Pular para o conteúdo principal

Vadia

Ei, menina, deixa eu contar um segredo: você não é especial. Não aos olhos de um mundo de supremacia masculina em todos os âmbitos da sociedade. É válido sempre colocar a máxima em cima da mesa: não se trata de um jogo em que você compete com as outras mulheres para ver qual merece mais ser feliz. Ser feliz por andar na linha, ser feliz por beber pouco numa festa e ser discreta diante dos amigos daquele bostinha que tanto quer impressionar. Ser feliz por ficar sexta à noite em casa e tirar fotos dizendo que é pra casar, afinal, isso vai lhe garantir um príncipe montado num pangaré e fazer da sua vida um conto de fadas morno e sem sal. Ser feliz por julgar aquelas periguetes que saem de barriga de fora e vestidos minúsculos. As periguetes e você estão todas no mesmíssimo barco.
Para todos os efeitos, você será uma vadia, puta, vagabunda em algum momento da vida. Vadia porque deu. Vadia porque não deu. Vadia porque deu muito. Vadia porque deu de menos. Vadia porque é direta. Vadia porque quer que as coisas vão mais devagar, afinal, isso é coisa de vadiazinha fazida. Vadia porque não quis trabalhar. Vadia porque só quis trabalhar. Vadia porque quer estudar. Vadia porque é inteligente. Vadia porque não estudou e, claro, isso só pode levar a um golpe do baú. Vadia porque não quer ter filhos. Vadia porque teve filhos demais. Vadia porque abortou. Vadia porque não abortou e colocou no mundo um filho que se sentia incapaz de cuidar. Vadia porque diz o que pensa. Vadia porque nunca diz nada. Vadia porque quis se separar. Vadia porque não quis se separar. Vadia porque mora sozinha. Vadia porque mora com os pais, baita vadiazinha sustentada pelo pai essa daí. Vadia eternamente. Vadia simplesmente por existir. Você não é diferente, não é uma iluminada olhando de cima essas pobres mulheres que não se ''dão o valor''. Você vai ser elas em alguma circunstância. Essa lógica perversa vai doer em você, porque ela sempre dói. 




        

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sobre Ilha das Flores e Ilha das Flores - depois que a sessão acabou

A ideia deste post surgiu de algo bem interessante. Ontem, eu dei uma lida numa entrevista do cineasta Jorge Furtado e decidi dividi-la no perfil que tenho em uma rede social, uma vez que ele fez algumas considerações sobre jornalismo - e isso, independente de quem vier, sempre me faz dar uma parada. Gosto de ver o que estão falando, etc. Na ocasião, o repórter também nos lembrou da passagem de 25 anos daquele que parece ser um dos maiores feitos do porto-alegrense, o curta ''Ilha das Flores'', lançado em 1989 e até hoje considerado um marco em sua carreira.  Arrisco dizer que não haja ninguém que não tenha assistido a tal documentário, especialmente nos anos de ensino médio, mas, vá lá, quem sabe nem todos conheçam. Desde que o vi, fiquei encantada. Encantada, mas não num sentido ''jogo no time do Jorge Furtado Futebol Clube'', e, sim, ''que baita jeito de contar uma história, com deboche e precisão''. Trata-se de um roteiro quase lúdico…

Triângulo das Marquises

Nunca evoluiremos como civilização enquanto seguirmos usando guarda-chuva embaixo da marquise. Refletia sobre isso ontem, após me deleitar com uma chuvinha cretina e gelada que molhou meus pés me fazendo dançar jazz involuntário na minha sandália e liquidou o restinho de paciência  de uma semana em que fui dirigida, com honras, por Almodóvar numa reprise de

Flores no lamaçal de creme de avelã

Tenho feito um severo exercício de autocrítica nos últimos tempos - exercício esse que, somado a um problema pessoal bem pontual, me deixou sem tesão algum de escrever. Mas voltei para uma transadinha rápida e certeira. Um mea culpa inspirado nos velhos tempos - desta vez sem o deboche costumeiro. Realmente quero me retratar. Há alguns meses, quando escrevi, estupefata de indignações diversas, sobre youtubers, eu nunca estive tão certa do que escrevia. Sigo achando que o Youtube amplificou a voz dos imbecis e vem cooptando principalmente crianças a uma sintomática era da baboseira - entre trolladas épicas envolvendo mães e banheiras cheias de nutella, criou-se um nicho bizarro cujo terreno é a falta de discernimento infantil infelizmente. Só que foi aí que residiu meu erro: reduzir a plataforma a um lamaçal de creme de avelã - e nada mais. Não me ative ao fato de que ali coexistem muitos canais interessantíssimos sobre os mais diferentes ramos do conhecimento humano, inclusive fazend…