Pular para o conteúdo principal

Eu não li nada sobre aquele negócio lá na Síria

Vocês querem conhecer a história do Vítor e da Lorena, eu sei. Eu também quero contar, mas vou fazer isso em doses bem homeopáticas. Ou vocês morrem de tédio com a falta de continuidade da trama ou ardem de curiosidade, vou correr o risco. Porém, na postagem de hoje, não tem nenhum dos dois. Na verdade, eu ando meio sei lá com essa vida, sabem? E vim despejar coisas.


Nem sei onde li, mas sei que li por aí que nós, consumidores e receptores, andamos produzindo um absurdo de conteúdo inútil na internet - inclua, por obséquio, meu bloguinho na jogada. Aonde vai o monte de abobrinha que a gente escreve, pessoas? Já pararam pra pensar a respeito? É muito fácil interagir hoje em dia, né? A gente fica se sentindo assim meio superespecial, apto a falar de qualquer coisa, a produzir conteúdo. Conteúdo a um click de ser gerado, é a era da instantaneidade (fiquei meia hora raciocinando pra escrever instantani? cuma mesmo?). Ninguém escreve cartas pro Domingo Legal mais. A gente senta o pau no Twitter, oras! Trata-se de uma época excitante de informação e opinião e críticas e tudo isso vindo de tudo que é lado e das mais bestializantes plataformas e... e... e nós digerindo, e regurgitando isso em forma de conteúdo, em forma de palavras, em forma de sentidos, em forma de impressões acerca dessa porcaria de mundo onde somos obrigados a viver. Só que a gente se lambuza nesse pote de fel da informação. E parece querer cada vez mais mostrar que está, sim, por dentro. Que leu, sim, sobre o aquecimento global. Que escutou, sim, o último cd do Vítor Ramil. Que decorou, sim, o setlist do show do Bon Jovi no Rock in Rio pra comentar sua performance. Que tem acompanhado, sim, o julgamento dos mensaleiros, ora bolas, tá me achando com cara de ignorante e mal informada???? Pra que calar a boca, se eu posso opinar? Pra que segurar meus dedinhos ávidos por reconhecimento cibercultural, se eu posso compartilhar um status mega profundo e inteligente sobre, sei lá, o quanto a Veja é nojenta e tendenciosa? Eu preciso dos louros da vitória, você também precisa. Estudos senegaleses apontam que, quanto mais curtidas e retweets eu tenho, mais guloso eu vou ficando.
Olha, não há nada de errado em ser bem informado, interessante, discorrer sobre variados assuntos, enfim, ter opinião. Nada mesmo, eu a m o pessoas assim, cês também devem ter paixão. Todavia, é aí que talvez resida nosso dilema, caríssimos: vivemos uma era em que falar sobre tudo é requisito indispensável pra entrar no tal mundo feliz, no mundo das ideias onde todos racionalizam e não sofrem. A impressão que dá é que perdemos o trunfo do ''desconhecer'', como se ninguém fosse nos levar a sério se disséssemos que, poxa, não lemos a última edição da Carta Capital. Ninguém mais pode se dar o luxo de simplesmente não saber. Não saber, mas que delícia. Não, eu não sei. Não, eu não quero opinar sobre isso. Não, eu não tenho opinião formada a respeito. Não sei. N Ã O S E I. Não saber? Você está proibido de não saber, filhinho. Penso ser essa loucura atrás de constatações sagazes e sábias, no fundo, fruto da nossa própria insegurança, porque, né? Convenhamos, todos querem ser charmosos e conquistar a geral pelo intelecto, pelo que têm a dizer. Todos querem ser pensantes, e eu também quero, me apavora a ideia de viver à margem desse banquete farto do conhecimento. Só que, né? Isso é ilusão, já que eu não li nada sobre aquele negócio lá na Síria. Me perdoa, mundo, por favor.


Auxiliaram no post:

Blue skies - Jamiroquai
Shine - Laura Izibor









Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Isis e eu

Dia desses, um cara comentou altas grosserias numa foto minha (um feioso que estava querendo este corpinho, mas isso a Globo não mostra, uééééééé). O fato é que o moço me esculachou - ainda que, outrora, quisesse comer - dizendo para eu não me achar tanto visto que, perto de beldades como Isis Valverde, Fulana Não Sei Das Quantas (alguma boazuda fitness que nunca nem vi e que deve tirar foto olhando pro chão) e outras mulheres que não identifiquei no comentário magoado, eu era feia pra caralho. Eu, Bruna C., 28 anos, feia pra caralho e humilhada em rede social. Lamentei, claro, mas mais por ele não ter sacado o meme que originou a legenda da foto - olha, feiura até relevamos, mas não sacar um meme? Poxa, estamos falando de uma indústria brasileira vital. Mas, vamos lá, se tem algo que eu capto nessa vidinha obscura é a profundidade das coisas. Este feio incapacitado para entender ironias, achando que estava acabando comigo, só aguçou meu senso de observação.  É evidente que nunca che…

Sobre Ilha das Flores e Ilha das Flores - depois que a sessão acabou

A ideia deste post surgiu de algo bem interessante. Ontem, eu dei uma lida numa entrevista do cineasta Jorge Furtado e decidi dividi-la no perfil que tenho em uma rede social, uma vez que ele fez algumas considerações sobre jornalismo - e isso, independente de quem vier, sempre me faz dar uma parada. Gosto de ver o que estão falando, etc. Na ocasião, o repórter também nos lembrou da passagem de 25 anos daquele que parece ser um dos maiores feitos do porto-alegrense, o curta ''Ilha das Flores'', lançado em 1989 e até hoje considerado um marco em sua carreira.  Arrisco dizer que não haja ninguém que não tenha assistido a tal documentário, especialmente nos anos de ensino médio, mas, vá lá, quem sabe nem todos conheçam. Desde que o vi, fiquei encantada. Encantada, mas não num sentido ''jogo no time do Jorge Furtado Futebol Clube'', e, sim, ''que baita jeito de contar uma história, com deboche e precisão''. Trata-se de um roteiro quase lúdico…

Família Felipe Neto

Eu já queria falar sobre isso há um bom tempo, e, enquanto não criar vergonha nessa cara e entrar num mestrado para matar minha curiosidade de por que caralhos as pessoas dão audiência para pessoas tão bizarras e nada a ver, a gente vai ter que escrever sobre isso aqui. Quando eu falo ''a gente'', me refiro a mim e às vozes que habitam minha cabeça, tá, queridos? Youtubers... youtubers... sim, Bruna, está acontecendo e faz tempo. Que desgraça essa gente! Ó, pai, por que me abandonaste? Quanto tempo eu dormi? Estamos vivendo uma era de espetacularização tão idiota, mas tão idiota que me faltam palavras, é sério, eu só consigo sentir - como diria o fatídico meme. Não tem a mínima condição de manter a sanidade mental, querendo estudar, trabalhar, evoluir quando pegar uma câmera, do celular mesmo, sair falando um monte de merda e enriquecer com isso ficou tão fácil. Vamos usar um case bem ridículo aqui? Vamos.  Dia desses, esta comunicóloga que vos fala, fazendo suas comp…