Pular para o conteúdo principal

Sobre "Gone with the wind" - só porque o ineditismo não é o meu forte

         Já dediquei aqui uma crônica para "Gone with the wind" - essa maravilha que até hoje convulsiona meu cérebro e me convida a 4 horas de puro nó na garganta e ooohhhhs. O fato é que eu assisti ao filme, novamente, na semana passada, e fiquei louca da vida para falar dele outra vez por essas bandas. Sou repetitiva? Pouco me importa, só sei que tal pérola cinematográfica merece mais um mimo dessa reles espectadora que vos fala. E, opondo-se à primeira análise, em que metaforizei sobre as perdas de Scarlett e trouxe seu exemplo a um plano palpável a nossas vidinhas, a que vem por aí não tem pretensão alguma. Só quer mesmo é lançar palavras no ar e matar minha vontade de divagar...
         Adivinharam, não? Vim falar um monte de abobrinhas sobre meu casal favorito - que, diga-se de passagem, não se entendia muito bem nos sets de filmagem. Eu sou gamada nesses dois e na sua perfeição. Ops, perfeição? Me corrijo: nunca vi dois personagens imperfeitos tão imperfeitos um para o outro. Se, ao lerem meu primeiro texto, vocês os imaginaram como um singelo e doce par do cinema, creio que foram trapaceados. Eles não são fofos, tipo a Amanda Peet e o Ashton Kutcher em "De repente é amor". São uns petulantes, isso sim. Não valem nada, mas têm algo que os une: uma química fora do comum - concebida para entontecer qualquer um que ouse ser taxativo quanto ao seu romance. Eles são tudo, menos previsíveis.
          Basta admirá-los e sou invadida por um misto de sentimentos: tenho vontade de dar uns tapas na Scarlett para deixar de ser cretina; tenho vontade de consolar o Rhett e me bandear até Charleston só para encontrá-lo; tenho vontade de reconciliá-los na marra; tenho vontade de preservar aquela família linda que estavam construindo, após terem casado; tenho vontade de filmar, por conta própria, cenas que ficaram fora da fita original; tenho vontade também de chorar até dormir, por não haver uma continuação sequer da sinopse e eu já conhecê-la, se bobear, até de trás para frente. Don't worry, vou me internar.
          Analisando friamente, é claro que não me agrada muito a romantização dispensada à história dos arrogantes fazendeiros da Geórgia - todos muito soberbos com aquele idealzinho barato de vitória frente ao norte de Abraham Lincoln. Ainda que o núcleo amoroso do filme me faça levitar em frente à televisão, não sou alienada, meus amores. Sou patética, mas também tenho noção dos meandros discursivos que acompanharam a produção do clássico e, para ser franca, cultivo certo desprezo pelo racismo velado que se materializa no roteiro. Tá, tá, não vim falar mal de nada. Isso é mero detalhe, não? Amor eterno por esses lindos que me fazem largar qualquer coisa, só para assisti-los. Não gostou da postagem?
"Frankly, my dear, I don't give a damn" - palavras do Rei de Hollywood.

                           

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sumiços, porre de vinho, Julia Roberts

Sumi, né? Eu sei. Mas não foi por falta de ideia. Na verdade, seguidamente os ''preciso escrever sobre isso porque tá me sufocando'' vêm me visitar em uníssono. Saudade de usar ''uníssono'' em um texto de novo, ufa, saiu. No colégio, uma vez, uma professora disse que eu era uma pedante literária. Sigo honrando o deboche com gosto.   No geral, eu não tenho mais tempo (será que eu arrumaria tempo?). Não tenho mais tempo para escrever minhas misérias aqui, logo eu que sempre priorizei minimamente este espaço nebuloso. Fazer o quê? É da vida. Nem vim fazer mea culpa até porque ninguém se importa, foi mais para dar as caras, tirar o pó do lugar, abrir as janelas. Como vão? Me convidem para tomar um café, só não liguem para o meu celular, não suporto telefone tocando. Mentira, café com esse calor não tem condição, me convidem para ficar em silêncio tomando um vento na cara. Preciso de silêncio, não aguento mais ter que opinar sobre tudo. Não aguento mais qua…

Sobre Ilha das Flores e Ilha das Flores - depois que a sessão acabou

A ideia deste post surgiu de algo bem interessante. Ontem, eu dei uma lida numa entrevista do cineasta Jorge Furtado e decidi dividi-la no perfil que tenho em uma rede social, uma vez que ele fez algumas considerações sobre jornalismo - e isso, independente de quem vier, sempre me faz dar uma parada. Gosto de ver o que estão falando, etc. Na ocasião, o repórter também nos lembrou da passagem de 25 anos daquele que parece ser um dos maiores feitos do porto-alegrense, o curta ''Ilha das Flores'', lançado em 1989 e até hoje considerado um marco em sua carreira. 
Arrisco dizer que não haja ninguém que não tenha assistido a tal documentário, especialmente nos anos de ensino médio, mas, vá lá, quem sabe nem todos conheçam. Desde que o vi, fiquei encantada. Encantada, mas não num sentido ''jogo no time do Jorge Furtado Futebol Clube'', e, sim, ''que baita jeito de contar uma história, com deboche e precisão''. Trata-se de um roteiro quase lúdico…

Su deboche es mi deboche

Terminei, há uns dias meses, o último livro da ótima Tati Bernardi, aquela moça que meio mundo ama incluir em suas selfies, muito embora a maioria daquelas frases toscas não sejam de autoria da roteirista - palavras da mesma. Pois Tati, que fez de seu transtorno psicológico matéria-prima para muitas de suas genialidades, me fez rir quase convulsionada com o hilariante - porém não menos denso - Depois a louca sou eu. Eu simplesmente cheguei ao cúmulo de parar a leitura e, entre risos histéricos, repetir para mim mesma:''ela não pode ter escrito issoooooooo''. Pois não é que escreveu? E escreveu muito bem (putaquepariu, um texto bem escrito é a minha Disney!!!). É um tom confessional delicioso e intimista, é quase como se eu quisesse abraçar Tatiane e dizer que também já estive ali - estaremos sempre algumas vezes na vida porque esses dilemas psicológicos são dificílimos de desgrudar. Talvez não desgrudem nunca.
Foi um deleite ver a escritora revelar seus piores dramas …