Pular para o conteúdo principal

Quinze anos

Velho, ontem me deram quinze anos. Quin-ze!

Estávamos mamãe e eu em uma loja, embebidas naquele típico e maçante programa mulherzinha, quando eis que escutei minha genitora confabular com uma vendedora sobre minha magreza - cêis sabem, eu sou um palito, mas um palito muy apetitoso, diga-se de passagem.

- Mas ela é tão miudinha, né? Corpinho...
- Sempre foi assim, mas bah, quantos anos tu dá pra minha guria? (gauchismo lindo de ver, uai)
- Olha, uns 15... é, por aí... tem 15, né?

(risos)

- Ca-paz! Ela tem 23. É formada já e tudo! (mamãe cabando comigo, como quem diz: "nem dá pra acreditar com essa cara de pateta, né?" - só faltou dizer que a véia assiste Tom e Jerry ainda, e toma nescauzinho antes de dormir.)


A moça caiu para trás. E ganhou minha gratidão eterna, evidentemente. Mulher, depois dos 20, sempre vai jogar fogos quando for sentenciada com menos idade. Pode ser babaquice - e, de fato, é - mas a gente fica feliz da vida, encara como o suprassumo dos elogios. Freud deve explicar. Enquanto as duas riam sobre o acontecido, eu fiquei divagando entre uma trocada e outra de roupa. Percebam que nunca passaremos uma ideia unilateral do que somos. A gente é um zilhão de coisas perante os olhos alheios. Quando ponho o pé na rua, não sou mais a jornalista adulta (ao menos no papel, rs) Bruna Castro; eu sou o que a geral quiser, e ela, possivelmente, será bem superficial na análise - que o diga o episódio acima, em que fui uma estudante terceiranista outra vez. Claro, ali houve um veredicto baseado na minha compleição física - que nunca me deixou ser um mulherão, e não há nada de absurdo no causo, em absoluto. Só me chamou a atenção mesmo essa situação. Vai saber quantas vezes não nos arrumamos com o intuito de seduzir todo o time de garotos da rua, destilando a feminilidade que o Tom Jobim cantou pra Helô Pinheiro, e talvez tenhamos passado a ideia errada. Vai saber. Vai saber se numa dessas tentativas, não passamos por adolescentes usando as roupas balzaquianas da titia vaidosa. É uma possibilidade.
O julgamento é inerente aos olhos que nos cercam, não acho um problema. Mas que às vezes pode ser cruel, pode. Eu passo por imbecil lunática, se ouso, sem querer, atravessar a rua com o sinal fechado. Eu passo por cretina mal educada, se não dou atenção a um transeunte que vende rifas, mesmo que ele não saiba que eu tenho pressa para não perder o horário do ônibus. Eu passo por escandalosa que só a fim de aparecer, se rio freneticamente numa conversa ao telefone com uma amiga que não vejo há anos. Eu passo por vagabundinha de quinta, se tento chamar atenção de um cara numa festa, me utilizando de uma brincadeira pouco usual - ele que certamente não sabe que não faço isso com frequência e só fui adiante, porque vi um brilho no olho dele que me fez parar e passar por cima da minha timidez.

- Essa mina deve fazer isso com todos!

Claro que deve. E pode ser que não faça também. Eu passo por qualquer coisa. Você, leitora, passa igualmente. Eu posso ser qualquer coisa diante de quem cruza comigo nessas esquinas nada discretas da vida. É uma delícia e uma desgraça. O fato é que a gente nunca é a mesma coisa, embora seja sempre a mesma. Percebam o caos. Só sei que, depois que me deram quinze anos, tudo lindo. Feliz début para mim.








Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Isis e eu

Dia desses, um cara comentou altas grosserias numa foto minha (um feioso que estava querendo este corpinho, mas isso a Globo não mostra, uééééééé). O fato é que o moço me esculachou - ainda que, outrora, quisesse comer - dizendo para eu não me achar tanto visto que, perto de beldades como Isis Valverde, Fulana Não Sei Das Quantas (alguma boazuda fitness que nunca nem vi e que deve tirar foto olhando pro chão) e outras mulheres que não identifiquei no comentário magoado, eu era feia pra caralho. Eu, Bruna C., 28 anos, feia pra caralho e humilhada em rede social. Lamentei, claro, mas mais por ele não ter sacado o meme que originou a legenda da foto - olha, feiura até relevamos, mas não sacar um meme? Poxa, estamos falando de uma indústria brasileira vital. Mas, vamos lá, se tem algo que eu capto nessa vidinha obscura é a profundidade das coisas. Este feio incapacitado para entender ironias, achando que estava acabando comigo, só aguçou meu senso de observação.  É evidente que nunca che…

Sobre Ilha das Flores e Ilha das Flores - depois que a sessão acabou

A ideia deste post surgiu de algo bem interessante. Ontem, eu dei uma lida numa entrevista do cineasta Jorge Furtado e decidi dividi-la no perfil que tenho em uma rede social, uma vez que ele fez algumas considerações sobre jornalismo - e isso, independente de quem vier, sempre me faz dar uma parada. Gosto de ver o que estão falando, etc. Na ocasião, o repórter também nos lembrou da passagem de 25 anos daquele que parece ser um dos maiores feitos do porto-alegrense, o curta ''Ilha das Flores'', lançado em 1989 e até hoje considerado um marco em sua carreira.  Arrisco dizer que não haja ninguém que não tenha assistido a tal documentário, especialmente nos anos de ensino médio, mas, vá lá, quem sabe nem todos conheçam. Desde que o vi, fiquei encantada. Encantada, mas não num sentido ''jogo no time do Jorge Furtado Futebol Clube'', e, sim, ''que baita jeito de contar uma história, com deboche e precisão''. Trata-se de um roteiro quase lúdico…

Família Felipe Neto

Eu já queria falar sobre isso há um bom tempo, e, enquanto não criar vergonha nessa cara e entrar num mestrado para matar minha curiosidade de por que caralhos as pessoas dão audiência para pessoas tão bizarras e nada a ver, a gente vai ter que escrever sobre isso aqui. Quando eu falo ''a gente'', me refiro a mim e às vozes que habitam minha cabeça, tá, queridos? Youtubers... youtubers... sim, Bruna, está acontecendo e faz tempo. Que desgraça essa gente! Ó, pai, por que me abandonaste? Quanto tempo eu dormi? Estamos vivendo uma era de espetacularização tão idiota, mas tão idiota que me faltam palavras, é sério, eu só consigo sentir - como diria o fatídico meme. Não tem a mínima condição de manter a sanidade mental, querendo estudar, trabalhar, evoluir quando pegar uma câmera, do celular mesmo, sair falando um monte de merda e enriquecer com isso ficou tão fácil. Vamos usar um case bem ridículo aqui? Vamos.  Dia desses, esta comunicóloga que vos fala, fazendo suas comp…