Pular para o conteúdo principal

Da série: o que esperamos depois da festa

Olha, não posso ser chamada de baladeira porque não vivo dentro de boate - raramente adentro nesse submundo. Mas uma vez que outra, acabo entrando no jogo do "ser vista para ser lembrada" e me submeto a beber cerveja, sorrir para estranhos, receber cantadinhas de retardados mentais e terminar a noite parecendo um zumbi de chapinha. Faço concessões, claro, mas não queiram me dizer que todas as etapas da operação-balada são TU-DO na vida.
Eu sei que vocês, gurias, pensam o mesmo que eu: se pudessem abolir algo de suas vidas, seria o pós-festa. Maldito pós-festa. Porque o pré-festa é mágico, não? Lembramos de tudo, a roda da bebida ainda cheira à civilidade, estamos com os pés descansadinhos e o cabelo - pasmem - sedoso, cheirando a shampoo, não cigarro. É o paraíso! Já o pós-festa... me faz querer dormir para sempre, sério. É como se eu escutasse in loco John Lennon cantando para a platéia de bêbados que o sonho acabou. Já me encontro em estado de arrependimento mórbido, por ter gastado dinheiro naquele antro de perdição, por ter feito escova, por ter visto certas pessoas, por ter presenciado certas cenas, enfim, por ter caído, de novo, na promessa de que naquela noite seria diferente e eu não sairia da boate me sentindo a vagaba do século, sei lá, uma espécie de Bruna Surfistinha com menos projeção. Pois eu, no ápice de uma ressaca recente, listei pequenos desejos que rondam a cabeça da gente, ainda que secretamente, quando saímos da casa noturna e precisamos recuperar a dignidade perdida:

1- Que não haja, em hipótese nenhuma, qualquer menção à noite anterior por parte de seres que vivem com nós - podem ser pais, irmãos, cônjuges, cachorros, enfim. E nem piadinhas referentes ao estado calamitoso em que nos encontramos. Amnésia geral para quem ficou.

2 - Que brote, do além, um litro de Coca-Cola estupidamente gelada na geladeira para que possamos aplacar um possível inevitável enjoo, proveniente da marvada.

3- Que possamos lembrar de tudo que foi feito, falado, ouvido, de preferência com cronologia exata para não sofrermos de angústia inexplicável, logo quando acordarmos e nos darmos conta de que, raios, amanheceu.

4- Para quem volta de táxi: que o moço taxista não sinta vergonha alheia por nós - já nos basta ser fulminadas pelo seu olhar de desprezo, assim que sentamos cambaleantes em seu veículo. Que ele seja maleável com o preço da corrida, pois, do contrário, certamente nos emputeceremos no outro dia, e que não imagine que procedemos de uma família de alcoólatras e pervertidos, tudo porque estamos voltando, tipo, praticamente de dia.

5- Para quem mora com os genitores: que a porta de casa, assim que nos enxergar chegando da guerra, abra como que por encanto, nos poupando de barulhos constrangedores e evitando que façamos um escarcéu que nos denuncie.

6- Que levantemos dispostas, maduras e sagazes, de preferência em um horário razoável, sem quaisquer resquícios - físicos e psicológicos - da noite passada.

7- Que as fotos tiradas de forma intempestiva e sem conhecimento do tal senso de ridículo sejam, misteriosamente, apagadas das câmeras usadas na sessão "bora queimar o filme da geral".

8- Que tenham sido proferidas por nossos lábios somente palavras harmoniosas, gentis e, principalmente, coerentes às pessoas com quem papeamos na pista de dança.

9- Que nosso cabelo, surpreendentemente, esteja lindo, cheiroso, macio, como o da Nicole Scherzinger na propaganda da Clear e não precisemos lavá-lo, mantendo assim a solidez do investimento da escova do dia anterior.

10- Que o dinheiro gasto de forma conivente com aqueles exploradores - que cobram exorbitâncias pelo ingresso e pela bebida - esteja, vejam só, den-tro da carteira! Pronto para ser gasto em algo de mais serventia.

Viram? Foi só um sonho ruim.


                                                   Show dos horrores!









Comentários

Resumiu o pós-festa em uma espécie de 10 mandamentos de como as coisas deveriam funcionar.
Eu rachei rindo aqui. UHASUHAS
Apesar de não ser garota, concordo com praticamente tudo.
A parte do taxi é tensa. Chegar em casa idem. E as fotos então?
UHASUHSAUHASUHHSA

Bruna, o post tá ótimo! Parabéns.

Beijão
renatalbasso disse…
neidiii
me estorei aqui... mto engraçadooo!!!!
e sem falar que tu escreeve MUITO BEM!
parabéns Neidoca... ta arrasando mesmo!!!!!
amoooooooooo
Danielle disse…
"Bruna Surfistinha com menos projeção" HAHAHAHHA muito bom
Danielle disse…
"Que tenham sido proferidas por nossos lábios, somente, palavras harmoniosas, gentis e, principalmente, coerentes às pessoas com quem papeamos na pista de dança.." HAHAHAHAH DIFÍÍÍCILLL
Bruna Castro disse…
Que bom que vocês riram com o post, galera!! NUM É FACIO! HEAHUEHUAEHA balada = cilada! Beijos a todos.

Postagens mais visitadas deste blog

Sumiços, porre de vinho, Julia Roberts

Sumi, né? Eu sei. Mas não foi por falta de ideia. Na verdade, seguidamente os ''preciso escrever sobre isso porque tá me sufocando'' vêm me visitar em uníssono. Saudade de usar ''uníssono'' em um texto de novo, ufa, saiu. No colégio, uma vez, uma professora disse que eu era uma pedante literária. Sigo honrando o deboche com gosto.   No geral, eu não tenho mais tempo (será que eu arrumaria tempo?). Não tenho mais tempo para escrever minhas misérias aqui, logo eu que sempre priorizei minimamente este espaço nebuloso. Fazer o quê? É da vida. Nem vim fazer mea culpa até porque ninguém se importa, foi mais para dar as caras, tirar o pó do lugar, abrir as janelas. Como vão? Me convidem para tomar um café, só não liguem para o meu celular, não suporto telefone tocando. Mentira, café com esse calor não tem condição, me convidem para ficar em silêncio tomando um vento na cara. Preciso de silêncio, não aguento mais ter que opinar sobre tudo. Não aguento mais qua…

Sobre Ilha das Flores e Ilha das Flores - depois que a sessão acabou

A ideia deste post surgiu de algo bem interessante. Ontem, eu dei uma lida numa entrevista do cineasta Jorge Furtado e decidi dividi-la no perfil que tenho em uma rede social, uma vez que ele fez algumas considerações sobre jornalismo - e isso, independente de quem vier, sempre me faz dar uma parada. Gosto de ver o que estão falando, etc. Na ocasião, o repórter também nos lembrou da passagem de 25 anos daquele que parece ser um dos maiores feitos do porto-alegrense, o curta ''Ilha das Flores'', lançado em 1989 e até hoje considerado um marco em sua carreira. 
Arrisco dizer que não haja ninguém que não tenha assistido a tal documentário, especialmente nos anos de ensino médio, mas, vá lá, quem sabe nem todos conheçam. Desde que o vi, fiquei encantada. Encantada, mas não num sentido ''jogo no time do Jorge Furtado Futebol Clube'', e, sim, ''que baita jeito de contar uma história, com deboche e precisão''. Trata-se de um roteiro quase lúdico…

Su deboche es mi deboche

Terminei, há uns dias meses, o último livro da ótima Tati Bernardi, aquela moça que meio mundo ama incluir em suas selfies, muito embora a maioria daquelas frases toscas não sejam de autoria da roteirista - palavras da mesma. Pois Tati, que fez de seu transtorno psicológico matéria-prima para muitas de suas genialidades, me fez rir quase convulsionada com o hilariante - porém não menos denso - Depois a louca sou eu. Eu simplesmente cheguei ao cúmulo de parar a leitura e, entre risos histéricos, repetir para mim mesma:''ela não pode ter escrito issoooooooo''. Pois não é que escreveu? E escreveu muito bem (putaquepariu, um texto bem escrito é a minha Disney!!!). É um tom confessional delicioso e intimista, é quase como se eu quisesse abraçar Tatiane e dizer que também já estive ali - estaremos sempre algumas vezes na vida porque esses dilemas psicológicos são dificílimos de desgrudar. Talvez não desgrudem nunca.
Foi um deleite ver a escritora revelar seus piores dramas …