Pular para o conteúdo principal

Sobre um ano de merda, aniversário do blog e esperança que vem com The Beach Boys

''Então é Natal, e o que você fez?''

SIMONE, MIGA, NÃO FODE

E aí, marujos deste marzão chamado vida? Muita rabanada? Sabe, não foi um ano dos melhores para mim. Ao contrário de muita gente no Facebook espalhando glórias nas fuças alheias, vim aqui, na humilde, dizer que meu ano foi uma merda. Tá, não uma merda, meeeerda - há coisas piores no mundo - foi uma merdinha, saca? Fiz umas escolhas erradas. Perdi pessoas queridas. Meu peludinho me deixou - e ainda dói. Tive momentos bacanas, mas no geral foi como se eu tivesse passado dormindo desde a quarta-feira de cinzas. É surreal como eu me lembro daquele sentimento de impotência naquela tarde. Porém, felizmente passou. O bom é que os anos passam. E tô me recuperando. Comecei a fazer novos planos, aqueles planos de leonino, coitados, que nascem com o fogo, a excitação, a fúria da esperança, e vão, paulatinamente, perdendo o fôlego. Aff, espero ter maturidade desta vez para agir com perícia. Mais estratégia e menos empolgação, Bruna, é a deixa pro próximo ano.

Neste novo ano, eu tava querendo, se me permitem, ser mais cuzona também, sabe? Eu sou muito boazinha, cheia de idealismos e princípios, não sei até que ponto eu ganho com isso. Queria me importar menos com certas coisas. Queria ser mais... mais.... aff, sei lá eu, não sei nominar a coisa. E não é questão de pagar de franciscana também, é só uma espécie de vontade de experimentar outros jeitos de ser. Foi algo que me passou pela cabeça aqui. Todavia, quem sabe eu já esteja sendo cuzona há tempos, e não tenha me dado conta disso, não? Questão de ponto de vista. Acho que, às vezes, você só cansa de ser você. Tô enjoada dessa minha cara de pateta.

Mas, olha, deixa eu contar aqui pra vocês que, timidamente, sinto brotar um sentimento de renovação dentro de mim, uma parada bem energizante. Não sei até quando vai durar, mas tenho sentido que finalmente me encontrei. Direcionei meus interesses, assentei meu coração vagabundo, me conheci melhor. Se eu pudesse dar só uma dica sobre o futuro, seria esta: USEM FILTRO SOLAR
Tá, sério, seria a atividade de se conhecer. Não é fácil e não somos ensinados, em um primeiro momento, a pensar com nossas cabeças. Mas isso já é algo que venho alimentando há uns quatro anos: autoconhecimento. A melhor terapia que existe. E a mais dolorida também. A diferença é que, comparando com os abdominais e o levantamento de ferrinhos, a gente fica mais forte é por dentro mesmo.

Aproveitando o texto, vim parabenizar este bloguxo dos horrores, que completou 4 primaverinhas no dia 22. AEEEEEEEEEE MUITO CHANTILLY PRA GALERA
É um baby, né? Imaturo, pouco convincente, não sabe aonde tá indo. Mas tem bom coração. Vamos ver até quando terá coragem para seguir caminhando. Querendo ou não, ele segue sobrevivendo sem um arranhão da caridade de quem o detesta. Vejo alguns textos antigos lá de três anos atrás e quase choro de vergonha alheia. Mas me policio e mentalizo: aquilo ali já fui eu, não posso apagar nada. A bad passa? Não, não passa, mas aí eu dou jeito de me entreter com coisas idiotas. Daqui uns anos, se continuar, estarei tendo vergonha do que fui hoje provavelmente. Isso é tipo Rei Leão, é o ciclo sem fim. E seguimos.

Bueno, se tem uma coisa que eu já constatei, é que não tem como desejar que todxs tenham um ano maravilhoso, que todxs sejam felizes, pois, quando alguém estiver indo muito bem, alguém não muito distante estará se fodendo pra caralho - trata-se de uma questão de lógica kármica. Entretanto, espero que a gente possa agir da melhor forma diante dessa constante que é a dança das cadeiras. E que dê pra dar umas risadas. A vida não é muito original no roteiro, vive se repetindo com todos, essa raposa. Fiquem com meu Beach Boys altamente inspirador, porque o fato é que não há banda mais natalina que Beach Boys. Será que só eu acho isso? r: sim



E, CHRIS, DE MERI CRISMAS, EU QUERO QUE CÊ RENOVE O CONTRATO COM A MARVEL E FAÇA MAIS UNS 10 FILMES POIS NÃO SERÁ FÁCIL SUPERAR SEU ~~TALENTO~~ DE COLANT, OBRIGADA









Auxiliaram no post:

Os meninos da árvore acima, com God only knows, Don't worry baby, Kokomo, Surfin' safari, I get around, Little saint Nick, etcetera.







        



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sumiços, porre de vinho, Julia Roberts

Sumi, né? Eu sei. Mas não foi por falta de ideia. Na verdade, seguidamente os ''preciso escrever sobre isso porque tá me sufocando'' vêm me visitar em uníssono. Saudade de usar ''uníssono'' em um texto de novo, ufa, saiu. No colégio, uma vez, uma professora disse que eu era uma pedante literária. Sigo honrando o deboche com gosto.   No geral, eu não tenho mais tempo (será que eu arrumaria tempo?). Não tenho mais tempo para escrever minhas misérias aqui, logo eu que sempre priorizei minimamente este espaço nebuloso. Fazer o quê? É da vida. Nem vim fazer mea culpa até porque ninguém se importa, foi mais para dar as caras, tirar o pó do lugar, abrir as janelas. Como vão? Me convidem para tomar um café, só não liguem para o meu celular, não suporto telefone tocando. Mentira, café com esse calor não tem condição, me convidem para ficar em silêncio tomando um vento na cara. Preciso de silêncio, não aguento mais ter que opinar sobre tudo. Não aguento mais qua…

Sobre Ilha das Flores e Ilha das Flores - depois que a sessão acabou

A ideia deste post surgiu de algo bem interessante. Ontem, eu dei uma lida numa entrevista do cineasta Jorge Furtado e decidi dividi-la no perfil que tenho em uma rede social, uma vez que ele fez algumas considerações sobre jornalismo - e isso, independente de quem vier, sempre me faz dar uma parada. Gosto de ver o que estão falando, etc. Na ocasião, o repórter também nos lembrou da passagem de 25 anos daquele que parece ser um dos maiores feitos do porto-alegrense, o curta ''Ilha das Flores'', lançado em 1989 e até hoje considerado um marco em sua carreira. 
Arrisco dizer que não haja ninguém que não tenha assistido a tal documentário, especialmente nos anos de ensino médio, mas, vá lá, quem sabe nem todos conheçam. Desde que o vi, fiquei encantada. Encantada, mas não num sentido ''jogo no time do Jorge Furtado Futebol Clube'', e, sim, ''que baita jeito de contar uma história, com deboche e precisão''. Trata-se de um roteiro quase lúdico…

Su deboche es mi deboche

Terminei, há uns dias meses, o último livro da ótima Tati Bernardi, aquela moça que meio mundo ama incluir em suas selfies, muito embora a maioria daquelas frases toscas não sejam de autoria da roteirista - palavras da mesma. Pois Tati, que fez de seu transtorno psicológico matéria-prima para muitas de suas genialidades, me fez rir quase convulsionada com o hilariante - porém não menos denso - Depois a louca sou eu. Eu simplesmente cheguei ao cúmulo de parar a leitura e, entre risos histéricos, repetir para mim mesma:''ela não pode ter escrito issoooooooo''. Pois não é que escreveu? E escreveu muito bem (putaquepariu, um texto bem escrito é a minha Disney!!!). É um tom confessional delicioso e intimista, é quase como se eu quisesse abraçar Tatiane e dizer que também já estive ali - estaremos sempre algumas vezes na vida porque esses dilemas psicológicos são dificílimos de desgrudar. Talvez não desgrudem nunca.
Foi um deleite ver a escritora revelar seus piores dramas …