Pular para o conteúdo principal

Sobre o caso do menino triste de Três Passos - e por que às vezes odeio a agenda-setting

Não tenho dúvidas de que o jornalismo diário embrutece. Aliás, é com pesar que escrevo isso, porque, como o Saramago escreveu, tenho um coração de carne e ele sangra diariamente com a natureza do ofício que escolhi seguir. Talvez eu não tenha sangue para lidar com a coisa, é uma hipótese (com que idade mesmo a gente para de se questionar sobre o que acha que sabe fazer?). E é uma paulada atrás da outra - muitas vezes, ao contrário do que os leigos pensam, realmente não sabemos lidar. Sofremos por ter que mexer em feridas expostas, na carne alheia cheia de fissuras - as psicológicas sempre doem mais.
O tal embrutecimento leva à naturalização dos fatos. A gente até se indigna, mas percebe que possivelmente vá ler mais vezes sobre absurdos - e eles não param de acontecer. Verbo maldito: acontecer. Absurdos como o assassinato cruel do menino Bernardo Uglione Boldrini. Sinceramente, não me entra na cabeça - na mais correta acepção da expressão - que um pai planeje meticulosamente a morte de seu filho. Que vá a alguma festa, beba com amigos, um dia após o ocorrido, e volte para casa, a fim de repousar candidamente em seu travesseiro, enquanto o corpo da criança, agora, encontra-se jogado em alguma vala de uma BR qualquer. Está além da minha compreensão. E, olha, dá um desespero desgraçado de viver num mundo assim. Não é possível, minha gente, que pesadelo esta história... desculpe, Ernesto, mas endurecer sem perder la ternura, tá difícil, viu?
O caso, cujo desfecho se deu na última segunda, 14, assemelha-se ao da menina Isabella Nardoni, em março de 2008, e que foi exaustivamente midiatizado na época. Me lembro de estar no comecinho da faculdade e de ser apresentada a uma tal agenda-setting - ou, em português brasileiro, ''Teoria do Agendamento'' - cujos preceitos acabaram servindo para eu entender a vasta produção noticiosa acerca do infeliz ocorrido. O de agora caminha para isso. Tem-se o espetáculo preferido de programas tidos por ''essencialmente jornalísticos'', como Cidade Alerta e Brasil Urgente, apresentados, respectivamente, pelos caçadores de carnificina Marcelo Rezende e José Luiz Datena. Não raro, Sônia Abrão, com seu senso fúnebre aguçado, também aparece na jogada e promove debates acalorados sobre determinado tema em seu programa diário. Percebam, tais programas até têm seu respaldo baseado no dever de informar o público, mas eles pecam pelo exagero. Eles ignoram o limite do tolerável em se tratando de relevância e da própria ética jornalística (sei que anda em desuso, mas existe, hein). E a audiência, abalada em seu sofá, acaba sendo tragada para este mundo íntimo e pessoal da vítima, o que aumenta a dramaticidade do todo. A riqueza de detalhes é preponderante na criação do ''mártir''. Na consolidação do folhetim policial.
O agendamento é poderoso no que tange, inclusive, à seleção do que iremos discutir socialmente com colegas, pais, amigos, grupos de pessoas das mais diferentes procedências em variados espaços públicos, etc, uma vez que os assuntos veiculados na imprensa ''agendam'' nossas conversas. Ou seja, a mídia nos diz sobre o que falar, pautando grande parte de nossas relações. Enfim, para o bem ou para o mal, vocês ainda verão e ouvirão falar muito mais sobre o menino triste de Três Passos. 


    






Comentários

Bruna Castro disse…
Obrigada, Gugu! Abraço

Postagens mais visitadas deste blog

Isis e eu

Dia desses, um cara comentou altas grosserias numa foto minha (um feioso que estava querendo este corpinho, mas isso a Globo não mostra, uééééééé). O fato é que o moço me esculachou - ainda que, outrora, quisesse comer - dizendo para eu não me achar tanto visto que, perto de beldades como Isis Valverde, Fulana Não Sei Das Quantas (alguma boazuda fitness que nunca nem vi e que deve tirar foto olhando pro chão) e outras mulheres que não identifiquei no comentário magoado, eu era feia pra caralho. Eu, Bruna C., 28 anos, feia pra caralho e humilhada em rede social. Lamentei, claro, mas mais por ele não ter sacado o meme que originou a legenda da foto - olha, feiura até relevamos, mas não sacar um meme? Poxa, estamos falando de uma indústria brasileira vital. Mas, vamos lá, se tem algo que eu capto nessa vidinha obscura é a profundidade das coisas. Este feio incapacitado para entender ironias, achando que estava acabando comigo, só aguçou meu senso de observação.  É evidente que nunca che…

Sobre Ilha das Flores e Ilha das Flores - depois que a sessão acabou

A ideia deste post surgiu de algo bem interessante. Ontem, eu dei uma lida numa entrevista do cineasta Jorge Furtado e decidi dividi-la no perfil que tenho em uma rede social, uma vez que ele fez algumas considerações sobre jornalismo - e isso, independente de quem vier, sempre me faz dar uma parada. Gosto de ver o que estão falando, etc. Na ocasião, o repórter também nos lembrou da passagem de 25 anos daquele que parece ser um dos maiores feitos do porto-alegrense, o curta ''Ilha das Flores'', lançado em 1989 e até hoje considerado um marco em sua carreira.  Arrisco dizer que não haja ninguém que não tenha assistido a tal documentário, especialmente nos anos de ensino médio, mas, vá lá, quem sabe nem todos conheçam. Desde que o vi, fiquei encantada. Encantada, mas não num sentido ''jogo no time do Jorge Furtado Futebol Clube'', e, sim, ''que baita jeito de contar uma história, com deboche e precisão''. Trata-se de um roteiro quase lúdico…

Família Felipe Neto

Eu já queria falar sobre isso há um bom tempo, e, enquanto não criar vergonha nessa cara e entrar num mestrado para matar minha curiosidade de por que caralhos as pessoas dão audiência para pessoas tão bizarras e nada a ver, a gente vai ter que escrever sobre isso aqui. Quando eu falo ''a gente'', me refiro a mim e às vozes que habitam minha cabeça, tá, queridos? Youtubers... youtubers... sim, Bruna, está acontecendo e faz tempo. Que desgraça essa gente! Ó, pai, por que me abandonaste? Quanto tempo eu dormi? Estamos vivendo uma era de espetacularização tão idiota, mas tão idiota que me faltam palavras, é sério, eu só consigo sentir - como diria o fatídico meme. Não tem a mínima condição de manter a sanidade mental, querendo estudar, trabalhar, evoluir quando pegar uma câmera, do celular mesmo, sair falando um monte de merda e enriquecer com isso ficou tão fácil. Vamos usar um case bem ridículo aqui? Vamos.  Dia desses, esta comunicóloga que vos fala, fazendo suas comp…