Pular para o conteúdo principal

How can you mend a broken heart, Hugh Grant?

Está sofrendo por amor? Eu sugiro Al Green. Mais precisamente, How can you mend a broken heart
Aquilo ali não é uma música, é uma espécie de transe. Sinto uma corrente elétrica percorrendo todo o meu corpo sempre que escuto. E eu escuto muito. Então eu fico ali, sendo mastigada por aqueles acordes, numa comunhão linda e de profundidades de que ninguém suspeita. Não consigo nem respirar direito. Dá gosto de sofrer ouvindo isso - pode ou não pode estar sendo meu som oficial de chorar no banho. Se é para corroer nossos pobres corações, vamos fazer direito. Com um mínimo de elegância. O Hugh Grant, por exemplo, já fez isso em Um Lugar Chamado Notting Hill - logo, estamos absolvidos. Só colocar as mãos no bolso, sair chutando latinha e pronto: eis uma imitação pateta de Hugh Grant.   
Para ser franca, tal música nem é dele - digo, do Green, não do Hugh Grant, dã. Segundo minhas pesquisas inúteis, o hit foi composto pelos manos Gibb, esses queridos que adoram criar músicas para outros também fazerem sucesso e são conhecidos nas grandes rodas por Bee Gees. (I started a joke - que estará na minha lápide, claro - eu nem lembro que é deles. Não dá. Aquela música tem a alma do Faith No More, mals aí. Outra hora, venho falar da relação cabulosa que mantenho com a regravação na voz do Mike Patton, porque é simplesmente a música da minha vida.) Ai ai... cataaaarse!
Pois bem, muito embora pareça, não vim falar de músicas dos irmãos barítonos e filmes de gosto duvidoso, mas sim de... er, sofrer por amor. Sofrer por amor... sofrer... coisa engraçada. Há alguns dias, eu comentava com uma amiga sobre isso - e com outras certas pessoas com quem eu sequer deveria estar comentando essas coisas. Parece a sina de todos nós, pobres mortais. Causa mortis: amor. Ou falta de, vai saber. Sofrer, sofrer e sofrer mais um pouco. Os Sofrimentos do Jovem Werther talvez seja o livro de cabeceira de todo coração espezinhado. Era o meu, que horror. Por um lado, é ótimo: se não se sofre, não se tem texto. Os livros de amor - ou, sei lá, tortura medieval, acho que tem sentido - só são escritos pois há coisas que precisam ser ditas e sofrimentos que precisam ser externados. Ninguém escreve sobre felicidade - ela se basta, ela simplesmente existe. Por outro lado, isso é uma lástima. Ter matéria-prima somente quando se leva uma pancada na cabeça não é lá muito digno. É... que remédio, possivelmente os textos mais lindos, as músicas mais tocantes, as expressões artísticas mais atordoantes, todos eles tenham sido criados no auge de uma dor lancinante. Chuto que Barry Gibb tinha levado um pé homérico no traseiro e saiu aquela coisa maravilhosa. Nem sei o que pensar. How can you mend a broken heart? Eu também não sei, meu caro. Uns colecionam seios em noites infrutíferas; outros bebem à exaustão completa; umas cortam os pulsos e os sentimentos por completo; outras escrevem crônicas na esperança de serem ouvidas... cada um na sua. Na sua solidão e na sua cruz. No melhor e no pior de dois mundos.



                                Certo que a mina deixou ele por causa desse cabelo



Auxiliou no post: 

I started a joke - Faith No More 






  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sumiços, porre de vinho, Julia Roberts

Sumi, né? Eu sei. Mas não foi por falta de ideia. Na verdade, seguidamente os ''preciso escrever sobre isso porque tá me sufocando'' vêm me visitar em uníssono. Saudade de usar ''uníssono'' em um texto de novo, ufa, saiu. No colégio, uma vez, uma professora disse que eu era uma pedante literária. Sigo honrando o deboche com gosto.   No geral, eu não tenho mais tempo (será que eu arrumaria tempo?). Não tenho mais tempo para escrever minhas misérias aqui, logo eu que sempre priorizei minimamente este espaço nebuloso. Fazer o quê? É da vida. Nem vim fazer mea culpa até porque ninguém se importa, foi mais para dar as caras, tirar o pó do lugar, abrir as janelas. Como vão? Me convidem para tomar um café, só não liguem para o meu celular, não suporto telefone tocando. Mentira, café com esse calor não tem condição, me convidem para ficar em silêncio tomando um vento na cara. Preciso de silêncio, não aguento mais ter que opinar sobre tudo. Não aguento mais qua…

Sobre Ilha das Flores e Ilha das Flores - depois que a sessão acabou

A ideia deste post surgiu de algo bem interessante. Ontem, eu dei uma lida numa entrevista do cineasta Jorge Furtado e decidi dividi-la no perfil que tenho em uma rede social, uma vez que ele fez algumas considerações sobre jornalismo - e isso, independente de quem vier, sempre me faz dar uma parada. Gosto de ver o que estão falando, etc. Na ocasião, o repórter também nos lembrou da passagem de 25 anos daquele que parece ser um dos maiores feitos do porto-alegrense, o curta ''Ilha das Flores'', lançado em 1989 e até hoje considerado um marco em sua carreira. 
Arrisco dizer que não haja ninguém que não tenha assistido a tal documentário, especialmente nos anos de ensino médio, mas, vá lá, quem sabe nem todos conheçam. Desde que o vi, fiquei encantada. Encantada, mas não num sentido ''jogo no time do Jorge Furtado Futebol Clube'', e, sim, ''que baita jeito de contar uma história, com deboche e precisão''. Trata-se de um roteiro quase lúdico…

Su deboche es mi deboche

Terminei, há uns dias meses, o último livro da ótima Tati Bernardi, aquela moça que meio mundo ama incluir em suas selfies, muito embora a maioria daquelas frases toscas não sejam de autoria da roteirista - palavras da mesma. Pois Tati, que fez de seu transtorno psicológico matéria-prima para muitas de suas genialidades, me fez rir quase convulsionada com o hilariante - porém não menos denso - Depois a louca sou eu. Eu simplesmente cheguei ao cúmulo de parar a leitura e, entre risos histéricos, repetir para mim mesma:''ela não pode ter escrito issoooooooo''. Pois não é que escreveu? E escreveu muito bem (putaquepariu, um texto bem escrito é a minha Disney!!!). É um tom confessional delicioso e intimista, é quase como se eu quisesse abraçar Tatiane e dizer que também já estive ali - estaremos sempre algumas vezes na vida porque esses dilemas psicológicos são dificílimos de desgrudar. Talvez não desgrudem nunca.
Foi um deleite ver a escritora revelar seus piores dramas …