Pular para o conteúdo principal

Em vez de rosa, um cactus

Não sei de onde surgiu a ideia - aparentemente incontestável - de que mulheres são loucas por flores. Deve ter sido mais uma invenção capitalista, certamente. (A propósito, se alguém tiver algum texto elucidativo explicando o porquê de relacionarem rosas, lírios, orquídeas, etc a nós, me indique, realmente tenho gana de saber.) Não tô falando que flores - rosas em especial - são desprezíveis, elas são, sim, cheirosas, embelezam ambientes, são agradáveis, ok. Agora, não me venham oferecer rosinha em Dia Internacional da Mulher, por favor, tenham um pingo de consciência das coisas. Mas que coisas, sua rabugenta que não aceita nenhuma florzinha?
O dia 8 não é para ser comemorado, meus queridos, ele é um dia de militância, de reflexões, dia de ouvir, de aprender, de rever estatísticas - que nem sempre são positivas a nós. O mercado, este escroto pagando de ''gentil'', apenas se apropriou de uma data, cujo significado não tem nada de festivo. Para você que está chegando agora da Disney: o dia 8 tem uma simbologia triste, meu caro, como o Dia da Consciência Negra, por exemplo, que marca o aniversário de morte de Zumbi dos Palmares. Naturalmente, quem acha normal dar rosinhas e presentes no dia já citado, deve ser o tipo de criatura que parabeniza negros pela passagem ''do seu dia''. É osso, viu?
No Facebook, vi um sem-número de mulheres se dizendo emocionadas pelas ''homenagens'' que receberam no trabalho, que seus maridos até fizeram café na cama para elas, que se orgulham de serem esposas dedicadas e fazerem seus homens felizes... quer dizer, eu sou obrigada a sorrir condescendentemente para isso? Pior foi ter que ler na marra piadistas do naipe do CQC, nos mandando gentilmente lavar louças, nos brindando com montagens em que havia carros mal estacionados e letreiros com um singelo ''Feliz dia da mulher'', entre outras brincadeirinhas inocentes. Ah, por que ser tão chata, ri aí, eu sou descoladão. E eu tenho que me sentir atraída por um estrupício desses?
Que me chamem de mal amada, de chata, o que for, não me importo, mas eu não aceitei nem vou aceitar rosas nunca neste dia. Enquanto eu não puder sair na rua com a roupa que me der na telha sem ouvir ''elogios'' destes galãs que nos presenteiam com rosas vermelhas, não aceitarei. Enquanto eu ainda ler notícias sobre estupros horrorosos, não aceitarei. Enquanto mulheres transexuais ainda sofrerem com piadinhas maldosas na rua, não aceitarei. Enquanto mulheres seguirem sendo assassinadas por estes príncipes modernos que ''amam demais'', não aceitarei. Enquanto formos vítimas de qualquer violência psicológica, não aceitarei. Quem sabe chegue o dia em que poderemos receber flores como mera gentileza, mas, por enquanto, anota aí: vou querer um cactus para combinar com o meu estado de espírito.




   
 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sumiços, porre de vinho, Julia Roberts

Sumi, né? Eu sei. Mas não foi por falta de ideia. Na verdade, seguidamente os ''preciso escrever sobre isso porque tá me sufocando'' vêm me visitar em uníssono. Saudade de usar ''uníssono'' em um texto de novo, ufa, saiu. No colégio, uma vez, uma professora disse que eu era uma pedante literária. Sigo honrando o deboche com gosto.   No geral, eu não tenho mais tempo (será que eu arrumaria tempo?). Não tenho mais tempo para escrever minhas misérias aqui, logo eu que sempre priorizei minimamente este espaço nebuloso. Fazer o quê? É da vida. Nem vim fazer mea culpa até porque ninguém se importa, foi mais para dar as caras, tirar o pó do lugar, abrir as janelas. Como vão? Me convidem para tomar um café, só não liguem para o meu celular, não suporto telefone tocando. Mentira, café com esse calor não tem condição, me convidem para ficar em silêncio tomando um vento na cara. Preciso de silêncio, não aguento mais ter que opinar sobre tudo. Não aguento mais qua…

Sobre Ilha das Flores e Ilha das Flores - depois que a sessão acabou

A ideia deste post surgiu de algo bem interessante. Ontem, eu dei uma lida numa entrevista do cineasta Jorge Furtado e decidi dividi-la no perfil que tenho em uma rede social, uma vez que ele fez algumas considerações sobre jornalismo - e isso, independente de quem vier, sempre me faz dar uma parada. Gosto de ver o que estão falando, etc. Na ocasião, o repórter também nos lembrou da passagem de 25 anos daquele que parece ser um dos maiores feitos do porto-alegrense, o curta ''Ilha das Flores'', lançado em 1989 e até hoje considerado um marco em sua carreira. 
Arrisco dizer que não haja ninguém que não tenha assistido a tal documentário, especialmente nos anos de ensino médio, mas, vá lá, quem sabe nem todos conheçam. Desde que o vi, fiquei encantada. Encantada, mas não num sentido ''jogo no time do Jorge Furtado Futebol Clube'', e, sim, ''que baita jeito de contar uma história, com deboche e precisão''. Trata-se de um roteiro quase lúdico…

Su deboche es mi deboche

Terminei, há uns dias meses, o último livro da ótima Tati Bernardi, aquela moça que meio mundo ama incluir em suas selfies, muito embora a maioria daquelas frases toscas não sejam de autoria da roteirista - palavras da mesma. Pois Tati, que fez de seu transtorno psicológico matéria-prima para muitas de suas genialidades, me fez rir quase convulsionada com o hilariante - porém não menos denso - Depois a louca sou eu. Eu simplesmente cheguei ao cúmulo de parar a leitura e, entre risos histéricos, repetir para mim mesma:''ela não pode ter escrito issoooooooo''. Pois não é que escreveu? E escreveu muito bem (putaquepariu, um texto bem escrito é a minha Disney!!!). É um tom confessional delicioso e intimista, é quase como se eu quisesse abraçar Tatiane e dizer que também já estive ali - estaremos sempre algumas vezes na vida porque esses dilemas psicológicos são dificílimos de desgrudar. Talvez não desgrudem nunca.
Foi um deleite ver a escritora revelar seus piores dramas …