Pular para o conteúdo principal

Não vou curtir sua página nojenta

Vou tentar problematizar uma questão bem idiota e mínima. Tão idiota que talvez vocês nunca tenham pensado como um problema a respeito. Bom, é só um chute. Nestes tempos insanos e modernos, em que sinalizamos apreciação com meras mãozinhas com o polegar levantado, gostar ou não gostar de algo é quase a mesma coisa, quer dizer, trata-se de uma moeda que não tem mais dois lados. Curtimos o que detestamos. Curtimos por curtir. Não sei vocês, mas eu acho um problemão.
Dia desses, falava com um conhecido sobre páginas que nos mandam, milhares por dia, pedindo uma curtida, uma atençãozinha, uma mão, o que custa, né? Custa, cara. Custa muito. Custa minha paciência - que já não é das mais gandhianas - custa meu senso crítico, custa minhas retinas vendo algo por que não se interessam. Claro, dirá você aí, do alto da sua poltrona: ''mas que ladainha, é só não curtir, pombas!!'' Claro que é simples, mas o simples nem sempre é tão simples quando envolve outrem. E, no momento em que você opta por olhar o lado obscuro das coisas, invariavelmente vai se tornar mais e mais sozinho, é da vida. Quantas páginas você já não curtiu para pagar de legal com o seu amigo? E aquela foto em que sua amiga saiu extremamente bizarra, e você teve que curtir na marra e arrematar com um linda? E vocês que curtem página do Luciano Huck? Não sentem nem remorso?  
Contardo Calligaris, por cujas ideias me interesso bastante, falou sobre isso em uma Zero Hora da vida, há um tempo (a propósito, se for trecho de algum livro dele, me deem um toque). Dói, mas é bem elucidativo: 

(...) é uma posição de muita dependência afetiva. Tanto que, se você tem amigos, é óbvio que tem que curtir tudo o que eles colocam na rede social, porque essa é a verdadeira demonstração de amizade hoje em dia: curtir tudo o que seu amigo posta, mesmo que você não tenha interesse algum. Aliás, tem uma boa razão para isso, porque há geralmente uma reciprocidade: se você curte o que seu amigo coloca, ele vai acabar curtindo o que você coloca. É uma espécie de seguro mútuo sobre o fato de ser minimamente gostado.   

AI, CONTARDO, ME ABRAÇA 
(uma vida para ter dois dedos de prosa com esse ser humano)

O que existe por trás de uma curtida inocente? É, dava uma tese de doutorado. As razões podem ser secretas até para quem curte. Como membros da tribo de curtidores compulsivos, queremos com tal ato, demonstrar que estamos a fim daquela pessoa. Queremos quase sempre marcar uma posição de empatia. Queremos dizer para nossos amigos que estamos acompanhando suas vidas, ainda que pouco nos identifiquemos com o que andam fazendo. Geralmente, também perdemos nossa originalidade, mas o fato é que estamos vacinados.

Ah, já ia esquecendo: não vou curtir sua página nojenta.




Auxiliaram no post:

Make it up - Ben Kweller 
Love ain't no stranger - Whitesnake






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sumiços, porre de vinho, Julia Roberts

Sumi, né? Eu sei. Mas não foi por falta de ideia. Na verdade, seguidamente os ''preciso escrever sobre isso porque tá me sufocando'' vêm me visitar em uníssono. Saudade de usar ''uníssono'' em um texto de novo, ufa, saiu. No colégio, uma vez, uma professora disse que eu era uma pedante literária. Sigo honrando o deboche com gosto.   No geral, eu não tenho mais tempo (será que eu arrumaria tempo?). Não tenho mais tempo para escrever minhas misérias aqui, logo eu que sempre priorizei minimamente este espaço nebuloso. Fazer o quê? É da vida. Nem vim fazer mea culpa até porque ninguém se importa, foi mais para dar as caras, tirar o pó do lugar, abrir as janelas. Como vão? Me convidem para tomar um café, só não liguem para o meu celular, não suporto telefone tocando. Mentira, café com esse calor não tem condição, me convidem para ficar em silêncio tomando um vento na cara. Preciso de silêncio, não aguento mais ter que opinar sobre tudo. Não aguento mais qua…

Sobre Ilha das Flores e Ilha das Flores - depois que a sessão acabou

A ideia deste post surgiu de algo bem interessante. Ontem, eu dei uma lida numa entrevista do cineasta Jorge Furtado e decidi dividi-la no perfil que tenho em uma rede social, uma vez que ele fez algumas considerações sobre jornalismo - e isso, independente de quem vier, sempre me faz dar uma parada. Gosto de ver o que estão falando, etc. Na ocasião, o repórter também nos lembrou da passagem de 25 anos daquele que parece ser um dos maiores feitos do porto-alegrense, o curta ''Ilha das Flores'', lançado em 1989 e até hoje considerado um marco em sua carreira. 
Arrisco dizer que não haja ninguém que não tenha assistido a tal documentário, especialmente nos anos de ensino médio, mas, vá lá, quem sabe nem todos conheçam. Desde que o vi, fiquei encantada. Encantada, mas não num sentido ''jogo no time do Jorge Furtado Futebol Clube'', e, sim, ''que baita jeito de contar uma história, com deboche e precisão''. Trata-se de um roteiro quase lúdico…

Su deboche es mi deboche

Terminei, há uns dias meses, o último livro da ótima Tati Bernardi, aquela moça que meio mundo ama incluir em suas selfies, muito embora a maioria daquelas frases toscas não sejam de autoria da roteirista - palavras da mesma. Pois Tati, que fez de seu transtorno psicológico matéria-prima para muitas de suas genialidades, me fez rir quase convulsionada com o hilariante - porém não menos denso - Depois a louca sou eu. Eu simplesmente cheguei ao cúmulo de parar a leitura e, entre risos histéricos, repetir para mim mesma:''ela não pode ter escrito issoooooooo''. Pois não é que escreveu? E escreveu muito bem (putaquepariu, um texto bem escrito é a minha Disney!!!). É um tom confessional delicioso e intimista, é quase como se eu quisesse abraçar Tatiane e dizer que também já estive ali - estaremos sempre algumas vezes na vida porque esses dilemas psicológicos são dificílimos de desgrudar. Talvez não desgrudem nunca.
Foi um deleite ver a escritora revelar seus piores dramas …