Pular para o conteúdo principal

Filialzinha do inferno

Escrevo, aqui e agora, pós recuperação de um baile de formatura de uma amiga queridíssima. Festão. Festa linda, mas não menos bizarra. Festas – ao menos estas que seguem o padrão vigente - são bizarras - e só para que fique claro o espírito da postagem: meu baile também foi bizarro. De referida bizarrice ninguém está imune, uma vez que está condicionada desde muito tempo atrás.  
Mas, desconstruamos o termo "festa". Aquilo ali não é festa, é meia-irmã do pau-de-arara. Por isso as pessoas, estando ali, bebem pra caralho: não aguentariam sóbrias aquela filialzinha do inferno. Festa já é um troço indigesto, a começar pela imposição do salto. Quem disse que seríamos plenamente felizes, nos equilibrando em sapatos altíssimos? Claro, claro, dirá você que, se "está ruim", eu devo é aderir às sapatilhas, mas vamos combinar que o mundinho machistinha que habitamos – esse que afirma que mulheres ficam muito mais "femininas" usando salto alto – não está preparado para presenciar moças bem resolvidas usando singelas rasteirinhas, sem proferir escárnios das mais variadas naturezas. Enquanto isso, dá-lhe abraçar o padrão de feminilidade da revista Nova. Viva!   
Bom, daí para a frente é o show dos horrores e só com muita cachaça correndo no sangue, para aguentar. De repente, eu tô ali, pouco me reconhecendo, fazendo movimentos igual a um boneco de Olinda com lordose – uma massa de estranhos me acompanha na empreitada, lógico – escutando músicas escrotas que deveras já foram zoadas por mim (Deus castiga, viu?) e sorrindo como se eu realmente estivesse realizadíssima com o fato. Sorte minha que eu rio até com o vento passando e, de quebra, ensaio umas análises sociológicas de araque.
Falando em música, tá aí um troço que sempre tem que ser muito ruim. Não existe meio-termo. Como já falou a sempre sagaz e psicótica, Natália Klein, não existem concessões no inferno. Se é para sofrer, que seja do pior jeito possível. Se é para sofrer, vamos balbuciar umas onomatopeias com duplo sentido, do tipo "pra nós fazer parapapá", "eu vou pegar você e tãããe", além do famigerado "tchu tchá tchá", até sentir o rosto arder de vergonha alheia. Se me permitem uma comparação, não é impunemente que o Chico, por exemplo, não frequenta tais playlists mundanas. Ele foi feito para ser tragado no mais íntimo silêncio, no mais doce dos momentos. Chico não combina com cerveja barata, com alegria vazia, com sorrisos falsos. Ele é da existência diária, da melancolia de sentir a vida no que ela tem de mais triste e mais poético. E outra: as letras dele não são remixáveis. É outro nível, galerinha.
Eu, hoje em dia, me permito ir a festas mais temáticas, em que toquem músicas que tenham mais a ver comigo, que me recebam de braços abertos - ainda que eu chegue usando meu All Star velho de guerra. Mas faço concessões, claro, pois aqui a diplomacia reina. E sexta que vem tem de novo.





    

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sumiços, porre de vinho, Julia Roberts

Sumi, né? Eu sei. Mas não foi por falta de ideia. Na verdade, seguidamente os ''preciso escrever sobre isso porque tá me sufocando'' vêm me visitar em uníssono. Saudade de usar ''uníssono'' em um texto de novo, ufa, saiu. No colégio, uma vez, uma professora disse que eu era uma pedante literária. Sigo honrando o deboche com gosto.   No geral, eu não tenho mais tempo (será que eu arrumaria tempo?). Não tenho mais tempo para escrever minhas misérias aqui, logo eu que sempre priorizei minimamente este espaço nebuloso. Fazer o quê? É da vida. Nem vim fazer mea culpa até porque ninguém se importa, foi mais para dar as caras, tirar o pó do lugar, abrir as janelas. Como vão? Me convidem para tomar um café, só não liguem para o meu celular, não suporto telefone tocando. Mentira, café com esse calor não tem condição, me convidem para ficar em silêncio tomando um vento na cara. Preciso de silêncio, não aguento mais ter que opinar sobre tudo. Não aguento mais qua…

Sobre Ilha das Flores e Ilha das Flores - depois que a sessão acabou

A ideia deste post surgiu de algo bem interessante. Ontem, eu dei uma lida numa entrevista do cineasta Jorge Furtado e decidi dividi-la no perfil que tenho em uma rede social, uma vez que ele fez algumas considerações sobre jornalismo - e isso, independente de quem vier, sempre me faz dar uma parada. Gosto de ver o que estão falando, etc. Na ocasião, o repórter também nos lembrou da passagem de 25 anos daquele que parece ser um dos maiores feitos do porto-alegrense, o curta ''Ilha das Flores'', lançado em 1989 e até hoje considerado um marco em sua carreira.  Arrisco dizer que não haja ninguém que não tenha assistido a tal documentário, especialmente nos anos de ensino médio, mas, vá lá, quem sabe nem todos conheçam. Desde que o vi, fiquei encantada. Encantada, mas não num sentido ''jogo no time do Jorge Furtado Futebol Clube'', e, sim, ''que baita jeito de contar uma história, com deboche e precisão''. Trata-se de um roteiro quase lúdico…

Su deboche es mi deboche

Terminei, há uns dias meses, o último livro da ótima Tati Bernardi, aquela moça que meio mundo ama incluir em suas selfies, muito embora a maioria daquelas frases toscas não sejam de autoria da roteirista - palavras da mesma. Pois Tati, que fez de seu transtorno psicológico matéria-prima para muitas de suas genialidades, me fez rir quase convulsionada com o hilariante - porém não menos denso - Depois a louca sou eu. Eu simplesmente cheguei ao cúmulo de parar a leitura e, entre risos histéricos, repetir para mim mesma:''ela não pode ter escrito issoooooooo''. Pois não é que escreveu? E escreveu muito bem (putaquepariu, um texto bem escrito é a minha Disney!!!). É um tom confessional delicioso e intimista, é quase como se eu quisesse abraçar Tatiane e dizer que também já estive ali - estaremos sempre algumas vezes na vida porque esses dilemas psicológicos são dificílimos de desgrudar. Talvez não desgrudem nunca.
Foi um deleite ver a escritora revelar seus piores dramas …