Pular para o conteúdo principal

Minhas barbies de moicano

É muito curioso como construções de gênero pautam nossas vivências. Hoje, tô política, então não vou dizer que é escroto e doente: apenas vou levantar as sobrancelhas candidamente: ''curioso''. Não raro, muitos colegas da minha área se dedicam a estudar tal temática. Que delícia o Jornalismo andar de mãozinhas dadas com as Ciências Sociais, néam? Me beija, jornalindo. Claro, para cada cérebro curioso nas redações, tem uma meia dúzia reproduzindo estereótipos na mídia hegemônica, na baladinha de sexta com o pessoal da ''firma'', na fila do pão. Tem, velho, tem jornalista cuja cabeça é um ovo. O coraçãozinho dói aqui, mas tem - na federal e na particular, leia-se.
Mas outra hora, minha metralhadora cheia de mágoas continua queimando os coleguxos-repete-senso-comum, não vim falar sobre eles. Vim comentar algumas coisas com as quais nunca me identifiquei e pelas quais eu deveria me interessar, afinal, eu nasci uma mocinha. Sei lá, meu, nunca curti flores. Nunca tive palpitação ao ganhar buquês de rosas vermelhas - sério, tal qual receber uma conta pelo correio. Claro, me apareça um moreno garboso (serião mesmo que eu escrevi GARBOSO?) com uma rosa entre os dentes, me convidando pra um tango, pra ver se a coisa não muda de figura... só uma suposição, claro, até porque eu nunca dancei um tango. Ainda.
Já comentei aqui no blog que ser mãe não é um sonho na minha vida. Quem sabe, a vontade nasça num futuro próximo - terei o maior prazer em abraçá-la -, mas ainda não vi graça em bebês. Só em bebês tipo o Garfield, claro, mas isso vocês já sabem.
Er... vejamos, não acho graça em ficar falando horas e horas sobre roupas, sapatos, maquiagem e o Instagram da Kim Kardashian. Pra ser mais franca ainda: eu fujo de gente assim igual ao Tinhoso, da cruz - o que não quer dizer, claro, que eu não sinta calafrios e borboletas no estômago quando veja uma liquidação de calças jeans. Cada coisa é uma coisa, né, povo. Tenho pânicos estranhos ao entrar em salões de beleza. Tenho pânicos estranhos ao escutar conversas características de tal recinto. No campo amoroso (campo amoroso?? é de comer isso?), indo mais adiante no rol de comportamentos que se convencionou chamar de ''femininos'', realmente tenho problemas em dar a entender que sou difícil, que sou recatada - o que não quer dizer, evidentemente, que esteja escrito na minha testa: SIRVA-SE. Gosto de trocar uma ideia sem joguinhos, ou seja, se eu estiver a fim do papo e do cara, falar e falar e falar mais um pouco, sabendo que isso em nada diminuirá o respeito que mereço. Parece simples, né? Bom se fosse. Detesto também caras que querem pagar de cavalheiros. Ou que acham que precisam me proteger. Ou que acham que têm que abrir porta de carro pra mim. Ou que acham que têm que zoar orientação sexual de outros caras pra afirmar constantemente a sua. Vamos combinar, que achismo bem errado esse de alguns queridos por aí.
Poderia ficar citando muitas manifestações mais de como construções de gênero são irritantes pra mim - e pra vocês também, tenho certeza -, mas aí eu estaria escrevendo um livro. De repente, numa dessas andanças, até sai, hein? Mas, primeiro, vou botar minhas barbies pra dormir - elas, que fizeram um moicano.

 


                                                                    Chupa, Mattel!






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Isis e eu

Dia desses, um cara comentou altas grosserias numa foto minha (um feioso que estava querendo este corpinho, mas isso a Globo não mostra, uééééééé). O fato é que o moço me esculachou - ainda que, outrora, quisesse comer - dizendo para eu não me achar tanto visto que, perto de beldades como Isis Valverde, Fulana Não Sei Das Quantas (alguma boazuda fitness que nunca nem vi e que deve tirar foto olhando pro chão) e outras mulheres que não identifiquei no comentário magoado, eu era feia pra caralho. Eu, Bruna C., 28 anos, feia pra caralho e humilhada em rede social. Lamentei, claro, mas mais por ele não ter sacado o meme que originou a legenda da foto - olha, feiura até relevamos, mas não sacar um meme? Poxa, estamos falando de uma indústria brasileira vital. Mas, vamos lá, se tem algo que eu capto nessa vidinha obscura é a profundidade das coisas. Este feio incapacitado para entender ironias, achando que estava acabando comigo, só aguçou meu senso de observação.  É evidente que nunca che…

Sobre Ilha das Flores e Ilha das Flores - depois que a sessão acabou

A ideia deste post surgiu de algo bem interessante. Ontem, eu dei uma lida numa entrevista do cineasta Jorge Furtado e decidi dividi-la no perfil que tenho em uma rede social, uma vez que ele fez algumas considerações sobre jornalismo - e isso, independente de quem vier, sempre me faz dar uma parada. Gosto de ver o que estão falando, etc. Na ocasião, o repórter também nos lembrou da passagem de 25 anos daquele que parece ser um dos maiores feitos do porto-alegrense, o curta ''Ilha das Flores'', lançado em 1989 e até hoje considerado um marco em sua carreira.  Arrisco dizer que não haja ninguém que não tenha assistido a tal documentário, especialmente nos anos de ensino médio, mas, vá lá, quem sabe nem todos conheçam. Desde que o vi, fiquei encantada. Encantada, mas não num sentido ''jogo no time do Jorge Furtado Futebol Clube'', e, sim, ''que baita jeito de contar uma história, com deboche e precisão''. Trata-se de um roteiro quase lúdico…

Família Felipe Neto

Eu já queria falar sobre isso há um bom tempo, e, enquanto não criar vergonha nessa cara e entrar num mestrado para matar minha curiosidade de por que caralhos as pessoas dão audiência para pessoas tão bizarras e nada a ver, a gente vai ter que escrever sobre isso aqui. Quando eu falo ''a gente'', me refiro a mim e às vozes que habitam minha cabeça, tá, queridos? Youtubers... youtubers... sim, Bruna, está acontecendo e faz tempo. Que desgraça essa gente! Ó, pai, por que me abandonaste? Quanto tempo eu dormi? Estamos vivendo uma era de espetacularização tão idiota, mas tão idiota que me faltam palavras, é sério, eu só consigo sentir - como diria o fatídico meme. Não tem a mínima condição de manter a sanidade mental, querendo estudar, trabalhar, evoluir quando pegar uma câmera, do celular mesmo, sair falando um monte de merda e enriquecer com isso ficou tão fácil. Vamos usar um case bem ridículo aqui? Vamos.  Dia desses, esta comunicóloga que vos fala, fazendo suas comp…