Pular para o conteúdo principal

Exército imbecil da curtida


VAMO LÁ, BRASIL, QUE HOJE A ESTUPIDEZ TÁ NOOOOOTA 10

Eu até não sei como não escrevi antes sobre isso que estou prestes a escrever, visto que é algo que me embrulha o estômago desde sempre. Tá aí, tô aqui abobada pensando que nunca veio o insight pra comentar isso, essa nojeira de compartilhamento em massa da desgraça alheia, muito mais evidente, claro, nestes tempos escrotos de Facebook e smartphones inteligentíssimos - ao menos no nome. Galera vai lá e compartilha foto de cão ensanguentado. Galera vai lá e compartilha foto de acidente. Galera vai lá e compartilha foto de corpo estirado no chão. Galera vai lá e compartilha foto de gente espancada, QUAL É, MANO, CÊS PERDERAM A NOÇÃO DE EMPATIA? Quer dizer, vocês já tiveram algum dia empatia pela dor alheia, digo, antes de ter um celular com câmera? Ou esse emburrecimento veio como bônus na nota fiscal?
Mais que a atitude infame de fotografar e sair por cima como canal de notícias local, o que me deixa puta da cara mesmo são as curtidas que vêm a tiracolo nos tais compartilhamentos. Sempre infinitas, sempre absurdamente numerosas - e, não raro, acompanhadas de muitas opiniões, também numerosas, todos falam, todos sabem do que ocorreu, todos xingam, todos entendem muito da fatalidade quando não é com o próprio rabo. É tipo o exército imbecil da curtida. Cá entre nós, será que as pessoas sabem realmente o que uma curtida quer dizer? Digo isso, pois ela poderia e deveria servir como um instrumento de boicote, ou seja, não achei digno, não curto. Simples. E o post ficaria lá às moscas convivendo com o ostracismo eterno - não porque as pessoas não sentem muito pelo que aconteceu, mas poque têm respeito pelo drama do outro, pela infelicidade que, vejam só, pode sortear qualquer um. Porque, principalmente, se colocam no lugar e, tenho quase certeza, não gostariam de estar servindo de entretenimento barato para a curiosidade fétida de quem está no sofá de casa. Ou gostariam? E se fosse com sua família, seus amigos, com você mesmo?
Em março do ano passado, meu tio materno sofreu um atropelamento horroroso por uma motocicleta, que o deixou com um problema gravíssimo na perna direita. Na noite do ocorrido, ficou inconsciente numa avenida movimentada da cidade, à espera de socorro. E, como não deixaria de ser, foi fotografado pra caralho. Bacana, né? Fotos dele com a perna esfacelada correram as redes, tu viu o fulano, guria? Tem na página de não sei quem, vou te mandar. Tudo pelo bem noticioso, claro, eu que vejo maldade onde não tem.
Eu sei, sabe, que desde sempre a miséria do outro nos toma pelo braço. É algo psicologicamente cruel, mas muito verdadeiro. Só que, pensa, a gente pode se policiar. Ou viramos animais sem o mínimo de senso crítico? Ai, minha ingenuidade. Embora possa parecer, esse post não é por ciuminho de quem quer pagar de ''jornalista'', por favor, até porque essa face do jornalismo, de ter que cobrir catástrofes, ainda que a perceba necessária, me entristece com frequência. É pela banalidade mesmo, pela falta de critério, pela animalização virtual. É pelo nojo constante e genuíno do exército imbecil da curtida, o majestoso - e aparentemente invencível.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sumiços, porre de vinho, Julia Roberts

Sumi, né? Eu sei. Mas não foi por falta de ideia. Na verdade, seguidamente os ''preciso escrever sobre isso porque tá me sufocando'' vêm me visitar em uníssono. Saudade de usar ''uníssono'' em um texto de novo, ufa, saiu. No colégio, uma vez, uma professora disse que eu era uma pedante literária. Sigo honrando o deboche com gosto.   No geral, eu não tenho mais tempo (será que eu arrumaria tempo?). Não tenho mais tempo para escrever minhas misérias aqui, logo eu que sempre priorizei minimamente este espaço nebuloso. Fazer o quê? É da vida. Nem vim fazer mea culpa até porque ninguém se importa, foi mais para dar as caras, tirar o pó do lugar, abrir as janelas. Como vão? Me convidem para tomar um café, só não liguem para o meu celular, não suporto telefone tocando. Mentira, café com esse calor não tem condição, me convidem para ficar em silêncio tomando um vento na cara. Preciso de silêncio, não aguento mais ter que opinar sobre tudo. Não aguento mais qua…

Sobre Ilha das Flores e Ilha das Flores - depois que a sessão acabou

A ideia deste post surgiu de algo bem interessante. Ontem, eu dei uma lida numa entrevista do cineasta Jorge Furtado e decidi dividi-la no perfil que tenho em uma rede social, uma vez que ele fez algumas considerações sobre jornalismo - e isso, independente de quem vier, sempre me faz dar uma parada. Gosto de ver o que estão falando, etc. Na ocasião, o repórter também nos lembrou da passagem de 25 anos daquele que parece ser um dos maiores feitos do porto-alegrense, o curta ''Ilha das Flores'', lançado em 1989 e até hoje considerado um marco em sua carreira. 
Arrisco dizer que não haja ninguém que não tenha assistido a tal documentário, especialmente nos anos de ensino médio, mas, vá lá, quem sabe nem todos conheçam. Desde que o vi, fiquei encantada. Encantada, mas não num sentido ''jogo no time do Jorge Furtado Futebol Clube'', e, sim, ''que baita jeito de contar uma história, com deboche e precisão''. Trata-se de um roteiro quase lúdico…

Su deboche es mi deboche

Terminei, há uns dias meses, o último livro da ótima Tati Bernardi, aquela moça que meio mundo ama incluir em suas selfies, muito embora a maioria daquelas frases toscas não sejam de autoria da roteirista - palavras da mesma. Pois Tati, que fez de seu transtorno psicológico matéria-prima para muitas de suas genialidades, me fez rir quase convulsionada com o hilariante - porém não menos denso - Depois a louca sou eu. Eu simplesmente cheguei ao cúmulo de parar a leitura e, entre risos histéricos, repetir para mim mesma:''ela não pode ter escrito issoooooooo''. Pois não é que escreveu? E escreveu muito bem (putaquepariu, um texto bem escrito é a minha Disney!!!). É um tom confessional delicioso e intimista, é quase como se eu quisesse abraçar Tatiane e dizer que também já estive ali - estaremos sempre algumas vezes na vida porque esses dilemas psicológicos são dificílimos de desgrudar. Talvez não desgrudem nunca.
Foi um deleite ver a escritora revelar seus piores dramas …