Pular para o conteúdo principal

Sem admirar, não rola

Vocês já devem ter passado pela situação, óbvio. Se perguntarem o que viram em determinada pessoa e por que, hoje em dia, parece improvável terem nutrido algum sentimento por ela. Seria hipocrisia dizer que eu não me arrependo de ter dispensado atenção a certos caras por aí, mas tenho amadurecido quanto a alguns estigmas amorosos conhecidos. Tipo, renegar alguém que já me deixou com borboletinhas no estômago. Não dá, cara, é babaquice. Ok, a borboleta, digo, a pessoa teve sua importância. Fim.
Porém, agora vamos esculhambar com o bom-mocismo do parágrafo acima: simplesmente tenho vontade de vomitar quando lembro que já me interessei por uns figuras aí... quer dizer, o vergonhômetro alheio nem existe mais para contar a história, já explodiu há eras. Bem escroto admitir isso, sabemos, mas rolam uns arrependimentos escabrosos, no puedo evitar. Dia desses, estava eu de bobeira neste antro de perdição conhecido como internets, quando acabei topando com a página de um menino que deveras já incendiou meu discernimento. Foi curioso - para não dizer bizarro. Instintivamente, comecei a ler alguns de seus compartilhamentos - aquele julgamento raso básico a que estamos habituados nesta era facebookiana moderna - e, olha, foi difícil não sentir nojinho em relação a um específico. Que criatura é essa? Que merda, hein? Que babaca! EEEEEEEEEW.... - nada muito argumentado, como é perceptível. Aliás, pouco deste texto está razoavelmente fundamentado, a verdade é que eu só queria desabafar mesmo acerca de como certos posicionamentos podem trucidar com a admiração que temos por outrem. E, sabe, sem admiração pouca coisa dura. Sem admiração não há tesão que vá longe. Sem admirar, não rola.
Algum replicador maroto aí na sala talvez me diga que eu não posso julgar por uma página. Claro que não numa totalidade, meu chapa, mas você há de convir comigo que muito do que reproduzimos nas redes carrega nossa essência, o âmago dos fatos, vide Samuel Rosa. Logo, o meu vômito - ainda que figurado - segue soberano e indiscutível.
Você, leitor sagaz, certamente já se ligou que determinada postagem que me enervou é de cunho político. Sabe, nós, aqui do site, estamos longe de ser extremistas em relação ao assunto, mas também não perdemos tempo discutindo sobre certas cicatrizes sociais. Não voltamos atrás e cabô - excetuando-se, claro, alguma situação em que um extraordinário argumento seja desenrolado. Mas não, não era o caso. Não sei se me sinto envergonhada com o fato de me confessar intransigente, ou orgulhosa por me apegar a um princípio que nada contra a correnteza. Só sei que é sempre um embrulho gratuito no estômago perceber naquele lapso de segundo que o fulano em questão não pensa como você... tipo, é uma pena, dê uma outra volta no quarteirão, pois a gratuidade não se instalou aqui, minha cara. Aham, é um idealismo bem fodido, amiguinhos, mas isso, para mim, é o começo do fim. Pior ainda é quando a criatura finge que partilha da sua opinião, única e exclusivamente para fomentar uma situação, cês sabem qual. Aí é de chorar no cantinho. Bom mesmo é quando uma palavra cola na outra sem querer, no meio duma conversa aleatória numa fila de festa, e tudo faz sentido, ainda que só naquele minuto. Ou quando um jeito de olhar para a vida simplesmente faz eco no jeito do outro olhar a vida, e um silêncio de aprovação faz mais barulho que tudo. É idealismo fodido, mas também pode ser magia acontecendo. E, às vezes, não é que acontece?


Auxiliou no post:

Explorers - Muse






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sumiços, porre de vinho, Julia Roberts

Sumi, né? Eu sei. Mas não foi por falta de ideia. Na verdade, seguidamente os ''preciso escrever sobre isso porque tá me sufocando'' vêm me visitar em uníssono. Saudade de usar ''uníssono'' em um texto de novo, ufa, saiu. No colégio, uma vez, uma professora disse que eu era uma pedante literária. Sigo honrando o deboche com gosto.   No geral, eu não tenho mais tempo (será que eu arrumaria tempo?). Não tenho mais tempo para escrever minhas misérias aqui, logo eu que sempre priorizei minimamente este espaço nebuloso. Fazer o quê? É da vida. Nem vim fazer mea culpa até porque ninguém se importa, foi mais para dar as caras, tirar o pó do lugar, abrir as janelas. Como vão? Me convidem para tomar um café, só não liguem para o meu celular, não suporto telefone tocando. Mentira, café com esse calor não tem condição, me convidem para ficar em silêncio tomando um vento na cara. Preciso de silêncio, não aguento mais ter que opinar sobre tudo. Não aguento mais qua…

Sobre Ilha das Flores e Ilha das Flores - depois que a sessão acabou

A ideia deste post surgiu de algo bem interessante. Ontem, eu dei uma lida numa entrevista do cineasta Jorge Furtado e decidi dividi-la no perfil que tenho em uma rede social, uma vez que ele fez algumas considerações sobre jornalismo - e isso, independente de quem vier, sempre me faz dar uma parada. Gosto de ver o que estão falando, etc. Na ocasião, o repórter também nos lembrou da passagem de 25 anos daquele que parece ser um dos maiores feitos do porto-alegrense, o curta ''Ilha das Flores'', lançado em 1989 e até hoje considerado um marco em sua carreira.  Arrisco dizer que não haja ninguém que não tenha assistido a tal documentário, especialmente nos anos de ensino médio, mas, vá lá, quem sabe nem todos conheçam. Desde que o vi, fiquei encantada. Encantada, mas não num sentido ''jogo no time do Jorge Furtado Futebol Clube'', e, sim, ''que baita jeito de contar uma história, com deboche e precisão''. Trata-se de um roteiro quase lúdico…

Su deboche es mi deboche

Terminei, há uns dias meses, o último livro da ótima Tati Bernardi, aquela moça que meio mundo ama incluir em suas selfies, muito embora a maioria daquelas frases toscas não sejam de autoria da roteirista - palavras da mesma. Pois Tati, que fez de seu transtorno psicológico matéria-prima para muitas de suas genialidades, me fez rir quase convulsionada com o hilariante - porém não menos denso - Depois a louca sou eu. Eu simplesmente cheguei ao cúmulo de parar a leitura e, entre risos histéricos, repetir para mim mesma:''ela não pode ter escrito issoooooooo''. Pois não é que escreveu? E escreveu muito bem (putaquepariu, um texto bem escrito é a minha Disney!!!). É um tom confessional delicioso e intimista, é quase como se eu quisesse abraçar Tatiane e dizer que também já estive ali - estaremos sempre algumas vezes na vida porque esses dilemas psicológicos são dificílimos de desgrudar. Talvez não desgrudem nunca.
Foi um deleite ver a escritora revelar seus piores dramas …