Pular para o conteúdo principal

Sobre o dia 8 de março

É de uma dificuldade aterradora tentar mudar um discurso opressor internalizado em nós, entranhado em nossa vivência desde o dia em que nos conhecemos por gente. É como dar murros em pontas de facas. Sangra. Dói. Desgasta. ''Por que se incomodar em mudar?'' - dirão alguns. Oras, porque estamos vivos, e resignação é morte. Se o Darcy Ribeiro disse que há duas opções na vida e que uma delas é a resignação, digo que nunca deixarei de me indignar. Enquanto estiver viva, hei de me indignar.
Eu nunca dei muita bola para o feminismo - como muitxs de vocês. Para ser mais franca ainda, eu achava que, sim, isso era coisa de gente sem mais o que fazer. Ora bolas, se a gente já pode votar e fazer faculdades e etc, o que essas minas ainda querem com isso? Tolinha essa Bruna...
Só que, buscando alguns arquivos empoeirados pelo tempo - lá da aurora da minha infância - me dei conta de que ele nunca esteve tão forte em mim. Desde sempre. Como quando meu pai me buscava no colégio, me via jogando futebol e dizia, receoso de que alguém me machucasse: ''Bruna, isso não é coisa de menina'', e eu ficava meio prostrada, indignada com aquilo, porque, para mim, grandiscoisa jogar com a piazada, qualé a tua, papai??? Claro, dirá você aí que isso não passa de uma opressãozinha-classe-média (e é!!!) mas é por pensamentos como esse que fui criada do jeito que o status quo gosta. Ainda que eu tenha ensaiado uma rebeldia, ela sempre foi superficialmente questionadora, não militante e, pior, reprodutora natural de preconceitos contra as mulheres: calar também é ser conivente na maioria das vezes. Não me culpem, sinceramente, é muito fácil manter tal posição, uma vez que ela é amparada pela mídia hegemônica (de forma escancarada e sutil), pela nossa amada família, pelos nossos professores, pelo governo, por praticamente todos que nos rodeiam - o que não quer dizer, entretanto, que eles sejam do mal, em um sentido cruel da palavra. Vocês sabem, estamos mergulhados neste marzão de lixo há tempos...
Mas podemos frear a ignorância. Se quisermos, claro. Hoje, as promoções de corte de cabelo, de manicure, de depilação, de lojas de roupas e o escambau pipocarão em vossas timelines, como se realmente o universo de ser mulher se restringisse a essas amenidades cotidianas. Mas aí vocês podem lembrar que há mulheres ainda apanhando de seus companheiros, sendo assassinadas por eles, morrendo em abortos clandestinos, sendo marginalizadas pela sua orientação sexual, por não quererem ser mães e donas de casa - e por serem apenas donas de casa também - sendo vítimas de estupros nojentos e sendo culpabilizadas por eles devido à roupa que usavam, entre outras violências pouco nítidas para quem não quer enxergar. Em suma, esta postagem é mais um bilhete carinhoso, dizendo que eu tô com vocês, gurias! Posso não ter estado sempre em atitudes, mas sempre estive por instinto. E ele é que me trouxe até aqui e me fez escrever isso.


É muito mais difícil destruir o impalpável do que
o real.
— Virgínia Woolf


Dentro de nós é forte o medo da liberdade.
— Germaine Greer



Auxiliou no post: 

Away - The Cranberries






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sumiços, porre de vinho, Julia Roberts

Sumi, né? Eu sei. Mas não foi por falta de ideia. Na verdade, seguidamente os ''preciso escrever sobre isso porque tá me sufocando'' vêm me visitar em uníssono. Saudade de usar ''uníssono'' em um texto de novo, ufa, saiu. No colégio, uma vez, uma professora disse que eu era uma pedante literária. Sigo honrando o deboche com gosto.   No geral, eu não tenho mais tempo (será que eu arrumaria tempo?). Não tenho mais tempo para escrever minhas misérias aqui, logo eu que sempre priorizei minimamente este espaço nebuloso. Fazer o quê? É da vida. Nem vim fazer mea culpa até porque ninguém se importa, foi mais para dar as caras, tirar o pó do lugar, abrir as janelas. Como vão? Me convidem para tomar um café, só não liguem para o meu celular, não suporto telefone tocando. Mentira, café com esse calor não tem condição, me convidem para ficar em silêncio tomando um vento na cara. Preciso de silêncio, não aguento mais ter que opinar sobre tudo. Não aguento mais qua…

Sobre Ilha das Flores e Ilha das Flores - depois que a sessão acabou

A ideia deste post surgiu de algo bem interessante. Ontem, eu dei uma lida numa entrevista do cineasta Jorge Furtado e decidi dividi-la no perfil que tenho em uma rede social, uma vez que ele fez algumas considerações sobre jornalismo - e isso, independente de quem vier, sempre me faz dar uma parada. Gosto de ver o que estão falando, etc. Na ocasião, o repórter também nos lembrou da passagem de 25 anos daquele que parece ser um dos maiores feitos do porto-alegrense, o curta ''Ilha das Flores'', lançado em 1989 e até hoje considerado um marco em sua carreira. 
Arrisco dizer que não haja ninguém que não tenha assistido a tal documentário, especialmente nos anos de ensino médio, mas, vá lá, quem sabe nem todos conheçam. Desde que o vi, fiquei encantada. Encantada, mas não num sentido ''jogo no time do Jorge Furtado Futebol Clube'', e, sim, ''que baita jeito de contar uma história, com deboche e precisão''. Trata-se de um roteiro quase lúdico…

Su deboche es mi deboche

Terminei, há uns dias meses, o último livro da ótima Tati Bernardi, aquela moça que meio mundo ama incluir em suas selfies, muito embora a maioria daquelas frases toscas não sejam de autoria da roteirista - palavras da mesma. Pois Tati, que fez de seu transtorno psicológico matéria-prima para muitas de suas genialidades, me fez rir quase convulsionada com o hilariante - porém não menos denso - Depois a louca sou eu. Eu simplesmente cheguei ao cúmulo de parar a leitura e, entre risos histéricos, repetir para mim mesma:''ela não pode ter escrito issoooooooo''. Pois não é que escreveu? E escreveu muito bem (putaquepariu, um texto bem escrito é a minha Disney!!!). É um tom confessional delicioso e intimista, é quase como se eu quisesse abraçar Tatiane e dizer que também já estive ali - estaremos sempre algumas vezes na vida porque esses dilemas psicológicos são dificílimos de desgrudar. Talvez não desgrudem nunca.
Foi um deleite ver a escritora revelar seus piores dramas …