Pular para o conteúdo principal

Vai uma hipotenusa aí, Bru?

E aí, seres pensantes, e essa vida?

No último post, tivemos uma aulinha básica sobre o verbo ''haver''. Sei que é manezice da minha parte cagar regrinhas de Português, mas acontece que eu sou mané. Todo mané se importa. Se eu não fosse mané, vocês acham que eu teria uma úlcera a cada erro lido, e me prestaria a vir escrever esses mimimis com veemência e sofreguidão? Magina, inocente. É por isso que eu gosto até mesmo de me intitular mané - como na descrição sobre mim (favor direcionar suas retinas ao lado).
Ah... e também porque eu gosto das coisas bem escritas. Todavia, quando recrimino pessoas que escrevem errado, faço referência àquelas que têm/tiveram condições de estudarem, que puderam ter acesso a bons livros e bibliotecas, e, mesmo assim, negligenciaram-se. Aquelas que aprendem trocentas línguas para impressionar sei lá quem, mas não sabem sequer pontuar uma frase. É a essas que a metralhadora cheia de mágoas se volta. Jamais teria a falta de tato de condenar uma pessoa humilde por desconhecer os meandros discursivos do seu próprio idioma - e é uma pena que os humildes sejam maioria.
Eu, felizmente, sempre tive facilidade na área. Sempre. No terceiro ano - sofrendo horrores por não saber o que fazer da vida - tive a pachorra de pegar exame em todas as Exatas, em Biologia (genética, por que tão arredia?), mas em Português exibi as minhas melhores médias do Ensino Médio. Simplesmente não estudei, brinquei com a sorte - e olha que ela costuma falhar. Eis-me aqui então: um ás da crase, que tem pesadelos até hoje com hipotenusas e catetos. Cada um com suas prioridades, meu povo.
É muito curioso quando me lembro das professoras dizendo que eu me saía bem nas provas interpretativas, tipo, elas diziam que eu viajava na maionese, mas alcançava níveis incríveis de entendimento. E eu ria, porque só me restava isso.

- Bruna, mas tu viajaste nesta resposta, não?
- Mas não tá certo?
- Até tá, mas era tão mais simples, não entendi aonde teu pensamento foi...

A inocência dela, achando que eu sabia em que raio de lugar meu pensamento foi se enfiar......

Não é impunemente que, hoje em dia, eu tenha repertório para manter o bloguinho sempre muito bem alimentado com abobrinhas - sem trocadilho alimentício, por favor. Desde que eu me conheço por gente, eu vivo no mundo da lua. Parece charminho, mas, não raro, a coisa vira um problema, porque o fato é que eu tenho certa resistência a mergulhar na vida real. Vai uma hipotenusa aí, Bru?

AFF



Auxiliou no post:

Por que nós? - Marcelo Gênioci





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sumiços, porre de vinho, Julia Roberts

Sumi, né? Eu sei. Mas não foi por falta de ideia. Na verdade, seguidamente os ''preciso escrever sobre isso porque tá me sufocando'' vêm me visitar em uníssono. Saudade de usar ''uníssono'' em um texto de novo, ufa, saiu. No colégio, uma vez, uma professora disse que eu era uma pedante literária. Sigo honrando o deboche com gosto.   No geral, eu não tenho mais tempo (será que eu arrumaria tempo?). Não tenho mais tempo para escrever minhas misérias aqui, logo eu que sempre priorizei minimamente este espaço nebuloso. Fazer o quê? É da vida. Nem vim fazer mea culpa até porque ninguém se importa, foi mais para dar as caras, tirar o pó do lugar, abrir as janelas. Como vão? Me convidem para tomar um café, só não liguem para o meu celular, não suporto telefone tocando. Mentira, café com esse calor não tem condição, me convidem para ficar em silêncio tomando um vento na cara. Preciso de silêncio, não aguento mais ter que opinar sobre tudo. Não aguento mais qua…

Sobre Ilha das Flores e Ilha das Flores - depois que a sessão acabou

A ideia deste post surgiu de algo bem interessante. Ontem, eu dei uma lida numa entrevista do cineasta Jorge Furtado e decidi dividi-la no perfil que tenho em uma rede social, uma vez que ele fez algumas considerações sobre jornalismo - e isso, independente de quem vier, sempre me faz dar uma parada. Gosto de ver o que estão falando, etc. Na ocasião, o repórter também nos lembrou da passagem de 25 anos daquele que parece ser um dos maiores feitos do porto-alegrense, o curta ''Ilha das Flores'', lançado em 1989 e até hoje considerado um marco em sua carreira. 
Arrisco dizer que não haja ninguém que não tenha assistido a tal documentário, especialmente nos anos de ensino médio, mas, vá lá, quem sabe nem todos conheçam. Desde que o vi, fiquei encantada. Encantada, mas não num sentido ''jogo no time do Jorge Furtado Futebol Clube'', e, sim, ''que baita jeito de contar uma história, com deboche e precisão''. Trata-se de um roteiro quase lúdico…

Su deboche es mi deboche

Terminei, há uns dias meses, o último livro da ótima Tati Bernardi, aquela moça que meio mundo ama incluir em suas selfies, muito embora a maioria daquelas frases toscas não sejam de autoria da roteirista - palavras da mesma. Pois Tati, que fez de seu transtorno psicológico matéria-prima para muitas de suas genialidades, me fez rir quase convulsionada com o hilariante - porém não menos denso - Depois a louca sou eu. Eu simplesmente cheguei ao cúmulo de parar a leitura e, entre risos histéricos, repetir para mim mesma:''ela não pode ter escrito issoooooooo''. Pois não é que escreveu? E escreveu muito bem (putaquepariu, um texto bem escrito é a minha Disney!!!). É um tom confessional delicioso e intimista, é quase como se eu quisesse abraçar Tatiane e dizer que também já estive ali - estaremos sempre algumas vezes na vida porque esses dilemas psicológicos são dificílimos de desgrudar. Talvez não desgrudem nunca.
Foi um deleite ver a escritora revelar seus piores dramas …