Pular para o conteúdo principal

Filme de terror

(O texto a seguir foi, originalmente, escrito em 17 de junho de 2009. Embora o fato que o motivou esteja fora de evidência, acredito que valha a pena postá-lo. Segue urgente discutir a impunidade nesse país surreal.)



        É desoladora essa praga da impunidade. Não bastam mais leis, mais decretos, mais ditaduras, creio eu, nada faz com que o respeito ao coletivo volte a pautar as relações entre as pessoas. Assisti ao programa Profissão Repórter, ontem à noite, com um profundo pesar, pois o tema que orientou os jovens repórteres na elaboração das matérias foi o trágico acidente, provocado pelo, agora, ex-deputado Fernando Carli Filho – o inconseqüente abdicou do cargo ainda no hospital - e que teve como saldo a morte de dois jovens inocentes, em Curitiba.
        Fiquei estarrecida, mas não com o fato em si, já que, infelizmente, trata-se de um acontecimento rotineiro em nosso cotidiano e com o qual, principalmente nós estudantes de jornalismo, devemos nos habituar. Mas, sim, com o estúpido roteiro que antecedeu a carnificina, ocorrida em um movimentado cruzamento. Segundo a produção do programa - que teve acesso ao inquérito do caso - o parlamentar estava, nitidamente, alcoolizado, isso era uma verdade que até as pedras da rua haviam percebido, mas mesmo assim, insistiu em sair do local, em que havia ingerido algumas taças de vinho, dirigindo seu carro de forma desafiadora, leia-se “cantando pneu”, mesmo sob protestos do manobrista, de amigos e de outras pessoas que presenciaram a cena. Saiu dirigindo impetuosamente, ignorando o fato de haver uma Lei Seca. Defasada, é bem verdade, mas que ainda existe e que proíbe indivíduos que consumiram bebidas alcoólicas de dirigirem veículos. Ainda mais em alta velocidade. Ainda mais sendo pessoas públicas, tidas como responsáveis pelo bom andamento da sociedade e, no seu caso, pertencendo ao poder legislativo, que também têm a incumbência de elaborar leis que garantam a ordem.
         Pensando sobre isso, me assaltou o absurdo da situação, e, confesso, ainda mais, por se tratar de um político - classe de trabalhadores que têm suas funções sempre questionadas por nós. Como exigir um respeito que eles sabem que não merecem, a julgar por fatos como o lamentável? Sinceramente, tenho consciência de que todos estão sujeitos a fatalidades, inevitavelmente, esse é o curso da vida, mas o excelentíssimo em questão foi advertido de sua impossibilidade de tomar a direção, como pôde ser tão irresponsável? Será que pensou que, por ser político, usufruía de um álibi exclusivo? Ou foi por imaturidade mesmo? Imaturidade, esta, aliás, que ficou evidente na maioria das falas dos motoristas entrevistados pela produção do jornalístico. Prestei atenção especial em um que afirmou com todas as letras que é errado sair para beber e depois se apossar do volante, mas que faz isso, pois se sente mais solto. Segundo a figura, a cabeça fica mais leve. É ou não é de cortar os pulsos?
          Bom, não se pode generalizar, seria injusto com a pequeníssima parcela consciente sobre o tema e que procura não somente se preservar, como também não matar inocentes e protagonizar filmes de terror. Na mesma edição, um estudante visivelmente arrebatado pelo álcool proferiu que iria para casa de táxi. Vendo que o repórter hesitava em acreditar na sua afirmação, ele se levantou, discursou de forma embaralhada sobre o risco que poderia ser evitado, se todos colaborassem no propósito em questão e saiu, de fato, guiado pelo taxista - satisfeito com a corrida. É só uma pena constatar que são poucos os que fazem isso. Muitos preferem sair em seus carrinhos se sentindo os reis do pedaço, em vez de bradarem em alto e bom som, ainda que jocosamente, que têm respeito por suas vidas e, mais ainda, conhecimento do que é cidadania.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sumiços, porre de vinho, Julia Roberts

Sumi, né? Eu sei. Mas não foi por falta de ideia. Na verdade, seguidamente os ''preciso escrever sobre isso porque tá me sufocando'' vêm me visitar em uníssono. Saudade de usar ''uníssono'' em um texto de novo, ufa, saiu. No colégio, uma vez, uma professora disse que eu era uma pedante literária. Sigo honrando o deboche com gosto.   No geral, eu não tenho mais tempo (será que eu arrumaria tempo?). Não tenho mais tempo para escrever minhas misérias aqui, logo eu que sempre priorizei minimamente este espaço nebuloso. Fazer o quê? É da vida. Nem vim fazer mea culpa até porque ninguém se importa, foi mais para dar as caras, tirar o pó do lugar, abrir as janelas. Como vão? Me convidem para tomar um café, só não liguem para o meu celular, não suporto telefone tocando. Mentira, café com esse calor não tem condição, me convidem para ficar em silêncio tomando um vento na cara. Preciso de silêncio, não aguento mais ter que opinar sobre tudo. Não aguento mais qua…

Sobre Ilha das Flores e Ilha das Flores - depois que a sessão acabou

A ideia deste post surgiu de algo bem interessante. Ontem, eu dei uma lida numa entrevista do cineasta Jorge Furtado e decidi dividi-la no perfil que tenho em uma rede social, uma vez que ele fez algumas considerações sobre jornalismo - e isso, independente de quem vier, sempre me faz dar uma parada. Gosto de ver o que estão falando, etc. Na ocasião, o repórter também nos lembrou da passagem de 25 anos daquele que parece ser um dos maiores feitos do porto-alegrense, o curta ''Ilha das Flores'', lançado em 1989 e até hoje considerado um marco em sua carreira.  Arrisco dizer que não haja ninguém que não tenha assistido a tal documentário, especialmente nos anos de ensino médio, mas, vá lá, quem sabe nem todos conheçam. Desde que o vi, fiquei encantada. Encantada, mas não num sentido ''jogo no time do Jorge Furtado Futebol Clube'', e, sim, ''que baita jeito de contar uma história, com deboche e precisão''. Trata-se de um roteiro quase lúdico…

Su deboche es mi deboche

Terminei, há uns dias meses, o último livro da ótima Tati Bernardi, aquela moça que meio mundo ama incluir em suas selfies, muito embora a maioria daquelas frases toscas não sejam de autoria da roteirista - palavras da mesma. Pois Tati, que fez de seu transtorno psicológico matéria-prima para muitas de suas genialidades, me fez rir quase convulsionada com o hilariante - porém não menos denso - Depois a louca sou eu. Eu simplesmente cheguei ao cúmulo de parar a leitura e, entre risos histéricos, repetir para mim mesma:''ela não pode ter escrito issoooooooo''. Pois não é que escreveu? E escreveu muito bem (putaquepariu, um texto bem escrito é a minha Disney!!!). É um tom confessional delicioso e intimista, é quase como se eu quisesse abraçar Tatiane e dizer que também já estive ali - estaremos sempre algumas vezes na vida porque esses dilemas psicológicos são dificílimos de desgrudar. Talvez não desgrudem nunca.
Foi um deleite ver a escritora revelar seus piores dramas …