Pular para o conteúdo principal

Feliz dia 7, cambada!

Velho, eu curto ser jornalista. Pra caralho. Caralhíssimo, eu diria. Um puta parabéns pra mim, pra nós!


Na semana que passou, eu andei fazendo uma das coisas que eu mais gosto na vida: ler jornal. Há uns bons meses, eu não parava para ler um exemplar de cabo a rabo - nos últimos tempos, me acostumei somente a visitar portais de notícias e... argh não é a mesma coisa. Nada como abrir a editoria de comportamento e ler o vício de linguagem preferido do meu colunista do coração. Nada como ler uma reportagem bem escrita com todos os desdobramentos característicos da natureza do emblemático lead. Nada como sentir o papel entre as mãos, fazer um debate solitário com a manchete e depois finalizar com a cruzadinha dos campeões. Diliça!
Eu nunca escondi que a mídia impressa é minha favorita. Na faculdade ainda, vivia exaltando os repórteres de impresso, a rotina produtiva deles, enfim, puxando descaradamente o assado pr'eles. Os tidos como diabólicos, maquiavélicos, articuladores, pouco econômicos, embromadores... é, amigo, essa é a minha praia. Eu amo redações. Poderia tranquilamente viver dentro de uma, por mais desgastantes e loucas que sejam - e são, meu!!! Falo, porque, de todos os trabalhos jornalísticos que fiz até hoje, grande parte se deu para a mídia em questão - não sei, aliás, se foi acaso ou incompetência para as outras, eis um mistério pra mim. Mas sinto que rola uma coisa mais latina pelo impresso, não sei explicar. Vai ver é minha incompetência mesmo para as outras, que remédio. Todavia, contudo, entretanto, não digo que uma é melhor que a outra. Apenas reafirmo o que venho pregando há certo tempo: cada jornalista tem sua menina dos olhos. A notícia de última hora é que, antigamente, me sentia culpadíssima por não morrer de amores por rádio, televisão e etc, já, hoje em dia, nem aí, Chatô que perdoe a discípula dele. 
Bem, o papo nostálgico tá super, mas vou aos cumprimentos e aos desejos, antes que a audiência se encha:

- Desejo fontes que atendam os telefones prontamente, e que seus aparelhos nunca estejam desligados.
- Desejo pautas apaixonantes.
- Desejo editores que não coloquem suas tendências políticas acima do texto imparcial e digno.
- Desejo que os jornais de cidades do interior comecem a contratar pessoas formadas e abandonem o amadorismo e o provincianismo que lhes são característicos.
- Desejo que os leitores dessas cidades boicotem tais veículos e exijam mais qualidade editorial.
- Desejo que as rádios - também do interior - parem de agir como canais exclusivos de venda e tratem de informar com seriedade.
- Desejo que a sagrada reunião de pauta nunca seja relegada e vire raridade.
- Desejo que os estudantes de jornalismo não entrem nessa furada, achando que é só televisão e brincar com microfone, pois, do contrário, quebrarão a cara.
- Desejo que a classe honre sua condição de artesã da palavra e inicie a utilização da norma culta da língua portuguesa.
- Desejo alguns furos jornalísticos de qualidade pra essa galera parar de sofrer com a informalidade. E uns vários para mim, claro.
- Desejo capas infinitas pra alimentar nosso ego, afinal a gente merece. ÊÊÊÊÊ!
- Pras girls: desejo uns colegas repórteres bem gatos para que vocês tenham mais vontade de trabalhar, hein? E uns flertes inocentes, que isso ajuda bastante a manter a sede de notícia.
- Desejo dias doces nesse mundo do cão que é o jornalismo diário.
- Desejo que minha letra no bloquinho fique mais decente, pois nunca entendo nada do que escrevo. Caos.
- Desejo uns dias fora de série e nada de rotina.
- Desejo que nunca falte o debate clássico numa mesa de bar regado a umas geladas.
- Desejo umas festas espetaculares com credenciais de respeito.
- Desejo que o jornalismo pare de ser encarado com superficialidade e adquira o status de ciência que sempre mereceu.
- Desejo tudo de melhor para todos que lutam pela informação e vivem para isso, enfim.

Feliz dia 7, cambada!
  



*Beijo pra quem entendeu a foto.














Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sumiços, porre de vinho, Julia Roberts

Sumi, né? Eu sei. Mas não foi por falta de ideia. Na verdade, seguidamente os ''preciso escrever sobre isso porque tá me sufocando'' vêm me visitar em uníssono. Saudade de usar ''uníssono'' em um texto de novo, ufa, saiu. No colégio, uma vez, uma professora disse que eu era uma pedante literária. Sigo honrando o deboche com gosto.   No geral, eu não tenho mais tempo (será que eu arrumaria tempo?). Não tenho mais tempo para escrever minhas misérias aqui, logo eu que sempre priorizei minimamente este espaço nebuloso. Fazer o quê? É da vida. Nem vim fazer mea culpa até porque ninguém se importa, foi mais para dar as caras, tirar o pó do lugar, abrir as janelas. Como vão? Me convidem para tomar um café, só não liguem para o meu celular, não suporto telefone tocando. Mentira, café com esse calor não tem condição, me convidem para ficar em silêncio tomando um vento na cara. Preciso de silêncio, não aguento mais ter que opinar sobre tudo. Não aguento mais qua…

Sobre Ilha das Flores e Ilha das Flores - depois que a sessão acabou

A ideia deste post surgiu de algo bem interessante. Ontem, eu dei uma lida numa entrevista do cineasta Jorge Furtado e decidi dividi-la no perfil que tenho em uma rede social, uma vez que ele fez algumas considerações sobre jornalismo - e isso, independente de quem vier, sempre me faz dar uma parada. Gosto de ver o que estão falando, etc. Na ocasião, o repórter também nos lembrou da passagem de 25 anos daquele que parece ser um dos maiores feitos do porto-alegrense, o curta ''Ilha das Flores'', lançado em 1989 e até hoje considerado um marco em sua carreira.  Arrisco dizer que não haja ninguém que não tenha assistido a tal documentário, especialmente nos anos de ensino médio, mas, vá lá, quem sabe nem todos conheçam. Desde que o vi, fiquei encantada. Encantada, mas não num sentido ''jogo no time do Jorge Furtado Futebol Clube'', e, sim, ''que baita jeito de contar uma história, com deboche e precisão''. Trata-se de um roteiro quase lúdico…

Su deboche es mi deboche

Terminei, há uns dias meses, o último livro da ótima Tati Bernardi, aquela moça que meio mundo ama incluir em suas selfies, muito embora a maioria daquelas frases toscas não sejam de autoria da roteirista - palavras da mesma. Pois Tati, que fez de seu transtorno psicológico matéria-prima para muitas de suas genialidades, me fez rir quase convulsionada com o hilariante - porém não menos denso - Depois a louca sou eu. Eu simplesmente cheguei ao cúmulo de parar a leitura e, entre risos histéricos, repetir para mim mesma:''ela não pode ter escrito issoooooooo''. Pois não é que escreveu? E escreveu muito bem (putaquepariu, um texto bem escrito é a minha Disney!!!). É um tom confessional delicioso e intimista, é quase como se eu quisesse abraçar Tatiane e dizer que também já estive ali - estaremos sempre algumas vezes na vida porque esses dilemas psicológicos são dificílimos de desgrudar. Talvez não desgrudem nunca.
Foi um deleite ver a escritora revelar seus piores dramas …