinhos do camarote, eu cresci ouvindo sertanejo noventista de raiz, e, olha... até que ele era bem bonitinho, uma graça. Coisas como pegar o primeiro avião com destino à felicidade ou sacar que é o amor que mexe com a minha cabeça e me deixa assim ainda repousam timidamente nessa espécie de coração, não sei bem o que é, que trago dentro. E sertanejo, inclusive essa praga do universitário, é cultura sim - o que não quer dizer que sejamos obrigados a consumi-la, claro. Estou mais interessada é em observá-la, ainda que empiricamente, e ver como consegue pautar discursos que vão de paixão à classe social - principalmente classe social. Vide os agros, esses maravilhosos que, além de serem audiência maior dos emergentes em questão, são donos dos meios de produção, alimentam nossas famílias e vestem-se todos iguais. Porém com fivelas de ouro, Bruna, é bom frisar.



                                                          Que medo!!!!! 




Auxiliou no post: 

Come on - The Jesus and Mary Chain









Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sumiços, porre de vinho, Julia Roberts

Sumi, né? Eu sei. Mas não foi por falta de ideia. Na verdade, seguidamente os ''preciso escrever sobre isso porque tá me sufocando'' vêm me visitar em uníssono. Saudade de usar ''uníssono'' em um texto de novo, ufa, saiu. No colégio, uma vez, uma professora disse que eu era uma pedante literária. Sigo honrando o deboche com gosto.   No geral, eu não tenho mais tempo (será que eu arrumaria tempo?). Não tenho mais tempo para escrever minhas misérias aqui, logo eu que sempre priorizei minimamente este espaço nebuloso. Fazer o quê? É da vida. Nem vim fazer mea culpa até porque ninguém se importa, foi mais para dar as caras, tirar o pó do lugar, abrir as janelas. Como vão? Me convidem para tomar um café, só não liguem para o meu celular, não suporto telefone tocando. Mentira, café com esse calor não tem condição, me convidem para ficar em silêncio tomando um vento na cara. Preciso de silêncio, não aguento mais ter que opinar sobre tudo. Não aguento mais qua…

Sobre Ilha das Flores e Ilha das Flores - depois que a sessão acabou

A ideia deste post surgiu de algo bem interessante. Ontem, eu dei uma lida numa entrevista do cineasta Jorge Furtado e decidi dividi-la no perfil que tenho em uma rede social, uma vez que ele fez algumas considerações sobre jornalismo - e isso, independente de quem vier, sempre me faz dar uma parada. Gosto de ver o que estão falando, etc. Na ocasião, o repórter também nos lembrou da passagem de 25 anos daquele que parece ser um dos maiores feitos do porto-alegrense, o curta ''Ilha das Flores'', lançado em 1989 e até hoje considerado um marco em sua carreira. 
Arrisco dizer que não haja ninguém que não tenha assistido a tal documentário, especialmente nos anos de ensino médio, mas, vá lá, quem sabe nem todos conheçam. Desde que o vi, fiquei encantada. Encantada, mas não num sentido ''jogo no time do Jorge Furtado Futebol Clube'', e, sim, ''que baita jeito de contar uma história, com deboche e precisão''. Trata-se de um roteiro quase lúdico…

Su deboche es mi deboche

Terminei, há uns dias meses, o último livro da ótima Tati Bernardi, aquela moça que meio mundo ama incluir em suas selfies, muito embora a maioria daquelas frases toscas não sejam de autoria da roteirista - palavras da mesma. Pois Tati, que fez de seu transtorno psicológico matéria-prima para muitas de suas genialidades, me fez rir quase convulsionada com o hilariante - porém não menos denso - Depois a louca sou eu. Eu simplesmente cheguei ao cúmulo de parar a leitura e, entre risos histéricos, repetir para mim mesma:''ela não pode ter escrito issoooooooo''. Pois não é que escreveu? E escreveu muito bem (putaquepariu, um texto bem escrito é a minha Disney!!!). É um tom confessional delicioso e intimista, é quase como se eu quisesse abraçar Tatiane e dizer que também já estive ali - estaremos sempre algumas vezes na vida porque esses dilemas psicológicos são dificílimos de desgrudar. Talvez não desgrudem nunca.
Foi um deleite ver a escritora revelar seus piores dramas …