segunda-feira, 15 de julho de 2013

À mercê de lesmas, DIGO, sentimentos

Ser é fácil de engolir, porque não deixa cicatriz nenhuma. O drama é o sentir-se. E no momento em que você sente, cê tá ferrado, mano. Ser ''algo'' é diferente de sentir-se ''algo''. Por exemplo, você pode se olhar no espelho e ver a tragédia de ser uma baranga consumada, e, mesmo assim, seguir feliz da vida. Mas sentir-se uma baranga é que é a verdadeira tortura. E quando esse sentimento feroz de baranguice aguda chega, não há cristo que dê jeito, minha filha - nem se você fizer uma escova e der uma renovada nos trapos que costuma usar. Lutar contra sentimentos é de uma inutilidade sem precedentes, estamos à mercê deles, pouco imunes, quase marionetes. Argh, humanos.
Quando a minha ex-chefe me chamou para uma reunião super profissional numa sala de reuniões super profissional e intimidadora, e me disse que eu era dispersa e devagar, muito embora meu texto fosse espetacular, brilhante e digno de um Jabuti (ok, bem menos), eu caguei pr'o que ela disse. Mas, assim, caguei mesmo, ninguém me roubava o sonho.
Quer dizer, ela ali acabando com a minha autoestima jornalística lindamente, e eu na Disney, só assentindo com a cabeça, pensando no que eu ia jantar dali a meia hora. Ou seja, eu definitivamente era uma lesma, mas, por não me sentir como tal, tudo permanecia lindo. Tudo continuava lindo para o molusco, cujos sonhos seguiam intactos. Até que um belo dia fui agraciada com o maravilhoso sentimento de me sentir, de fato, uma lesma, e aí as coisas ficaram bem ruins. Repito, guys: a droga é sentir. Já que já fui lesma, posso ser um robô agora? Afe.




Auxiliaram no post:

Hands of time - Groove Armada
Breathe - Anna Nalick






2 comentários:

M. disse...

todas somos LEMAS, amiga, não deprime! hahaha

Bruna Daniele Castro disse...

UAHEUAEHUA ai, brigada pelo apoio, amiga!