Pular para o conteúdo principal

A garota de rosa shocking fez trintão

Deem uma sobrevida às ombreiras e ao fixador de cabelo, pois vem aí uma resenha super deluxe edition dos 30 anos de Pretty in Pink: sim, a garota de rosa shocking agora é uma simpática balzaquiana. Chama a mamãe, pois estou convicta de que ela já quis dar uns beijos no Andrew McCarthy - o bonitinho, logo ali em 1989, seria um dos patetas hilários que descobre o chefe morto num final de semana na praia e resolve fingir que nada aconteceu. Todo mundo completamente doido na década de 80 ou nem?
Lançado em fevereiro de 1986 e dirigido pelo magnata das comédias adolescentes oitentistas, John Hughes, o filme, ao longo dos anos, saiu da sombra de mero entretenimento jovem e acabou ganhando roupagem cult. Aconteceu o mesmo com Curtindo a Vida Adoidado e Clube dos Cinco - ambos também dirigidos por Hughes. O porquê disso? Boa pergunta. A ambiência hipster cinematográfica, ela não tem limite. Ou, quem sabe, o diretor seja mais profundo do que eu imagino.
A comédia romântica é protagonizada pelo já mencionado McCarthy e pela ruivinha, ícone teen, Molly Ringwald, contando com coadjuvação de luxo de um Jon Cryer promissor, já possivelmente antecipando a veia cômica que o levaria ao estrelato. Ele, Duckie Dale, está enamorado da amiga Andie Walsh, que está é derretida por Blane McDonough, o príncipe yuppie do colégio - hoje em dia, por exemplo, Blane seria o que chamamos de bundinha. Andie vê Duckie somente como um amigo divertido e fiel, mas, vocês sabem, ele está crente de que pode conquistá-la. Enquanto ela foge das investidas do moço, sonha com a bundinha de Blane, digo, sonha com ele, além de ter que suportar as agruras de estudar em um lugar que parece jogar na sua cara todas as diferenças existentes entre os descamisados e os bem nascidos da cidade. Mal sabe ela que o objeto de suas afeições também está de olho em suas madeixas vermelhas. Ah... os amores óbvios de Hollywood.
Em um Estados Unidos neoliberal, na época governado por Ronald Reagan e etc, me parece que essa luta silenciosa de classes consegue transcender a tela. Mas é só uma impressão mesmo. Talvez resida aí a profundidade da coisa, não? Sabemos bem que os dilemas do consumo sabem azedar as relações humanas. Blane é uma gracinha, um anjinho que caiu da nuvem sorrindo, mas nem sempre isso é suficiente. Em contrapartida, gosto muito da postura decidida e madura de Andie, ao aconselhar seu pai em alguns diálogos comoventes e ao lutar dignamente pelo seu amor-próprio - em uma referência clara ao nome do filme. Vestir rosa pink também é empoderar-se. E isso, lá na década perdida, talvez tenha soado revolucionário.





Auxiliou no post: 

Turning japanese - The Vapors


*Para ver estrelinhas, sugiro o tema desta gracinha ''If you leave'', de um tal OMD.








        

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sumiços, porre de vinho, Julia Roberts

Sumi, né? Eu sei. Mas não foi por falta de ideia. Na verdade, seguidamente os ''preciso escrever sobre isso porque tá me sufocando'' vêm me visitar em uníssono. Saudade de usar ''uníssono'' em um texto de novo, ufa, saiu. No colégio, uma vez, uma professora disse que eu era uma pedante literária. Sigo honrando o deboche com gosto.   No geral, eu não tenho mais tempo (será que eu arrumaria tempo?). Não tenho mais tempo para escrever minhas misérias aqui, logo eu que sempre priorizei minimamente este espaço nebuloso. Fazer o quê? É da vida. Nem vim fazer mea culpa até porque ninguém se importa, foi mais para dar as caras, tirar o pó do lugar, abrir as janelas. Como vão? Me convidem para tomar um café, só não liguem para o meu celular, não suporto telefone tocando. Mentira, café com esse calor não tem condição, me convidem para ficar em silêncio tomando um vento na cara. Preciso de silêncio, não aguento mais ter que opinar sobre tudo. Não aguento mais qua…

Isis e eu

Dia desses, um cara comentou altas grosserias numa foto minha (um feioso que estava querendo este corpinho, mas isso a Globo não mostra, uééééééé). Enfim, eu apaguei porque o senso de libra aqui é fortíssimo e odeio coisas feias e grosseiras visíveis em lugares que frequento (talvez isso seja indício de querer tudo sempre cor-de-rosa, aprofundaremos em outro post). O fato é que o moço me esculachou - ainda que, outrora, quisesse comer - dizendo para eu não me achar tanto visto que, perto de beldades como Isis Valverde, Fulana Não Sei Das Quantas (alguma boazuda fitness que nunca nem vi e que deve tirar foto olhando pro chão) e outras mulheres que não identifiquei no comentário magoado, eu era feia pra caralho. Eu, Bruna C., 28 anos, feia pra caralho e humilhada em rede social. Lamentei, claro, mas mais por ele não ter sacado o meme que originou a legenda da foto - olha, feiura até relevamos, mas não sacar um meme? Poxa, estamos falando de uma indústria brasileira vital. Mas, vamos lá…

Sobre Ilha das Flores e Ilha das Flores - depois que a sessão acabou

A ideia deste post surgiu de algo bem interessante. Ontem, eu dei uma lida numa entrevista do cineasta Jorge Furtado e decidi dividi-la no perfil que tenho em uma rede social, uma vez que ele fez algumas considerações sobre jornalismo - e isso, independente de quem vier, sempre me faz dar uma parada. Gosto de ver o que estão falando, etc. Na ocasião, o repórter também nos lembrou da passagem de 25 anos daquele que parece ser um dos maiores feitos do porto-alegrense, o curta ''Ilha das Flores'', lançado em 1989 e até hoje considerado um marco em sua carreira.  Arrisco dizer que não haja ninguém que não tenha assistido a tal documentário, especialmente nos anos de ensino médio, mas, vá lá, quem sabe nem todos conheçam. Desde que o vi, fiquei encantada. Encantada, mas não num sentido ''jogo no time do Jorge Furtado Futebol Clube'', e, sim, ''que baita jeito de contar uma história, com deboche e precisão''. Trata-se de um roteiro quase lúdico…