Pular para o conteúdo principal

Filialzinha do inferno

Escrevo, aqui e agora, pós recuperação de um baile de formatura de uma amiga queridíssima. Festão. Festa linda, mas não menos bizarra. Festas – ao menos estas que seguem o padrão vigente - são bizarras - e só para que fique claro o espírito da postagem: meu baile também foi bizarro. De referida bizarrice ninguém está imune, uma vez que está condicionada desde muito tempo atrás.  
Mas, desconstruamos o termo "festa". Aquilo ali não é festa, é meia-irmã do pau-de-arara. Por isso as pessoas, estando ali, bebem pra caralho: não aguentariam sóbrias aquela filialzinha do inferno. Festa já é um troço indigesto, a começar pela imposição do salto. Quem disse que seríamos plenamente felizes, nos equilibrando em sapatos altíssimos? Claro, claro, dirá você que, se "está ruim", eu devo é aderir às sapatilhas, mas vamos combinar que o mundinho machistinha que habitamos – esse que afirma que mulheres ficam muito mais "femininas" usando salto alto – não está preparado para presenciar moças bem resolvidas usando singelas rasteirinhas, sem proferir escárnios das mais variadas naturezas. Enquanto isso, dá-lhe abraçar o padrão de feminilidade da revista Nova. Viva!   
Bom, daí para a frente é o show dos horrores e só com muita cachaça correndo no sangue, para aguentar. De repente, eu tô ali, pouco me reconhecendo, fazendo movimentos igual a um boneco de Olinda com lordose – uma massa de estranhos me acompanha na empreitada, lógico – escutando músicas escrotas que deveras já foram zoadas por mim (Deus castiga, viu?) e sorrindo como se eu realmente estivesse realizadíssima com o fato. Sorte minha que eu rio até com o vento passando e, de quebra, ensaio umas análises sociológicas de araque.
Falando em música, tá aí um troço que sempre tem que ser muito ruim. Não existe meio-termo. Como já falou a sempre sagaz e psicótica, Natália Klein, não existem concessões no inferno. Se é para sofrer, que seja do pior jeito possível. Se é para sofrer, vamos balbuciar umas onomatopeias com duplo sentido, do tipo "pra nós fazer parapapá", "eu vou pegar você e tãããe", além do famigerado "tchu tchá tchá", até sentir o rosto arder de vergonha alheia. Se me permitem uma comparação, não é impunemente que o Chico, por exemplo, não frequenta tais playlists mundanas. Ele foi feito para ser tragado no mais íntimo silêncio, no mais doce dos momentos. Chico não combina com cerveja barata, com alegria vazia, com sorrisos falsos. Ele é da existência diária, da melancolia de sentir a vida no que ela tem de mais triste e mais poético. E outra: as letras dele não são remixáveis. É outro nível, galerinha.
Eu, hoje em dia, me permito ir a festas mais temáticas, em que toquem músicas que tenham mais a ver comigo, que me recebam de braços abertos - ainda que eu chegue usando meu All Star velho de guerra. Mas faço concessões, claro, pois aqui a diplomacia reina. E sexta que vem tem de novo.





    

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Isis e eu

Dia desses, um cara comentou altas grosserias numa foto minha (um feioso que estava querendo este corpinho, mas isso a Globo não mostra, uééééééé). O fato é que o moço me esculachou - ainda que, outrora, quisesse comer - dizendo para eu não me achar tanto visto que, perto de beldades como Isis Valverde, Fulana Não Sei Das Quantas (alguma boazuda fitness que nunca nem vi e que deve tirar foto olhando pro chão) e outras mulheres que não identifiquei no comentário magoado, eu era feia pra caralho. Eu, Bruna C., 28 anos, feia pra caralho e humilhada em rede social. Lamentei, claro, mas mais por ele não ter sacado o meme que originou a legenda da foto - olha, feiura até relevamos, mas não sacar um meme? Poxa, estamos falando de uma indústria brasileira vital. Mas, vamos lá, se tem algo que eu capto nessa vidinha obscura é a profundidade das coisas. Este feio incapacitado para entender ironias, achando que estava acabando comigo, só aguçou meu senso de observação.  É evidente que nunca che…

Sobre Ilha das Flores e Ilha das Flores - depois que a sessão acabou

A ideia deste post surgiu de algo bem interessante. Ontem, eu dei uma lida numa entrevista do cineasta Jorge Furtado e decidi dividi-la no perfil que tenho em uma rede social, uma vez que ele fez algumas considerações sobre jornalismo - e isso, independente de quem vier, sempre me faz dar uma parada. Gosto de ver o que estão falando, etc. Na ocasião, o repórter também nos lembrou da passagem de 25 anos daquele que parece ser um dos maiores feitos do porto-alegrense, o curta ''Ilha das Flores'', lançado em 1989 e até hoje considerado um marco em sua carreira.  Arrisco dizer que não haja ninguém que não tenha assistido a tal documentário, especialmente nos anos de ensino médio, mas, vá lá, quem sabe nem todos conheçam. Desde que o vi, fiquei encantada. Encantada, mas não num sentido ''jogo no time do Jorge Furtado Futebol Clube'', e, sim, ''que baita jeito de contar uma história, com deboche e precisão''. Trata-se de um roteiro quase lúdico…

Família Felipe Neto

Eu já queria falar sobre isso há um bom tempo, e, enquanto não criar vergonha nessa cara e entrar num mestrado para matar minha curiosidade de por que caralhos as pessoas dão audiência para pessoas tão bizarras e nada a ver, a gente vai ter que escrever sobre isso aqui. Quando eu falo ''a gente'', me refiro a mim e às vozes que habitam minha cabeça, tá, queridos? Youtubers... youtubers... sim, Bruna, está acontecendo e faz tempo. Que desgraça essa gente! Ó, pai, por que me abandonaste? Quanto tempo eu dormi? Estamos vivendo uma era de espetacularização tão idiota, mas tão idiota que me faltam palavras, é sério, eu só consigo sentir - como diria o fatídico meme. Não tem a mínima condição de manter a sanidade mental, querendo estudar, trabalhar, evoluir quando pegar uma câmera, do celular mesmo, sair falando um monte de merda e enriquecer com isso ficou tão fácil. Vamos usar um case bem ridículo aqui? Vamos.  Dia desses, esta comunicóloga que vos fala, fazendo suas comp…