Pular para o conteúdo principal

Su deboche es mi deboche

Terminei, há uns dias meses, o último livro da ótima Tati Bernardi, aquela moça que meio mundo ama incluir em suas selfies, muito embora a maioria daquelas frases toscas não sejam de autoria da roteirista - palavras da mesma. Pois Tati, que fez de seu transtorno psicológico matéria-prima para muitas de suas genialidades, me fez rir quase convulsionada com o hilariante - porém não menos denso - Depois a louca sou eu. Eu simplesmente cheguei ao cúmulo de parar a leitura e, entre risos histéricos, repetir para mim mesma: ''ela não pode ter escrito issoooooooo''. Pois não é que escreveu? E escreveu muito bem (putaquepariu, um texto bem escrito é a minha Disney!!!). É um tom confessional delicioso e intimista, é quase como se eu quisesse abraçar Tatiane e dizer que também já estive ali - estaremos sempre algumas vezes na vida porque esses dilemas psicológicos são dificílimos de desgrudar. Talvez não desgrudem nunca.
Foi um deleite ver a escritora revelar seus piores dramas - por mais insensível que isso pareça - em forma de pequenos devaneios carregados de sutileza ímpar. Eis uma conclusão a que cheguei: ou você nasce escrevendo bem ou não escreve. Ou você carrega essa inquietação genuína na alma ou não carrega. Ou você deixa as palavras irem casando, se completando, fazendo sentido e doendo em você ou não deixa. Isso não se aprende, não existe curso que ensine. Ou está ali incomodando e pedindo para virar arte ou não está. Tati, que já detestei por conta das abobrinhas que jura não ter escrito (coitada, se ela ler o Pensador, vai ter uma síncope com as pérolas), me fez sua irmã, me fez sua confidente. E, incondicionalmente, admiradora ao ver que tudo está ali somatizado nela. Os nossos corpos doem demais.
O drama de se descobrir, muito nova, uma criança ansiosa e ter sofrido com a falta de tato dos adultos para perceberem isso - tão ocupados sendo adultos. O medo de ser ela mesma, o medo de sentir medo, o medo que paralisa os amores e as relações, o medo de aeroportos, o medo de conviver com gente má - e boa demais, o medo de pegar avião, o medo de parar de fazer sentido, o medo de vomitar, o medo de não ter controle sobre si mesma, o medo de se ausentar de casa, o medo do exagero, o medo de doer algo que não se sabe o que é, o medo de não ter aproveitado o suficiente, o medo de viver, o medo de morrer, o medo de ser irremediavelmente humana e toda a sorte de acontecimentos que isso traz - tudo, tudo se aninha ali com muita humanidade. Estamos ferrados. Poeticamente ferrados, fellas. Bonitinho, né... mas que gastura. Viver dá gastura.  
Em suma, é um livro gostosíssimo - principalmente para quem enfrenta a dor e a delícia de ser um ansioso crônico -, pois ela narra variadas circunstâncias inerentes a nós (vocês já sacaram que somos uma seita, né?) com uma sensibilidade adorável e um humor cirúrgico. Eu, que amo um sarcasmo bem feito, fiquei maravilhada. Eu, que amo ler gente talentosa, fiquei inspiradíssima. Eu, que me vi retratadíssima naquelas páginas, cheguei até a ficar melancólica em alguns momentos, mas nada que tenha me feito desistir da leitura, afinal, estamos falando do meu mais novo vício literário da crônica brasileira. Vida longa, sua debochada. Su deboche es mi deboche.   






Auxiliou no post: 

I'm think I'm paranoid - Garbage









Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sumiços, porre de vinho, Julia Roberts

Sumi, né? Eu sei. Mas não foi por falta de ideia. Na verdade, seguidamente os ''preciso escrever sobre isso porque tá me sufocando'' vêm me visitar em uníssono. Saudade de usar ''uníssono'' em um texto de novo, ufa, saiu. No colégio, uma vez, uma professora disse que eu era uma pedante literária. Sigo honrando o deboche com gosto.   No geral, eu não tenho mais tempo (será que eu arrumaria tempo?). Não tenho mais tempo para escrever minhas misérias aqui, logo eu que sempre priorizei minimamente este espaço nebuloso. Fazer o quê? É da vida. Nem vim fazer mea culpa até porque ninguém se importa, foi mais para dar as caras, tirar o pó do lugar, abrir as janelas. Como vão? Me convidem para tomar um café, só não liguem para o meu celular, não suporto telefone tocando. Mentira, café com esse calor não tem condição, me convidem para ficar em silêncio tomando um vento na cara. Preciso de silêncio, não aguento mais ter que opinar sobre tudo. Não aguento mais qua…

Sobre Ilha das Flores e Ilha das Flores - depois que a sessão acabou

A ideia deste post surgiu de algo bem interessante. Ontem, eu dei uma lida numa entrevista do cineasta Jorge Furtado e decidi dividi-la no perfil que tenho em uma rede social, uma vez que ele fez algumas considerações sobre jornalismo - e isso, independente de quem vier, sempre me faz dar uma parada. Gosto de ver o que estão falando, etc. Na ocasião, o repórter também nos lembrou da passagem de 25 anos daquele que parece ser um dos maiores feitos do porto-alegrense, o curta ''Ilha das Flores'', lançado em 1989 e até hoje considerado um marco em sua carreira.  Arrisco dizer que não haja ninguém que não tenha assistido a tal documentário, especialmente nos anos de ensino médio, mas, vá lá, quem sabe nem todos conheçam. Desde que o vi, fiquei encantada. Encantada, mas não num sentido ''jogo no time do Jorge Furtado Futebol Clube'', e, sim, ''que baita jeito de contar uma história, com deboche e precisão''. Trata-se de um roteiro quase lúdico…

Isis e eu

Dia desses, um cara comentou altas grosserias numa foto minha (um feioso que estava querendo este corpinho, mas isso a Globo não mostra, uééééééé). Enfim, eu apaguei porque o senso de libra aqui é fortíssimo e odeio coisas feias e grosseiras visíveis em lugares que frequento (talvez isso seja indício de querer tudo sempre cor-de-rosa, aprofundaremos em outro post). O fato é que o moço me esculachou - ainda que, outrora, quisesse comer - dizendo para eu não me achar tanto visto que, perto de beldades como Isis Valverde, Fulana Não Sei Das Quantas (alguma boazuda fitness que nunca nem vi e que deve tirar foto olhando pro chão) e outras mulheres que não identifiquei no comentário magoado, eu era feia pra caralho. Eu, Bruna C., 28 anos, feia pra caralho e humilhada em rede social. Lamentei, claro, mas mais por ele não ter sacado o meme que originou a legenda da foto - olha, feiura até relevamos, mas não sacar um meme? Poxa, estamos falando de uma indústria brasileira vital. Mas, vamos lá…