Pular para o conteúdo principal

Sobre felicidades insuspeitas

Olá, pessoas!

      
       Quem costuma me fazer umas visitinhas anônimas e gentis, deve ter visto que me ausentei nos últimos dias. Não por falta de inspiração, claro - vivo no mundo da lua imaginando causos para brindá-los. Ando é sem tempo, tecnologia e um tantinho de saco. Não sei o que ocorre, meus queridos, talvez o divórcio seja iminente. Ou não também, quem sabe eu tente uma reconciliação... aguardem os próximos capítulos agridoces. Só não mudem de canal tão cedo.
        Por ora, venho falar de uma banalidade. Aquela velha banalidade que vive no escuro, mas carrega aura de felicidade. De repente, algo muda, ligam a luz e TCHARAM, lá se foi ela, a tal banalidade, que sempre foi renegada. Ou que nunca foi percebida, sei lá. No fundo, somos uns baita mal-agradecidos, reclamando de barriga cheia, praguejando o marasmo de cada domingo, quando, na verdade, nada está tão ruim quanto parece. Sabem aqueles momentos em família, de muita risada e alguns sermões? Sabem aqueles dias em que conseguimos pôr o papo em dia com algum amigo querido, ainda que numa conversa casual na rua? Então, somos felizes pacaralho, ali, naqueles segundos preciosos. Percebem? Não se trata de uma felicidade encomendada, como naquelas - conhecidas - vezes, em que vamos à festa dos sonhos, programada há sei lá quantos dias, e, no entanto, voltamos para casa, p. da vida. Putos da vida, por estarmos sóbrios demais, vazios demais. Endividados demais, por conta daquele vestido que... poxa, olhando bem, nem era tão lindo como na vitrine. "Mil vezes raios, ainda quebrei o salto da minha sandália." Muitas vezes, você paga para se lascar e sabe disso.
        Você é feliz? Aposto que é, e nem desconfia. Dia desses, li uma crônica muito bacana da Ana Paula Padrão, em que ela falava sobre a tal felicidade e alguns assuntos relacionados. Na ocasião, a jornalista debatia o fato de o Brasil ser "misteriosamente" batizado com uma efusividade anormal no período de Carnaval, e como todo mundo parece vender disposição e letras de axé na ponta da língua nos dias de folia. Padrão se propôs a colocar essa "alegria louca" em xeque, ao afirmar que o verdadeiro sentido de estar alegre é muito mais discreto - se bobear, até mais duradouro. Eu ando acreditando piamente nessa assertiva: felicidade, para mim, é estado de espírito - não, empolgação barata, daquelas que você grita aos quatro ventos, antes de sair para a sua baladinha sagrada de sexta-feira.
          Felicidade é esse eterno tédio a que estamos acostumados diariamente, é sol com chuva, vento, garoa, mormaço. Felicidade é acordar e botar a cara para fora de casa na esperança de dias melhores, é a abominável rotina. É sentir a respiração ofegante, o músculo dolorido, o coração acelerado, o olho brilhando, a boca seca, o ouvido seduzido pela banda preferida. Felicidade é isso que a gente quer que mude todo santo dia, mas, no fundinho, não querendo que mude uma vírgula.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Isis e eu

Dia desses, um cara comentou altas grosserias numa foto minha (um feioso que estava querendo este corpinho, mas isso a Globo não mostra, uééééééé). O fato é que o moço me esculachou - ainda que, outrora, quisesse comer - dizendo para eu não me achar tanto visto que, perto de beldades como Isis Valverde, Fulana Não Sei Das Quantas (alguma boazuda fitness que nunca nem vi e que deve tirar foto olhando pro chão) e outras mulheres que não identifiquei no comentário magoado, eu era feia pra caralho. Eu, Bruna C., 28 anos, feia pra caralho e humilhada em rede social. Lamentei, claro, mas mais por ele não ter sacado o meme que originou a legenda da foto - olha, feiura até relevamos, mas não sacar um meme? Poxa, estamos falando de uma indústria brasileira vital. Mas, vamos lá, se tem algo que eu capto nessa vidinha obscura é a profundidade das coisas. Este feio incapacitado para entender ironias, achando que estava acabando comigo, só aguçou meu senso de observação.  É evidente que nunca che…

Sobre Ilha das Flores e Ilha das Flores - depois que a sessão acabou

A ideia deste post surgiu de algo bem interessante. Ontem, eu dei uma lida numa entrevista do cineasta Jorge Furtado e decidi dividi-la no perfil que tenho em uma rede social, uma vez que ele fez algumas considerações sobre jornalismo - e isso, independente de quem vier, sempre me faz dar uma parada. Gosto de ver o que estão falando, etc. Na ocasião, o repórter também nos lembrou da passagem de 25 anos daquele que parece ser um dos maiores feitos do porto-alegrense, o curta ''Ilha das Flores'', lançado em 1989 e até hoje considerado um marco em sua carreira.  Arrisco dizer que não haja ninguém que não tenha assistido a tal documentário, especialmente nos anos de ensino médio, mas, vá lá, quem sabe nem todos conheçam. Desde que o vi, fiquei encantada. Encantada, mas não num sentido ''jogo no time do Jorge Furtado Futebol Clube'', e, sim, ''que baita jeito de contar uma história, com deboche e precisão''. Trata-se de um roteiro quase lúdico…

Família Felipe Neto

Eu já queria falar sobre isso há um bom tempo, e, enquanto não criar vergonha nessa cara e entrar num mestrado para matar minha curiosidade de por que caralhos as pessoas dão audiência para pessoas tão bizarras e nada a ver, a gente vai ter que escrever sobre isso aqui. Quando eu falo ''a gente'', me refiro a mim e às vozes que habitam minha cabeça, tá, queridos? Youtubers... youtubers... sim, Bruna, está acontecendo e faz tempo. Que desgraça essa gente! Ó, pai, por que me abandonaste? Quanto tempo eu dormi? Estamos vivendo uma era de espetacularização tão idiota, mas tão idiota que me faltam palavras, é sério, eu só consigo sentir - como diria o fatídico meme. Não tem a mínima condição de manter a sanidade mental, querendo estudar, trabalhar, evoluir quando pegar uma câmera, do celular mesmo, sair falando um monte de merda e enriquecer com isso ficou tão fácil. Vamos usar um case bem ridículo aqui? Vamos.  Dia desses, esta comunicóloga que vos fala, fazendo suas comp…