Pular para o conteúdo principal

Top10 Agridoce

ÊÊÊÊÊÊ!!!! Hoje, tem Top10 na lojinha agridoce. Atendendo a inúmeros pedidos (um, e foi de um amigo, rs), eu volto para lhes contar o que anda excursionando em meus fones, enquanto ando em ônibus diversos, vou à feira, saio para flanar por aí, lavo louças e etc. Não deixem de mandar suas cartinhas, vai que uma delas seja lida no ar, hein? Beijinhos agridoces com muita música, telespecssssss!


1- Vo(C) - Vídeo Hits (Taí um autêntico one-hit wonder. Essa música é tipo um "Come on Eileen", do Dexys Midnight Runners - que também acho ótima, por sinal. Não sei de outra música dessa banda que tenha emplacado (se alguém souber, ignore minha ignorância), mas essa é uma delícia de escutar, sabe. Com esses versinhos ''vou lhe esperar comportadinho no quintal...", sabe? Ai, sabe? Que coisa, sabe? Por que eu fico fantasiando esse desgraçado fofinho e etc quando escuto isso, sabe? Odeio ter essa manteiga na cavidade torácica.)

2- Mystify - INXS (Eu acho INXS uma banda fabulosa. Sei lá, não entendo caralhos de música, (ia começar a ter aulas de violão, mas amarelei, rs), mas sei reconhecer quando a coisa me pega de jeito. E a banda do finado Hutchence me pega de jeito lindamente. Nem sei se essa tal Mystify é dele, para ser honesta, todavia, todavia, todavia, todavia, hein? Não tenho argumentos plausíveis, a música é boa e pronto - sou ótima na arte da persuasão, hein, mals aê.)

3- Not enough time - INXS (E se você escuta uma, quer escutar as outras, isso é muito sério. Se você só conhece "Beautiful girl" - aquela que o Paulo Ricardo regravou e para a qual emprestou seu jeitinho tupiniquim (?) - na hora de colocar mais coisa na cesta de compras, hein? Diferentemente do Coldplay, por exemplo, que me irrita com certos minimalismos (?), Michael Hutchence e sua trupe me encantam pelo mesmo motivo. Tipo aquela coisa ''tô cantando, mas tô sem vontade, gata...")

4- Under cover of darkness - The Strokes (Falando em cantar sem vontade, lembro do menino Julian Casablancas. Ai, Julian, não, você não canta sem vontade, canta com muita paixão, super sério. Mas essa sua carinha de "peguei um táxi e vim parar nesse show, nem sei o que tô fazendo aqui... tô em Saturno? arrebata meu coraçãozinho groupie. Essa música é relativamente recente e demorei para ver quão deliciosamente escutável ela é. Experimente dançar como se não houvesse amanhã ao som dessa coisinha do Julian e cia, e depois hablamos. Ai, peraí, olha o lindinho do Fabrizio.....)

5- Camaro Amarelo - Munhoz e Mariano (Pegava fácil o cabeludinho, não sei qual dos dois é. De boca fechada, lógico, mas pegava. Bom, o que dizer? A música tem lá seu trunfo, convenhamos: tem um refrão pegajoso e eficiente. Mas que letrinha bem... er... curiosa, não? (amo eufemismos) E, outra, por que diabos o carro tem que ser a-ma-re-lo? , eu sei que é para rimar com ''caramelo'', mas - b-e-m-n-a-b-o-a - se eu ficasse rica do dia pra noite, eu ia é comprar um carro discreto, clean, para mostrar quão rica, esnobe e blasé tinha ficado, sei lá, né? Esses sertanejos não sabem ser milionários, honestamente. E eu curto um masoquismo auditivo, nota-se. "Agora, eu fiquei agridoce, doce, doce, doce...")

6- More than words - Extreme (Mimimimimimimimimimimmimimimimimimi olha isso, como não amar? Mimimimimimimi por que ainda estamos separados, meu amor? Mimimimi faria tudo para ter você do meu lado? Mimimimimi sou patética? Mimimimimi olha esse ritmo abalando meu coração de tijolo, em que mundo estamos? Sério, baita música para encharcar travesseiros, sofrer por amor, esse combo conhecido aí. Depois de desidratar ao som do violãozinho, sugiro colocar mais um pouco de vodka no copo e ir lamber sabão. Desteto gente chorona. Tipo eu, assim.)

7- Cartomante - Ivan Lins (Até ir a um congresso de comunicação, há alguns meses, eu não conhecia essa música absurda. Absurdamente linda e comovente e sei lá mais o quê. E, olha, analisando o contexto em que foi composta e etc, devo lhes dizer que... sei lá, eu devo ter sido da guerrilha do Araguaia, talvez uma subversiva daquelas bem fodidas no meu amado Brasil da década de 60, porque, honestamente, essa letra abalou minhas estruturas. Sem mais delongas, acho formidável. Pra escutar com o coração. "Pense nos seus filhos..." é, tipo, uma passagem corrosiva? Nem sei explicar.)

8- Daysleeper - R.E.M. (O título dessa música é um resumo fiel da minha vida - creio que da de vocês também - porque, se tem algo que eu curto fazer nessa minha existência prosaica, é dormir. Eu vivo dormindo, devo ter nascido dormindo, em um senhor exercício de volta ao passado, posso imaginar titio obstetra falando para mamãe, no parto, que sua cria primogênita roncando, em vez de chorar, sei lá. E mamãe, lá, anestesiada e sem entender nada. Ah, sim, também pode ser um retrato da vida dos jornalistas de plantão e de outros trabalhadores madrugadores, não? Que seja, adoro essa do R.E.M. Na real, adoro mais coisas deles, mas em outro programa, comento, rs.)

9- A noite perfeita - Leoni (Olha esse fofucho do Leoni voltando a me atazanar??? Desde "Garotos II: o outro lado", eu não tinha um caso tão passional com ele. Aliás, suspeito que essa música tenha sido feita em parceria com o carinha do Kid Abelha, o George Israel - maldita Wikipédia que não sabe nunca das coisas, penso estar na hora de eu dar uma escrivinhada por lá, para zuar de vez, rs. Seja de quem for, ótima, ficou ótima na voz dos dois, amei o clipe, me identifiquei com a letra e também acho que "se nada acontecer, a culpa é dela com certeza". Eu, no caso.)

10- I'll fly with you - Gigi D'agostino - (Encerro o top10 de hoje com essa música super atual, dançante, lançamento inédito de David Guetta Feat. alguma-pseudo-cantora-promíscua., tô brincandinho, né, a música vem direto dos anos 2000 - aquela época em que eu via minhas primas indo para a balada e morria de vontade de adentrar aquele mundo maravilhoso de luzes coloridas e cerveja no cabelo. Se eu falei até do Munhoz e do outro lá, o que é encerrar com essa breguice dessa/desse tal Gigi (não tenho ideia de quem seja)? Até que é interessante, sacumé, para bailar, não é necessário tanto discernimento assim. Escuta aí, seu chato.)









Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sumiços, porre de vinho, Julia Roberts

Sumi, né? Eu sei. Mas não foi por falta de ideia. Na verdade, seguidamente os ''preciso escrever sobre isso porque tá me sufocando'' vêm me visitar em uníssono. Saudade de usar ''uníssono'' em um texto de novo, ufa, saiu. No colégio, uma vez, uma professora disse que eu era uma pedante literária. Sigo honrando o deboche com gosto.   No geral, eu não tenho mais tempo (será que eu arrumaria tempo?). Não tenho mais tempo para escrever minhas misérias aqui, logo eu que sempre priorizei minimamente este espaço nebuloso. Fazer o quê? É da vida. Nem vim fazer mea culpa até porque ninguém se importa, foi mais para dar as caras, tirar o pó do lugar, abrir as janelas. Como vão? Me convidem para tomar um café, só não liguem para o meu celular, não suporto telefone tocando. Mentira, café com esse calor não tem condição, me convidem para ficar em silêncio tomando um vento na cara. Preciso de silêncio, não aguento mais ter que opinar sobre tudo. Não aguento mais qua…

Sobre Ilha das Flores e Ilha das Flores - depois que a sessão acabou

A ideia deste post surgiu de algo bem interessante. Ontem, eu dei uma lida numa entrevista do cineasta Jorge Furtado e decidi dividi-la no perfil que tenho em uma rede social, uma vez que ele fez algumas considerações sobre jornalismo - e isso, independente de quem vier, sempre me faz dar uma parada. Gosto de ver o que estão falando, etc. Na ocasião, o repórter também nos lembrou da passagem de 25 anos daquele que parece ser um dos maiores feitos do porto-alegrense, o curta ''Ilha das Flores'', lançado em 1989 e até hoje considerado um marco em sua carreira.  Arrisco dizer que não haja ninguém que não tenha assistido a tal documentário, especialmente nos anos de ensino médio, mas, vá lá, quem sabe nem todos conheçam. Desde que o vi, fiquei encantada. Encantada, mas não num sentido ''jogo no time do Jorge Furtado Futebol Clube'', e, sim, ''que baita jeito de contar uma história, com deboche e precisão''. Trata-se de um roteiro quase lúdico…

Su deboche es mi deboche

Terminei, há uns dias meses, o último livro da ótima Tati Bernardi, aquela moça que meio mundo ama incluir em suas selfies, muito embora a maioria daquelas frases toscas não sejam de autoria da roteirista - palavras da mesma. Pois Tati, que fez de seu transtorno psicológico matéria-prima para muitas de suas genialidades, me fez rir quase convulsionada com o hilariante - porém não menos denso - Depois a louca sou eu. Eu simplesmente cheguei ao cúmulo de parar a leitura e, entre risos histéricos, repetir para mim mesma:''ela não pode ter escrito issoooooooo''. Pois não é que escreveu? E escreveu muito bem (putaquepariu, um texto bem escrito é a minha Disney!!!). É um tom confessional delicioso e intimista, é quase como se eu quisesse abraçar Tatiane e dizer que também já estive ali - estaremos sempre algumas vezes na vida porque esses dilemas psicológicos são dificílimos de desgrudar. Talvez não desgrudem nunca.
Foi um deleite ver a escritora revelar seus piores dramas …