Pular para o conteúdo principal

A década em que o Misha chorou

The Works é minha capa preferida do Queen. Não álbum, somente capa, ainda que nele constem ''Man on the prowl'' e ''It's a hard life'', músicas pelas quais tenho carinho especial. Em 2014, completaram-se 30 anos de seu lançamento. Fiquei viajando nisso aqui e me veio uma vontade de escrever sobre anos 80. Amo/sou. Pior que sou mesmo, nasci em 89 e fico fantasiando que carrego um resquício da inventividade dessa época dos blazers com ombreiras.
Um tempão atrás, tive uma fase obcecada pelos tais anos, ainda mais quando me caiu às mãos, num jornal onde trabalhei, um almanaque sobre a década. De ursinho Misha chorando à queda daquele murinho lá, passando por Paolo Rossi e os 3x2 da Itália contra o Brasil, eu sabia de tudo. E falava para quem nem queria escutar, insuportável que sou.
Só acho que eu não precisava ter me fantasiado de Cyndi Lauper naquela primeira festa à fantasia da faculdade, mas, pensando bem, até que foi bom. Quando mais eu poderia usar polainas com scarpin rosa pink? Não posso mais pedir desculpa por ser verde fosforescente. Os 80 foram barulhentos, escandalosos, coloridos, cafonas e incompreendidos, tal qual a Cyndi de araque aqui. Toca aí, galera.


                                                     Freddinho de All Star, awnnnnnnnn.



                                     


Vai ser difícil alguém passar os russos no quesito ''seres peludos fofuchos em Jogos Olímpicos''.







 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sobre Ilha das Flores e Ilha das Flores - depois que a sessão acabou

A ideia deste post surgiu de algo bem interessante. Ontem, eu dei uma lida numa entrevista do cineasta Jorge Furtado e decidi dividi-la no perfil que tenho em uma rede social, uma vez que ele fez algumas considerações sobre jornalismo - e isso, independente de quem vier, sempre me faz dar uma parada. Gosto de ver o que estão falando, etc. Na ocasião, o repórter também nos lembrou da passagem de 25 anos daquele que parece ser um dos maiores feitos do porto-alegrense, o curta ''Ilha das Flores'', lançado em 1989 e até hoje considerado um marco em sua carreira.  Arrisco dizer que não haja ninguém que não tenha assistido a tal documentário, especialmente nos anos de ensino médio, mas, vá lá, quem sabe nem todos conheçam. Desde que o vi, fiquei encantada. Encantada, mas não num sentido ''jogo no time do Jorge Furtado Futebol Clube'', e, sim, ''que baita jeito de contar uma história, com deboche e precisão''. Trata-se de um roteiro quase lúdico…

Família Felipe Neto

Eu já queria falar sobre isso há um bom tempo, e, enquanto não criar vergonha nessa cara e entrar num mestrado para matar minha curiosidade de por que caralhos as pessoas dão audiência para pessoas tão bizarras e nada a ver, a gente vai ter que escrever sobre isso aqui. Quando eu falo ''a gente'', me refiro a mim e às vozes que habitam minha cabeça, tá, queridos? Youtubers... youtubers... sim, Bruna, está acontecendo e faz tempo. Que desgraça essa gente! Ó, pai, por que me abandonaste? Quanto tempo eu dormi? Estamos vivendo uma era de espetacularização tão idiota, mas tão idiota que me faltam palavras, é sério, eu só consigo sentir - como diria o fatídico meme. Não tem a mínima condição de manter a sanidade mental, querendo estudar, trabalhar, evoluir quando pegar uma câmera, do celular mesmo, sair falando um monte de merda e enriquecer com isso ficou tão fácil. Vamos usar um case bem ridículo aqui? Vamos.  Dia desses, esta comunicóloga que vos fala, fazendo suas comp…

Triângulo das Marquises

Nunca evoluiremos como civilização enquanto seguirmos usando guarda-chuva embaixo da marquise. Refletia sobre isso ontem, após me deleitar com uma chuvinha cretina e gelada que molhou meus pés me fazendo dançar jazz involuntário na minha sandália e liquidou o restinho de paciência  de uma semana em que fui dirigida, com honras, por Almodóvar numa reprise de