Pular para o conteúdo principal

Leozinho tem poder

           Eu sou patética. Irrecuperavelmente patética. Tanto, que, depois de um profundo exercício de monopólio do controle remoto (vulgarmente chamado como ato de zapear em frente à televisão), acabei assistindo ao Titanic, pela milionésima vez, em detrimento de tantos outros bons filmes - e para mim inéditos - que passavam simultaneamente. Me consola o fato de que, certamente, uma boa parcela de moças dispostas a chorar por Jack Dawson, novamente, também acabou prestigiando o filme do Sir James Cameron.
           Sejam tolerantes, poxa! Existe alguém que consiga ficar indiferente à história, às roupas puídas do Léo DiCaprio, ao amor dele e da Kate Winslet, à magnitude da produção, à adrenalina de imaginar que aquele navio, de fato, afundou e que cerca de 1500 pessoas perderam suas vidas nas gélidas águas do Atlântico Norte? Não, né? Eu, pelo menos, assim que vi estar passando, me senti inclinada a largar o que estava fazendo para acompanhar. E foi o que fiz. É uma das grandes obras-primas recentes do cinema, não se discute. Porém, não vou ficar aqui pagando pau para americano (ignorem as palavras açucaradas já escritas sobre a fita), mas sim utilizar um momento do filme como gancho para uma reflexão. Tentar extrair filosofia de onde, aparentemente, só sai glamour.
           Mais para o final, logo após Cal ter atirado diversas vezes contra Rose e Jack, os dois acabam voltando à parte do navio que já está imersa no oceano. Dão mil voltas e acabam encontrando Mr. Andrews, o responsável pela construção do titânico - que agora se vê engolido pelo iminente naufrágio. A moça troca algumas palavras de consolo com o projetista e, em seguida, é mostrado o futuro que aguarda tamanha suntuosidade: louças caríssimas quebradas, a mobília sendo devorada pela água, tudo, tudo, valendo praticamente nada diante de tanto desespero, diante da cruel constatação de que a elegância que pairava nos salões, uma semana atrás, nada mais era que a manifestação da miséria existencial das pessoas que dançavam neles.
            Foi aí que me assaltou o pensamento de que o ato de existir é muito mais que o “material”, as picuinhas e todas essas pequenezas diárias que insistem em roubar nosso sono. Principalmente, mais que a superestimação de certos fatos que, analisados de perto, não afetam em nada nossa paz. Minha mente ficou um bom tempo naquela cena, que foi sucedida por outras e outras, até o conhecido desfecho. A imagem do luxo ficando pequeno perante tamanha desolação. Por instantes, senti uma tristeza e fiquei avaliando a quantas andava o meu modo de encarar a vida.
            É, não posso negar que a sessão corujão, aparentemente inútil, acabou sendo de muita valia, uma vez que terminei a noite, enternecida pelo drama, jogada no sofá e entregue às lágrimas, vendendo paz e amor numa vibe angelical - ainda que, horas antes, estivesse enfurecida por conta de uma discussão de nível estratosférico. Incrível! Coisas que só um mocinho meigo e congelado faz pela gente.  
                                               

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sumiços, porre de vinho, Julia Roberts

Sumi, né? Eu sei. Mas não foi por falta de ideia. Na verdade, seguidamente os ''preciso escrever sobre isso porque tá me sufocando'' vêm me visitar em uníssono. Saudade de usar ''uníssono'' em um texto de novo, ufa, saiu. No colégio, uma vez, uma professora disse que eu era uma pedante literária. Sigo honrando o deboche com gosto.   No geral, eu não tenho mais tempo (será que eu arrumaria tempo?). Não tenho mais tempo para escrever minhas misérias aqui, logo eu que sempre priorizei minimamente este espaço nebuloso. Fazer o quê? É da vida. Nem vim fazer mea culpa até porque ninguém se importa, foi mais para dar as caras, tirar o pó do lugar, abrir as janelas. Como vão? Me convidem para tomar um café, só não liguem para o meu celular, não suporto telefone tocando. Mentira, café com esse calor não tem condição, me convidem para ficar em silêncio tomando um vento na cara. Preciso de silêncio, não aguento mais ter que opinar sobre tudo. Não aguento mais qua…

Sobre Ilha das Flores e Ilha das Flores - depois que a sessão acabou

A ideia deste post surgiu de algo bem interessante. Ontem, eu dei uma lida numa entrevista do cineasta Jorge Furtado e decidi dividi-la no perfil que tenho em uma rede social, uma vez que ele fez algumas considerações sobre jornalismo - e isso, independente de quem vier, sempre me faz dar uma parada. Gosto de ver o que estão falando, etc. Na ocasião, o repórter também nos lembrou da passagem de 25 anos daquele que parece ser um dos maiores feitos do porto-alegrense, o curta ''Ilha das Flores'', lançado em 1989 e até hoje considerado um marco em sua carreira.  Arrisco dizer que não haja ninguém que não tenha assistido a tal documentário, especialmente nos anos de ensino médio, mas, vá lá, quem sabe nem todos conheçam. Desde que o vi, fiquei encantada. Encantada, mas não num sentido ''jogo no time do Jorge Furtado Futebol Clube'', e, sim, ''que baita jeito de contar uma história, com deboche e precisão''. Trata-se de um roteiro quase lúdico…

Su deboche es mi deboche

Terminei, há uns dias meses, o último livro da ótima Tati Bernardi, aquela moça que meio mundo ama incluir em suas selfies, muito embora a maioria daquelas frases toscas não sejam de autoria da roteirista - palavras da mesma. Pois Tati, que fez de seu transtorno psicológico matéria-prima para muitas de suas genialidades, me fez rir quase convulsionada com o hilariante - porém não menos denso - Depois a louca sou eu. Eu simplesmente cheguei ao cúmulo de parar a leitura e, entre risos histéricos, repetir para mim mesma:''ela não pode ter escrito issoooooooo''. Pois não é que escreveu? E escreveu muito bem (putaquepariu, um texto bem escrito é a minha Disney!!!). É um tom confessional delicioso e intimista, é quase como se eu quisesse abraçar Tatiane e dizer que também já estive ali - estaremos sempre algumas vezes na vida porque esses dilemas psicológicos são dificílimos de desgrudar. Talvez não desgrudem nunca.
Foi um deleite ver a escritora revelar seus piores dramas …