Pular para o conteúdo principal

Bruna, uma frutinha estragada


Tem uma prima minha que seguidamente fala ''Bruna, tu que lê bastante, me responde uma coisa''. Eu acho uma graça. Fico intrigada com isso, de verdade. Que eu leio bastante, realmente não é novidade para ninguém (basta perceber meu rico vocabulário, né, mores), mas ela supor que eu posso responder qualquer coisa me assusta, porque o fato é que eu não sei nada da vida. Quanto mais eu... vá lá, leio, mais imbecil me sinto diante dela. Digo, da vida, não da minha prima.
É claro que ela não diz isso para encher minha bola, falei mais para ilustrar mesmo. E é claro que pessoas que leem mais, tendem a ter mais respostas prontas na ponta da língua, é uma questão lógica de sincronia entre linguagem e discurso. Mas sapiência definitivamente não nos garante certeza quanto aos mistérios que nos cercam. É só uma tentativa, uma busca. No meu caso, leio mais como um sintoma desesperado de entendimento, como se disso dependesse minha sobrevivência, nada a ver com autopromoções - poucas coisas me enojam tanto quanto bajulação (não se deixem levar pela minha etiqueta astrológica). Eu leio mais mesmo é porque sou uma curiosa irremediavelmente desgraçada da cabeça. Porque preciso me entender e preencher os leads da minha existência. Eu leio porque não me levo a sério, e isso me mata um pouco a cada dia. Eu leio para me proteger. Porque sinto demais e tenho uma memória assombrosa, logo, tenho que teorizar um pouco dessa bagunça. E quando falo que leio com essa arrogância necessária, não me refiro nem a Kafkas e Dostoiévskis - essas instituições literárias que, embora geniais, são maçantes e complexas. Falo é de qualquer coisa que me caia às mãos. Falo é de uma esperança entranhada de que aquilo por que meus olhos, por ventura, cruzem acabe com minha errância. Falo de astrologia, filosofia de boteco, manchetes de jornal, cartinhas empoeiradas nas gavetas do meu quarto. Falo de ler o que está nas entrelinhas. Entre linhas, tudo é possível.
Vocês já devem ter ouvido por aí que as pessoas mais felizes são precisamente as mais ignorantes. Pois eu não tenho dúvidas disso. A gente não lê, aprende, assimila, whatever, para ser feliz. Saber é doer, meus caros. E quanto mais lemos, mais emaranhados em falsas certezas ficamos. As pessoas leem e aprendem porque o sistema quer os bem instruídos e os detentores de capital cultural, a fim, claro, de manter a verticalização - mas, vejam bem, o sistema não está preocupado com a nossa sanidade mental. Pensar enlouquece, e eles não querem maçãs mentalmente podres. Eles querem é maçãs brilhantemente técnicas e eficientes. Já os frutos que levam indagações genuínas em suas sementes ficarão sempre à margem em uma árvore qualquer por aí. ''Tu que lê bastante, me responde uma coisa...'' 
Antes soubesse, minha cara, antes soubesse. Eu, no máximo, me desculpo por ser uma frutinha estragada.







Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Isis e eu

Dia desses, um cara comentou altas grosserias numa foto minha (um feioso que estava querendo este corpinho, mas isso a Globo não mostra, uééééééé). O fato é que o moço me esculachou - ainda que, outrora, quisesse comer - dizendo para eu não me achar tanto visto que, perto de beldades como Isis Valverde, Fulana Não Sei Das Quantas (alguma boazuda fitness que nunca nem vi e que deve tirar foto olhando pro chão) e outras mulheres que não identifiquei no comentário magoado, eu era feia pra caralho. Eu, Bruna C., 28 anos, feia pra caralho e humilhada em rede social. Lamentei, claro, mas mais por ele não ter sacado o meme que originou a legenda da foto - olha, feiura até relevamos, mas não sacar um meme? Poxa, estamos falando de uma indústria brasileira vital. Mas, vamos lá, se tem algo que eu capto nessa vidinha obscura é a profundidade das coisas. Este feio incapacitado para entender ironias, achando que estava acabando comigo, só aguçou meu senso de observação.  É evidente que nunca che…

Sobre Ilha das Flores e Ilha das Flores - depois que a sessão acabou

A ideia deste post surgiu de algo bem interessante. Ontem, eu dei uma lida numa entrevista do cineasta Jorge Furtado e decidi dividi-la no perfil que tenho em uma rede social, uma vez que ele fez algumas considerações sobre jornalismo - e isso, independente de quem vier, sempre me faz dar uma parada. Gosto de ver o que estão falando, etc. Na ocasião, o repórter também nos lembrou da passagem de 25 anos daquele que parece ser um dos maiores feitos do porto-alegrense, o curta ''Ilha das Flores'', lançado em 1989 e até hoje considerado um marco em sua carreira.  Arrisco dizer que não haja ninguém que não tenha assistido a tal documentário, especialmente nos anos de ensino médio, mas, vá lá, quem sabe nem todos conheçam. Desde que o vi, fiquei encantada. Encantada, mas não num sentido ''jogo no time do Jorge Furtado Futebol Clube'', e, sim, ''que baita jeito de contar uma história, com deboche e precisão''. Trata-se de um roteiro quase lúdico…

Família Felipe Neto

Eu já queria falar sobre isso há um bom tempo, e, enquanto não criar vergonha nessa cara e entrar num mestrado para matar minha curiosidade de por que caralhos as pessoas dão audiência para pessoas tão bizarras e nada a ver, a gente vai ter que escrever sobre isso aqui. Quando eu falo ''a gente'', me refiro a mim e às vozes que habitam minha cabeça, tá, queridos? Youtubers... youtubers... sim, Bruna, está acontecendo e faz tempo. Que desgraça essa gente! Ó, pai, por que me abandonaste? Quanto tempo eu dormi? Estamos vivendo uma era de espetacularização tão idiota, mas tão idiota que me faltam palavras, é sério, eu só consigo sentir - como diria o fatídico meme. Não tem a mínima condição de manter a sanidade mental, querendo estudar, trabalhar, evoluir quando pegar uma câmera, do celular mesmo, sair falando um monte de merda e enriquecer com isso ficou tão fácil. Vamos usar um case bem ridículo aqui? Vamos.  Dia desses, esta comunicóloga que vos fala, fazendo suas comp…