Pular para o conteúdo principal

Sobre fotos na balada e ''quaisquer coisas''

Bom, com a expressiva marca de 01 comentário - eu disse um único comentário - na última postagem, vejo que meu poder de persuasão é praticamente nulo. Óbvio, eu pensei em implorar, sabe, tipo assim: ''comenteeeeeeeeem, pelamordedeus, se forem fãs de Friends, pra gente trocar figurinhas, vai ser mó legal'', mas, enfim, só a fofa da Cris atendeu meu pedido. Não sei se vocês não são entusiastas da finada série. Ou não quiseram me dar moral mesmo. Enquanto eu sigo com a dúvida, vamos falar de outras coisas.
Como por exemplo, por que as meninas, hoje em dia, têm se curvado para tirar fotos nas suas baladinhas? Quer dizer, há uma febre geral de lordose crônica se manifestando, e eu não tô sabendo? Gostaria de entender, pois, assim como elas, também vou a festas e tiro fotos, mas nem por isso sinto necessidade de empinar meu pouco sinuoso derrière, quando algum feliz grita ''sorria!''. Bom, talvez seja pelo fato de ele ser pouco sinuoso - e aí é só ciúme galopante por não possuir um traseiro autenticamente brasileiro. Enfim, vamos investigar o porquê de tal fenômeno, tô curiosa.

Também queria falar do mal de 12 de junho. Mentira, não é mal, é uma graça ver casais fofos declarando amor mútuo e eterno em um dia especialmente pensado para isso. É um amor. Um amor em 5x sem juros no cartão. Mas não consigo ficar indiferente a um certo espírito de hipocrisia que paira sobre a data - e sobre tantas outras. Outro dia mesmo, escutei uma conhecida - uma vez que a criatura é só conhecida, tô liberada pra falar, ok - bradar que ''já tinha que ir pesquisando presente, porque não podia dar qualquer coisa pro seu excelentíssimo'' - excelentíssimo este, que, dado o seu tom de voz, julguei ser uma espécie de executivo da Bolsa, sei lá. Como presentear um lord que anda num conversível com qualquer coisa, né, galera? Não dá. Eu fiquei matutando, evidente. Seria o amor do casal passível de suportar um presente escolhido ao léu? Estariam eles juntos somente para se presentearem com presentes que não são quaisquer coisas? O que vem a ser qualquer coisa em um relacionamento em que, supostamente, a paixão deve ser item primordial para dar certo? Se tal qualquer coisa não tiver um preço elevado, não será digna do seu príncipe moderno? Eu perguntei tudo isso pra ela. Em pensamento, mas perguntei. Em meio a tantas dúvidas, certamente alguém vai lucrar quando a donzela resolver ir às compras para provar seu amor. Mas será que todos sairão ganhando?







Comentários

Cris Otto disse…
*---*
O povo é tímido na hora de comentar! Huahsuhasu

Acabei de lembrar que já ganhei uma vela de dia dos namorados. UHASUHAUSHUAS
Eu sou a favor do "não pode ser qualquer coisa", mas naquele sentido de que tem que ter a ver contigo, meu presente preferido, até hoje, foi uma playlist, mega elaborada, que me emociona até hoje, não me importo com valor financeiro. :)
May disse…
Pessoas babacas, em vez de agradecerem por ter alguém (enquanto outas nem um peguety tem) ficam se preocupando com presentes! kkk Uma bela trepada já é um presente e tanto!
Davi Pereira disse…
Agora, Agridoce, a pergunta que não quer calar: Tá solteira, guria? hehehehe

Postagens mais visitadas deste blog

Isis e eu

Dia desses, um cara comentou altas grosserias numa foto minha (um feioso que estava querendo este corpinho, mas isso a Globo não mostra, uééééééé). O fato é que o moço me esculachou - ainda que, outrora, quisesse comer - dizendo para eu não me achar tanto visto que, perto de beldades como Isis Valverde, Fulana Não Sei Das Quantas (alguma boazuda fitness que nunca nem vi e que deve tirar foto olhando pro chão) e outras mulheres que não identifiquei no comentário magoado, eu era feia pra caralho. Eu, Bruna C., 28 anos, feia pra caralho e humilhada em rede social. Lamentei, claro, mas mais por ele não ter sacado o meme que originou a legenda da foto - olha, feiura até relevamos, mas não sacar um meme? Poxa, estamos falando de uma indústria brasileira vital. Mas, vamos lá, se tem algo que eu capto nessa vidinha obscura é a profundidade das coisas. Este feio incapacitado para entender ironias, achando que estava acabando comigo, só aguçou meu senso de observação.  É evidente que nunca che…

Sobre Ilha das Flores e Ilha das Flores - depois que a sessão acabou

A ideia deste post surgiu de algo bem interessante. Ontem, eu dei uma lida numa entrevista do cineasta Jorge Furtado e decidi dividi-la no perfil que tenho em uma rede social, uma vez que ele fez algumas considerações sobre jornalismo - e isso, independente de quem vier, sempre me faz dar uma parada. Gosto de ver o que estão falando, etc. Na ocasião, o repórter também nos lembrou da passagem de 25 anos daquele que parece ser um dos maiores feitos do porto-alegrense, o curta ''Ilha das Flores'', lançado em 1989 e até hoje considerado um marco em sua carreira.  Arrisco dizer que não haja ninguém que não tenha assistido a tal documentário, especialmente nos anos de ensino médio, mas, vá lá, quem sabe nem todos conheçam. Desde que o vi, fiquei encantada. Encantada, mas não num sentido ''jogo no time do Jorge Furtado Futebol Clube'', e, sim, ''que baita jeito de contar uma história, com deboche e precisão''. Trata-se de um roteiro quase lúdico…

Família Felipe Neto

Eu já queria falar sobre isso há um bom tempo, e, enquanto não criar vergonha nessa cara e entrar num mestrado para matar minha curiosidade de por que caralhos as pessoas dão audiência para pessoas tão bizarras e nada a ver, a gente vai ter que escrever sobre isso aqui. Quando eu falo ''a gente'', me refiro a mim e às vozes que habitam minha cabeça, tá, queridos? Youtubers... youtubers... sim, Bruna, está acontecendo e faz tempo. Que desgraça essa gente! Ó, pai, por que me abandonaste? Quanto tempo eu dormi? Estamos vivendo uma era de espetacularização tão idiota, mas tão idiota que me faltam palavras, é sério, eu só consigo sentir - como diria o fatídico meme. Não tem a mínima condição de manter a sanidade mental, querendo estudar, trabalhar, evoluir quando pegar uma câmera, do celular mesmo, sair falando um monte de merda e enriquecer com isso ficou tão fácil. Vamos usar um case bem ridículo aqui? Vamos.  Dia desses, esta comunicóloga que vos fala, fazendo suas comp…