Pular para o conteúdo principal

Sobre "Pequena Miss Sunshine"

"Atordoada" não é uma palavra que caiba muito aqui, porém creio que ilustre bem o modo como me senti, hoje, após assistir “Pequena Miss Sunshine” – sim, o atraso é enorme e imperdoável. Referido filme está impregnado de humanidade e, embora carente de minha atenção por tanto tempo, demonstrou-me que segue incrivelmente fresco em seu propósito. Já vi bons filmes nessa vida, mas nunca me deparei com tanta verossimilhança em uma história tão improvável. Poderia ficar discorrendo sobre aspectos técnicos – dos quais, aliás, ainda sou mera aprendiz – e fazer uma legítima resenha, mas não é meu objetivo por ora. Vou é tentar abstrair o encanto que a saga de Olive e seus parentes rumo à Califórnia provocou na criatura agridoce que vos escreve. Mas farei isso sem as coerções exigidas pelas críticas cinematográficas, então, tentemos.
Dizer que o longa fala de um clã desestruturado que embarca em uma viagem que mudará para sempre o rumo de seus membros soa, no mínimo, simplista. Ainda que o grande objetivo seja o de levar a caçula a um concurso de beleza na velha Kombi amarela da família – símbolo máximo dos malucos adoráveis - o road-movie envolve em um fato além disso: em como o ser humano é frágil enredado em sua teia de "verdades", na busca por mostrar seu valor e suas concepções à sociedade. Para ratificar isso, somos brindados com atuações brilhantes e com personagens demasiado reais. São pessoas confusas, instigantes, excêntricas e, como não deixaria de ser, fascinantes.
A matriarca, sempre agregadora, tentando minimizar os vários conflitos que surgem no desenrolar da trama, ainda que se esvaia em questionamentos; O avô sarcástico e descrente, mas, mesmo assim, amoroso; A própria garotinha aspirante à miss, ingênua e esforçada, ainda que já carregue "sintomas" de uma criação pouco ortodoxa; O tio gay e suicida, cujos momentos reflexivos dão o tom dramático que é visto na história e de quem tirei as melhores lições; Entre outros personagens que carregam suas vidas nas costas - todos muito bêbados de existência e daquele humor que beira a bizarrice. No fundo, a sensação que se aninhou em mim é de que o absurdo comum a todos eles é totalmente compreensível, pois trata-se do mesmo que o meu.
Penso que seja impossível não se imaginar em, ao menos, um diálogo carregado de sutileza dentre os vários do filme. Em determinado conjunto de palavras e ações meticulosas lá está nossa vida ganhando replay, porém com novas cores e sentidos. Não soube explicar a gratuidade da simpatia com que fui arrebatada, após os créditos invadirem a tela da TV e a tal comédia metida a drama se despedir. Todavia, assenti com a cabeça ao lembrar daquele velho clichê que diz que ninguém é normal quando visto de perto.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Isis e eu

Dia desses, um cara comentou altas grosserias numa foto minha (um feioso que estava querendo este corpinho, mas isso a Globo não mostra, uééééééé). O fato é que o moço me esculachou - ainda que, outrora, quisesse comer - dizendo para eu não me achar tanto visto que, perto de beldades como Isis Valverde, Fulana Não Sei Das Quantas (alguma boazuda fitness que nunca nem vi e que deve tirar foto olhando pro chão) e outras mulheres que não identifiquei no comentário magoado, eu era feia pra caralho. Eu, Bruna C., 28 anos, feia pra caralho e humilhada em rede social. Lamentei, claro, mas mais por ele não ter sacado o meme que originou a legenda da foto - olha, feiura até relevamos, mas não sacar um meme? Poxa, estamos falando de uma indústria brasileira vital. Mas, vamos lá, se tem algo que eu capto nessa vidinha obscura é a profundidade das coisas. Este feio incapacitado para entender ironias, achando que estava acabando comigo, só aguçou meu senso de observação.  É evidente que nunca che…

Sobre Ilha das Flores e Ilha das Flores - depois que a sessão acabou

A ideia deste post surgiu de algo bem interessante. Ontem, eu dei uma lida numa entrevista do cineasta Jorge Furtado e decidi dividi-la no perfil que tenho em uma rede social, uma vez que ele fez algumas considerações sobre jornalismo - e isso, independente de quem vier, sempre me faz dar uma parada. Gosto de ver o que estão falando, etc. Na ocasião, o repórter também nos lembrou da passagem de 25 anos daquele que parece ser um dos maiores feitos do porto-alegrense, o curta ''Ilha das Flores'', lançado em 1989 e até hoje considerado um marco em sua carreira.  Arrisco dizer que não haja ninguém que não tenha assistido a tal documentário, especialmente nos anos de ensino médio, mas, vá lá, quem sabe nem todos conheçam. Desde que o vi, fiquei encantada. Encantada, mas não num sentido ''jogo no time do Jorge Furtado Futebol Clube'', e, sim, ''que baita jeito de contar uma história, com deboche e precisão''. Trata-se de um roteiro quase lúdico…

Família Felipe Neto

Eu já queria falar sobre isso há um bom tempo, e, enquanto não criar vergonha nessa cara e entrar num mestrado para matar minha curiosidade de por que caralhos as pessoas dão audiência para pessoas tão bizarras e nada a ver, a gente vai ter que escrever sobre isso aqui. Quando eu falo ''a gente'', me refiro a mim e às vozes que habitam minha cabeça, tá, queridos? Youtubers... youtubers... sim, Bruna, está acontecendo e faz tempo. Que desgraça essa gente! Ó, pai, por que me abandonaste? Quanto tempo eu dormi? Estamos vivendo uma era de espetacularização tão idiota, mas tão idiota que me faltam palavras, é sério, eu só consigo sentir - como diria o fatídico meme. Não tem a mínima condição de manter a sanidade mental, querendo estudar, trabalhar, evoluir quando pegar uma câmera, do celular mesmo, sair falando um monte de merda e enriquecer com isso ficou tão fácil. Vamos usar um case bem ridículo aqui? Vamos.  Dia desses, esta comunicóloga que vos fala, fazendo suas comp…