Pular para o conteúdo principal

Duas pedrinhas de gelo derretendo no copo

Eu nunca tinha assistido ao filme ''500 Dias Com Ela'', uma vez que não simpatizava com o casal protagonista. Mas o destino, ele age. E, um dia desses, acabei vendo tudinho. Sabe, em meio àquelas sinopses hollywoodianas previsíveis para entreter casais, eu diria que o argumento do filme se sobressai à conhecida cantilena do ''nos batemos na rua, enrolamos mil dias, mas finalmente nos beijamos e ficamos juntos, pois os créditos já teimavam em subir''. Diria também que seguirá originalíssimo por alguns tempos, única e exclusivamente porque fala a verdade. Cretina verdade (essa mania de pensar como uma socióloga da Sorbonne tá me aniquilando aos poucos, mas penso estar tarde para reverter o processo).
Só o fato de a história terminar mal para nosso protagonista, já é um indicativo de que ela vale mais a pena que uma, sei lá, daquelas clássicas com a Sandra Bullock. Nada contra Sandrinha, em absoluto, mas é que a gente vai cansando de comédias românticas, néam, quando se dá conta de que elas não ganham uma sobrevida na vida real. Eu diria mais: quanto pior acabar o filme, melhor ele será. O amor não é hollywoodiano, queridos, ele é um filme francês. E a trilha é ruim.
O texto pode até soar meio dramático, mas que nada. Eu já fui Tom Hansen, assim como já fui Summer Finn. E essa reciprocidade imediata assim que os olhos se cruzarem não vai acontecer sempre - na verdade, ela não acontecerá nunca, porque a felicidade - nem que seja efêmera - não é gratuita. Claro que vão rolar bons momentos, mas a sensação que vai ficar quando a gente pensar neles, vai ser tipo ''putz, mas eu batalhei demais por isso, hein?''.Os olhos cheios de vivência e olheiras darão o tom no espelho.
O fato é que relacionamentos têm tudo para dar errado - e eles dão. São duas expectativas, dois modos de enxergar a vida, dois róis de expressões sarcásticas, duas dezenas de amigos, dois estilos musicais, dois medos de perder - ou de ganhar - duas bagagens culturais. Duas pedrinhas de gelo derretendo no copo. E elas derretem, logo, não se lembram de sua essência.
Quando duas vidas se tocam, ninguém nunca sabe o que se passa. Ele pode querer dividir a tal vida. Ela pode querer dividir só uma cama. Ele pode querer só uma noite. Ela pode querer um casamento. Ela pode estar desgostosa com uma ex-relação e louca para mostrar felicidade novamente. Ele pode estar se fodendo para isso e não agir como um príncipe. Eles podem estar desgraçadamente sozinhos, mas serem orgulhosos demais para admitir isso. Eles podem estar habitando qualquer lugar dentro de si mesmos, e ainda assim serem mais inatingíveis do que parecem. E é isso, não há por que demonizá-los.


Ps: Que agonia aquela criatura Deschanel atuando. Qual é, mina, você tem 13 anos? Dispensável o clichezinho do ''sou uma garotinha-problema, não se apaixone por mim, seu banana''.

Ps²: Passei o filme inteirinho pensando que o Joseph Gordon-Levitt ainda estava encarnando o gurizinho bonachão de ''10 Coisas que Eu Odeio em Você''. Na verdade, não consigo associá-lo a outro papel. Cameron deixou marcas.




Auxiliou no post: 

Hook - Blues Traveler




  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sumiços, porre de vinho, Julia Roberts

Sumi, né? Eu sei. Mas não foi por falta de ideia. Na verdade, seguidamente os ''preciso escrever sobre isso porque tá me sufocando'' vêm me visitar em uníssono. Saudade de usar ''uníssono'' em um texto de novo, ufa, saiu. No colégio, uma vez, uma professora disse que eu era uma pedante literária. Sigo honrando o deboche com gosto.   No geral, eu não tenho mais tempo (será que eu arrumaria tempo?). Não tenho mais tempo para escrever minhas misérias aqui, logo eu que sempre priorizei minimamente este espaço nebuloso. Fazer o quê? É da vida. Nem vim fazer mea culpa até porque ninguém se importa, foi mais para dar as caras, tirar o pó do lugar, abrir as janelas. Como vão? Me convidem para tomar um café, só não liguem para o meu celular, não suporto telefone tocando. Mentira, café com esse calor não tem condição, me convidem para ficar em silêncio tomando um vento na cara. Preciso de silêncio, não aguento mais ter que opinar sobre tudo. Não aguento mais qua…

Sobre Ilha das Flores e Ilha das Flores - depois que a sessão acabou

A ideia deste post surgiu de algo bem interessante. Ontem, eu dei uma lida numa entrevista do cineasta Jorge Furtado e decidi dividi-la no perfil que tenho em uma rede social, uma vez que ele fez algumas considerações sobre jornalismo - e isso, independente de quem vier, sempre me faz dar uma parada. Gosto de ver o que estão falando, etc. Na ocasião, o repórter também nos lembrou da passagem de 25 anos daquele que parece ser um dos maiores feitos do porto-alegrense, o curta ''Ilha das Flores'', lançado em 1989 e até hoje considerado um marco em sua carreira.  Arrisco dizer que não haja ninguém que não tenha assistido a tal documentário, especialmente nos anos de ensino médio, mas, vá lá, quem sabe nem todos conheçam. Desde que o vi, fiquei encantada. Encantada, mas não num sentido ''jogo no time do Jorge Furtado Futebol Clube'', e, sim, ''que baita jeito de contar uma história, com deboche e precisão''. Trata-se de um roteiro quase lúdico…

Su deboche es mi deboche

Terminei, há uns dias meses, o último livro da ótima Tati Bernardi, aquela moça que meio mundo ama incluir em suas selfies, muito embora a maioria daquelas frases toscas não sejam de autoria da roteirista - palavras da mesma. Pois Tati, que fez de seu transtorno psicológico matéria-prima para muitas de suas genialidades, me fez rir quase convulsionada com o hilariante - porém não menos denso - Depois a louca sou eu. Eu simplesmente cheguei ao cúmulo de parar a leitura e, entre risos histéricos, repetir para mim mesma:''ela não pode ter escrito issoooooooo''. Pois não é que escreveu? E escreveu muito bem (putaquepariu, um texto bem escrito é a minha Disney!!!). É um tom confessional delicioso e intimista, é quase como se eu quisesse abraçar Tatiane e dizer que também já estive ali - estaremos sempre algumas vezes na vida porque esses dilemas psicológicos são dificílimos de desgrudar. Talvez não desgrudem nunca.
Foi um deleite ver a escritora revelar seus piores dramas …