Pular para o conteúdo principal

Vivendo na heresia

(A crônica a seguir é uma espécie de xodó para mim. Não que seja da conta de vocês, mas foi com ela que ganhei o Prêmio Talento Júnior/Crônica, da semana acadêmica do meu curso, em junho de 2008. Escrita em 24/05 do mesmo ano, sob forte estado de raiva e comoção.)

      
      Um pai e dois filhos caminham por uma rua do Rio de Janeiro e, de repente, quase são atropelados por um automóvel dirigido por um sujeito que atravessou o sinal vermelho. O pai, indignado, esbraveja em defesa sua e dos seus, entretanto, é, covardemente, espancado pelo fulano inconsequente, com uma barra de ferro até agonizar ensanguentado em frente aos filhos - a essa altura, em estado de choque.
      Barbárie, heresia! Como é possível que nem na calmaria de uma saída a passeio em família tenhamos garantia de retorno com vida para casa? Não podemos sequer exigir que os motoristas não passem por cima dos pedestres, pois corremos o risco de parar em um hospital por coisa muito pior. É triste, mas, quando somos tomados por notícias como essas, nos damos conta de que o "emocional" do país está em frangalhos: a sociedade respira medo, afugenta-se em grades e em protestos silenciosos à frente do noticiário, com a certeza de que vive esperando pelo drama. Pelos catastróficos atos cometidos por cidadãos - aparentemente - inofensivos que, ainda que carreguem barras de ferro em seus carros, passam despercebidos em meio às dezenas de criminosos escancarados que julgamos serem mais perigosos. 
       Fernando Gabeira disse, certa vez, que estamos, permanentemente, sob forte emoção, que a normalidade não volta mais, em virtude de os crimes violentos sucederem-se a cada semana. É uma verdade desoladora, mas, realmente, tudo isso tornou-se costumeiro para nós. Nada mais nos abala a ponto de nos fazer tomar partido em prol dos direitos humanos, que - embora não pareça - ainda existem. Em vez disso, preferimos nos esconder e intensificar o uso de dispositivos de segurança. Nada mais. O medo é maior que qualquer vontade de lutar por justiça. 
       Em se tratando da nossa inércia frente a esses fatos horrendos, pouco há a ser feito, embora a indignação clássica seja um bom começo, já que nos ajuda e desconfiar de quem não é bandido, aos olhos de muita gente ingênua. Quanto ao constante pavor a que estamos expostos, à constante falta de civilidade de que somos vítimas, as expectativas são ainda mais inexpressivas, uma vez que qualquer um de nós pode se deparar com um louco por aí, parecido com o da historinha macabra, contada acima.   

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Isis e eu

Dia desses, um cara comentou altas grosserias numa foto minha (um feioso que estava querendo este corpinho, mas isso a Globo não mostra, uééééééé). O fato é que o moço me esculachou - ainda que, outrora, quisesse comer - dizendo para eu não me achar tanto visto que, perto de beldades como Isis Valverde, Fulana Não Sei Das Quantas (alguma boazuda fitness que nunca nem vi e que deve tirar foto olhando pro chão) e outras mulheres que não identifiquei no comentário magoado, eu era feia pra caralho. Eu, Bruna C., 28 anos, feia pra caralho e humilhada em rede social. Lamentei, claro, mas mais por ele não ter sacado o meme que originou a legenda da foto - olha, feiura até relevamos, mas não sacar um meme? Poxa, estamos falando de uma indústria brasileira vital. Mas, vamos lá, se tem algo que eu capto nessa vidinha obscura é a profundidade das coisas. Este feio incapacitado para entender ironias, achando que estava acabando comigo, só aguçou meu senso de observação.  É evidente que nunca che…

Sobre Ilha das Flores e Ilha das Flores - depois que a sessão acabou

A ideia deste post surgiu de algo bem interessante. Ontem, eu dei uma lida numa entrevista do cineasta Jorge Furtado e decidi dividi-la no perfil que tenho em uma rede social, uma vez que ele fez algumas considerações sobre jornalismo - e isso, independente de quem vier, sempre me faz dar uma parada. Gosto de ver o que estão falando, etc. Na ocasião, o repórter também nos lembrou da passagem de 25 anos daquele que parece ser um dos maiores feitos do porto-alegrense, o curta ''Ilha das Flores'', lançado em 1989 e até hoje considerado um marco em sua carreira.  Arrisco dizer que não haja ninguém que não tenha assistido a tal documentário, especialmente nos anos de ensino médio, mas, vá lá, quem sabe nem todos conheçam. Desde que o vi, fiquei encantada. Encantada, mas não num sentido ''jogo no time do Jorge Furtado Futebol Clube'', e, sim, ''que baita jeito de contar uma história, com deboche e precisão''. Trata-se de um roteiro quase lúdico…

Família Felipe Neto

Eu já queria falar sobre isso há um bom tempo, e, enquanto não criar vergonha nessa cara e entrar num mestrado para matar minha curiosidade de por que caralhos as pessoas dão audiência para pessoas tão bizarras e nada a ver, a gente vai ter que escrever sobre isso aqui. Quando eu falo ''a gente'', me refiro a mim e às vozes que habitam minha cabeça, tá, queridos? Youtubers... youtubers... sim, Bruna, está acontecendo e faz tempo. Que desgraça essa gente! Ó, pai, por que me abandonaste? Quanto tempo eu dormi? Estamos vivendo uma era de espetacularização tão idiota, mas tão idiota que me faltam palavras, é sério, eu só consigo sentir - como diria o fatídico meme. Não tem a mínima condição de manter a sanidade mental, querendo estudar, trabalhar, evoluir quando pegar uma câmera, do celular mesmo, sair falando um monte de merda e enriquecer com isso ficou tão fácil. Vamos usar um case bem ridículo aqui? Vamos.  Dia desses, esta comunicóloga que vos fala, fazendo suas comp…