Pular para o conteúdo principal

Para minha cria predileta

Eu tenho um amor da vida e o nome dele é Leonardo. É o meu caçula, o meu bebê, o meu melhor amigo, a minha metade, o meu melhor e o meu pior. Eu sou apaixonada pelo meu irmão, trata-se de um platonismo alimentado diariamente. Eu amo a risada gostosa dele, eu amo seu talento tímido pro piadismo, eu definitivamente sou mais feliz quando rio com ele. E disso nós dois entendemos: quando estivermos muito sérios, desconfie.
Mamãe diz que fui eu que o batizei, porque eu era uma entusiasta da já encerrada dupla, brejeira e graciosa, Leandro & Leonardo. Então, quando ela perguntava como eu queria que meu caçulinha fosse nominado, eu devia soltar algo como um Linardo ou Nunado, porque o fato é que quando a criaturinha chegou, lá nos idos de agosto de 1992, o nome já estava certo. E aí fomos apresentados. O danado quase nasceu no meu aniversário de 3 aninhos, percebam como é uma ligação curiosa e indissolúvel. Naquele ano, eu não tive festinha nem parabéns em volta de uma mesa decorada, todavia ganhei o melhor presente da vida, do mundo, de tudo. E aí, seguimos nos reconhecendo um no outro, crescendo juntos, nos estapeando vez que outra – porque o amor tem dessas coisas, claro – até chegarmos à fase adulta – isso de que, francamente, nenhum de nós é muito fã: a gente insiste nessa roubada de deixar uma certa criança arisca viva, espero que isso nunca morra.
A gente se xinga demais, a gente se ama e se odeia na mesma fração de segundo, mas a gente é de coração. Sangue é uma coisa muito feroz mesmo. Tanto, que, quando a minha cria sangra, eu sangro junto, não tem jeito. A gente já se fez sangrar também, acontece, mas estamos cientes de que cicatrizar as coisas também é aprendizado de uma vida inteira. E é possível que estejamos indo bem no processo, viu.  
Eu sou sanguínea, o Léo, cerebral. Eu sou imediatista, o Léo, estratégico. Eu sou efusiva, o Léo, reservado. Eu sou teatral, o Léo também, mas se controla. Nós dois somos orgulhosos. Nós dois amamos a vida, mas eu mostro de um jeito bem ridículo – já o Léo é elegante, tenho certa inveja disso. Eu ensinei Português pro Léo. O Léo me ensinou a não usá-lo muito em momentos de raiva. Eu amo sacaneá-lo na frente de parentes, porque ele fica com uma carinha linda de quem não sabe onde se enfiar de tanta vergonha. Ele, em contrapartida, ama me mandar calar a boca, porque quase nunca aguenta meus monólogos e minhas tentativas de tentar debater a estratégia daquela propaganda tal de carro. Eu sou das sociais, das humanas, o Léo, das exatas. Já o nosso amor é bem exato e humano, passa fácil por cima dessas diferenças acadêmicas.   

- Gostou dessa música, Léo? Catei numa trilha de filme.
- Não, parece de velório. Não sei como tu escuta isso.
- Ah vai se catar!

- Bah, mas tu escutando Caetano? Tinha que tá caindo um dilúvio mesmo.
- Ha ha como tu é engraçadona.

Provocações de amor me interessam, me interessam. Irmãos sempre serão crianças, e Seu Leonardo sempre será a minha. 
 



Auxiliou no post:
(Just like) Starting Over – John Lennon 












Comentários

Anônimo disse…
Como lidas bem com as palavras! Parabéns e Sucesso!
Poxa, obrigada pelas palavras, caro anônimo! :)

Postagens mais visitadas deste blog

Sumiços, porre de vinho, Julia Roberts

Sumi, né? Eu sei. Mas não foi por falta de ideia. Na verdade, seguidamente os ''preciso escrever sobre isso porque tá me sufocando'' vêm me visitar em uníssono. Saudade de usar ''uníssono'' em um texto de novo, ufa, saiu. No colégio, uma vez, uma professora disse que eu era uma pedante literária. Sigo honrando o deboche com gosto.   No geral, eu não tenho mais tempo (será que eu arrumaria tempo?). Não tenho mais tempo para escrever minhas misérias aqui, logo eu que sempre priorizei minimamente este espaço nebuloso. Fazer o quê? É da vida. Nem vim fazer mea culpa até porque ninguém se importa, foi mais para dar as caras, tirar o pó do lugar, abrir as janelas. Como vão? Me convidem para tomar um café, só não liguem para o meu celular, não suporto telefone tocando. Mentira, café com esse calor não tem condição, me convidem para ficar em silêncio tomando um vento na cara. Preciso de silêncio, não aguento mais ter que opinar sobre tudo. Não aguento mais qua…

Sobre Ilha das Flores e Ilha das Flores - depois que a sessão acabou

A ideia deste post surgiu de algo bem interessante. Ontem, eu dei uma lida numa entrevista do cineasta Jorge Furtado e decidi dividi-la no perfil que tenho em uma rede social, uma vez que ele fez algumas considerações sobre jornalismo - e isso, independente de quem vier, sempre me faz dar uma parada. Gosto de ver o que estão falando, etc. Na ocasião, o repórter também nos lembrou da passagem de 25 anos daquele que parece ser um dos maiores feitos do porto-alegrense, o curta ''Ilha das Flores'', lançado em 1989 e até hoje considerado um marco em sua carreira.  Arrisco dizer que não haja ninguém que não tenha assistido a tal documentário, especialmente nos anos de ensino médio, mas, vá lá, quem sabe nem todos conheçam. Desde que o vi, fiquei encantada. Encantada, mas não num sentido ''jogo no time do Jorge Furtado Futebol Clube'', e, sim, ''que baita jeito de contar uma história, com deboche e precisão''. Trata-se de um roteiro quase lúdico…

Su deboche es mi deboche

Terminei, há uns dias meses, o último livro da ótima Tati Bernardi, aquela moça que meio mundo ama incluir em suas selfies, muito embora a maioria daquelas frases toscas não sejam de autoria da roteirista - palavras da mesma. Pois Tati, que fez de seu transtorno psicológico matéria-prima para muitas de suas genialidades, me fez rir quase convulsionada com o hilariante - porém não menos denso - Depois a louca sou eu. Eu simplesmente cheguei ao cúmulo de parar a leitura e, entre risos histéricos, repetir para mim mesma:''ela não pode ter escrito issoooooooo''. Pois não é que escreveu? E escreveu muito bem (putaquepariu, um texto bem escrito é a minha Disney!!!). É um tom confessional delicioso e intimista, é quase como se eu quisesse abraçar Tatiane e dizer que também já estive ali - estaremos sempre algumas vezes na vida porque esses dilemas psicológicos são dificílimos de desgrudar. Talvez não desgrudem nunca.
Foi um deleite ver a escritora revelar seus piores dramas …