Pular para o conteúdo principal

Check-in no Aeroporto Charles de Gaulle

Aconteceu há algumas horas. Quando vi, pulava de perfil em perfil, imersa em um mundo que não é o meu, mas é realidade de alguns poucos abastados desse Brasilzão varonil. Não é de hoje que sabemos que redes sociais são uma ilusão muito bem arquitetada para nos odiarmos - nós e nossas vidinhas prosaicas. Só que, às vezes, essa ficha cai como um soco na cara. Maldito Instagram.
Sou uma pessoa demasiado reflexiva - talvez isso vá na minha lápide, vamos torcer - e qualquer mínimo pensamento meu, não raro, desencadeia uma curto-circuito de impressões e revelações - aqui jaz um cérebro doente. Bom, a de hoje é sobre essa vida de faz de conta da confraria de imagens citada. Essa a que aderimos porque não queríamos ficar fora da onda, e, bem no fim, o aplicativo estava tão à mão na tela do celular... essa que alimentamos com fotos previamente produzidas e cheias de efeitos. Meu Deus, o que nos tornamos? Um bando de ostentadores. Ai... isso me parece tão, tão problemático que me corrói. Assim, não me entenda mal, ninguém quer ser visto numa pior - muito menos eu, humana que nasci - mas já era para termos evoluído quanto a esse pecado do exibicionismo (cá entre nós, essa busca é tão cristã e esperada, que Jesus deve estar às lágrimas lendo esse texto). Eu sei, eu sei, dá um prazer supremo, quase sexual, postar uma foto naquele camarote caríssimo - quem quer ser visto em casa no sábado à noite, afinal? Ou postar destinos ricos e barrigas chapadas com frases de efeito que fazem parecer tudo tão simples só porque algum afortunado com uma fé inabalável acreditou que era possível. Eu sei que é legal, é da horíssima. O porém que me arrasa é vivermos num país ainda tão miserável e subnutrido. Sim, esfregar essa felicidade plástica nas fuças alheias me soa cruel, desnecessário. Será que estou falando tanta abobrinha assim?
Não é o fato de as pessoas que jogam no Dream Team do Insta serem desprezíveis e ruins - na maioria das vezes, elas são incrivelmente bacanas e do bem: pagam seus impostos, dizem por favor e compartilham imagens espíritas. Elas são umas fofas, só estão perdidas. E estão deixando alguns olhos que as observam, à margem, doentes de ódio. Dá para sacar onde eu quero chegar, né? Pois é, os esfarrapados não costumam dialogar.
Tudo na nossa vida perpassa relações de consumo. Tudo. Repitam comigo: t u d o. Somos um catálogo ambulante de escolhas monetárias, sociais, de linguagem e o escambau. Estamos diariamente emanando uma mensagem ao mundo, e não sei se tem muito sentido pedir mais essência e menos aparência marcando a arrobinha da marca de bolsa que custa um salário mínimo. Beber chope no barzinho tal da Lapa, check-in no Aeroporto Charles de Gaulle, partiu Xangri-lá, sushizinho top com os melhores... e se lacrássemos mais no escuro do anonimato? Ou, quem sabe, em menores proporções - só uma vez por mês, digamos - para os outros não se sentirem tão lixo por estarem comendo um reles prato de arroz e feijão? Calma, menino Je, não precisa chorar.



                                           Charles de Gaulle is judging you








Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sumiços, porre de vinho, Julia Roberts

Sumi, né? Eu sei. Mas não foi por falta de ideia. Na verdade, seguidamente os ''preciso escrever sobre isso porque tá me sufocando'' vêm me visitar em uníssono. Saudade de usar ''uníssono'' em um texto de novo, ufa, saiu. No colégio, uma vez, uma professora disse que eu era uma pedante literária. Sigo honrando o deboche com gosto.   No geral, eu não tenho mais tempo (será que eu arrumaria tempo?). Não tenho mais tempo para escrever minhas misérias aqui, logo eu que sempre priorizei minimamente este espaço nebuloso. Fazer o quê? É da vida. Nem vim fazer mea culpa até porque ninguém se importa, foi mais para dar as caras, tirar o pó do lugar, abrir as janelas. Como vão? Me convidem para tomar um café, só não liguem para o meu celular, não suporto telefone tocando. Mentira, café com esse calor não tem condição, me convidem para ficar em silêncio tomando um vento na cara. Preciso de silêncio, não aguento mais ter que opinar sobre tudo. Não aguento mais qua…

Sobre Ilha das Flores e Ilha das Flores - depois que a sessão acabou

A ideia deste post surgiu de algo bem interessante. Ontem, eu dei uma lida numa entrevista do cineasta Jorge Furtado e decidi dividi-la no perfil que tenho em uma rede social, uma vez que ele fez algumas considerações sobre jornalismo - e isso, independente de quem vier, sempre me faz dar uma parada. Gosto de ver o que estão falando, etc. Na ocasião, o repórter também nos lembrou da passagem de 25 anos daquele que parece ser um dos maiores feitos do porto-alegrense, o curta ''Ilha das Flores'', lançado em 1989 e até hoje considerado um marco em sua carreira.  Arrisco dizer que não haja ninguém que não tenha assistido a tal documentário, especialmente nos anos de ensino médio, mas, vá lá, quem sabe nem todos conheçam. Desde que o vi, fiquei encantada. Encantada, mas não num sentido ''jogo no time do Jorge Furtado Futebol Clube'', e, sim, ''que baita jeito de contar uma história, com deboche e precisão''. Trata-se de um roteiro quase lúdico…

Su deboche es mi deboche

Terminei, há uns dias meses, o último livro da ótima Tati Bernardi, aquela moça que meio mundo ama incluir em suas selfies, muito embora a maioria daquelas frases toscas não sejam de autoria da roteirista - palavras da mesma. Pois Tati, que fez de seu transtorno psicológico matéria-prima para muitas de suas genialidades, me fez rir quase convulsionada com o hilariante - porém não menos denso - Depois a louca sou eu. Eu simplesmente cheguei ao cúmulo de parar a leitura e, entre risos histéricos, repetir para mim mesma:''ela não pode ter escrito issoooooooo''. Pois não é que escreveu? E escreveu muito bem (putaquepariu, um texto bem escrito é a minha Disney!!!). É um tom confessional delicioso e intimista, é quase como se eu quisesse abraçar Tatiane e dizer que também já estive ali - estaremos sempre algumas vezes na vida porque esses dilemas psicológicos são dificílimos de desgrudar. Talvez não desgrudem nunca.
Foi um deleite ver a escritora revelar seus piores dramas …